Grandes motivos para visitar estes 22 países minúsculos

Escolhemos países com área menor do que a da cidade de São Paulo (e muito menos população), mas quem disse que tamanho é documento?

Por Lívia Aguiar Atualizado em 3 jul 2019, 15h24 - Publicado em 26 abr 2016, 19h06

Atualizada em 27 de setembro de 2018

A partir da lista de menores países reconhecidos pela ONU, escolhemos as 22 micronações mais atraentes turisticamente e que têm território menor do que os 1,5 mil km² da cidade de São Paulo. E olhe que nem estamos falando da região metropolitana, que tem quase 8 mil km²!

Com bandeira própria, hino, capital e, em alguns casos, até uma moeda só deles, estes países têm encantos naturais, arquitetônicos e históricos que fazem valer a pena a viagem até lá. Entraram na lista ilhas pequenas no Caribe, Ásia e África e também alguns países minúsculos na Europa e Ásia.

1. Vaticano – 0,44 km²

Vista do Vaticano, país que fica no meio de Roma, Itália
extravagantni/iStock

Localizado dentro de Roma e com pouco mais de 800 habitantes, o Vaticano é o menor país do mundo tanto em território quanto em população.

Um destino turístico popular principalmente entre católicos, seus edifícios monumentais e obras de arte chamam a atenção de pessoas de todas as religiões.

É aqui dentro que está um dos afrescos mais famosos do mundo, o teto da Capela Sistina de Michelangelo, entre diversas pinturas e esculturas de mestres renascentistas.

A Basílica de São Pedro e seus exóticos jardins também são atração turística imperdível, assim como as aparições regulares do papa na Praça de São Pedro (que têm muito mais importância para os católicos, claro).

A economia do Vaticano é única, baseada na venda de selos postais, souvenires, entradas dos museus e venda de publicações papais a turistas, que somam mais de 5 milhões de pessoas ao ano!

2. Mônaco – 2,02 km²

Monaco istock
monticelllo/iStock

Ainda que seja um país minúsculo, é o que tem a maior quantidade de milionários e bilionários per capita no mundo! Localizada na costa sudeste francesa, quase na fronteira com a Itália, sua principal fonte de renda é o turismo.

Os principais atrativos são o famoso Cassino Monte Carlo e a sua bela costa mediterrânea povoada por pessoas ricas e famosas. Ostentações à parte, Mônaco tem arquitetura muito bonita com casas e prédios suspensos sobre sinuosas formações rochosas.

Apesar de pequeno, o país tem um dialeto próprio, o monegasco, que é falado por poucos residentes como segunda língua. É possível se virar bem falando francês, italiano ou inglês.

3. San Marino – 61 km²

San Marino istock
Leonid Andronov/iStock

País essencialmente montanhoso, sem nenhuma área plana, San Marino fica no meio da região da Emília Romagna, zona leste da Itália, a 10 km do mar Adriático.

Estranhamente, é uma cidade-estado que tem mais carros do que população (1.263 veículos a cada 1.000 pessoas). Com 2 milhões de visitantes anuais, sua economia está baseada no turismo e no sistema bancário, sendo que as construções medievais da cidade estão entre as atrações mais visitadas.

Sua gastronomia é bastante similar à das regiões italianas da Emilia Romagna e Marche, mas San Marino tem alguns pratos típicos. A Torta Tre Monti é o mais famoso deles, uma torta de wafer de 5 camadas recheada de creme de chocolate e avelã e coberto de chocolate. Um bis gigante e crocante recheado de nutella que representa as três torres históricas da cidade. Nada mal!

O país não é parte da União Europeia, mas usa o euro como moeda oficial. Não é preciso passaporte para entrar, mas se quiser o carimbo como souvenir, basta ir ao centro de turismo na cidade e pagar 5 euros por ele. A língua oficial é o italiano. O romagnol, dialeto da região, também é falado por muitos.

4. Liechtenstein – 160 km²

Liechtenstein istock
iStock/iStock

Pequeno país espremido entre a Suíça e a Áustria governado pela família Liechtenstein. Sua capital é Valduz e a maior cidade é Schaan, que tem quase 6 mil habitantes.

Schaan abriga o maior fabricante de dentes falsos do mundo, a Ivoclar Vivadent AG (risos). Ainda que tenha poucos recursos naturais, Liechtenstein é o único país do mundo com mais empresas do que habitantes, graças aos baixos impostos para negócios e indústrias – são mais de 70 mil empresas registradas em um país com 36 mil habitantes!

O turismo também é uma fonte de renda importante para a economia do micropaís. Os lugares mais procurados por visitantes estão na capital Valduz, como o castelo de Valduz, construído em 1.130, o museu da cidade e o Centro de Turismo de Liechtenstein, onde é possível carimbar o passaporte com o visto oficial do país (que não é obrigatório). A língua oficial é o alemão e sua moeda oficial é o franco suíço.

5. Ilhas Marshall – 181 km²

Ilhas Marshall istock
andrearenata/iStock

Essas pequenas ilhas no Pacífico são parte da macrorregião da Micronésia, a norte da Austrália e a leste das Filipinas. O país é composto de 29 atóis de corais e 1.156 ilhas.

A cidade de Majuro, com 20 mil habitantes, é a capital do país e é composta por 64 ilhas. Majuro tem um porto, distrito de compras, hotéis e um aeroporto internacional.

É nas Ilhas Marshall que fica o Atol de Bikini, que foi usado como local de testes nucleares dos Estados Unidos de 1946 a 1958. A região, obviamente, é desabitada devido à alta radioatividade, mas é possível mergulhar e explorar navios destruídos que estão submersos.

Além do Atol de Bikini, outros atóis oferecem excelentes (e não-radioativas) condições de mergulho! As línguas oficiais das ilhas são marshallês e inglês e a moeda oficial é o dólar dos Estados Unidos.

6. Saint Kitts e Nevis – 261 km²

St Kitts e Nevis istock
Sherry Talbot/iStock

País caribenho composto por duas pequenas ilhas e habitado por 54 mil pessoas – é o maior estado soberano da América, tanto em área quanto em população.

Ex-colônia inglesa onde se cultivava cana de açúcar, hoje a principal atividade econômica é o turismo, graças às belas praias e excelentes condições para mergulho.

Sua gastronomia é rica em alimentos frescos, frutos do mar e carne de bode, com forte influência africana e indígena. A língua oficial é o inglês e a moeda é o Dólar do Caribe Oriental.

7. Maldivas – 300 km²

Maldivas istock
iStock/iStock

Arquipélago no Oceano Índico, próximo à Índia e ao Sri Lanka, tem praias paradisíacas e ótimas oportunidades de mergulho, além de ser um destino romântico bastante frequentado por casais em lua de mel.

Com uma média de elevação de apenas 1,5 m, além de ser o menor país da Ásia, é o mais baixo do mundo e arrisca desaparecer do mapa devido ao aquecimento global – reserve logo sua viagem pra lá antes que isso aconteça! A língua oficial é o maldiviano e sua moeda é a rúpia de Maldivas.

8. Malta – 316 km²

Malta istock
Oliver Malms/iStock

Pequena ilha entre a Sicília e a Tunísia que já foi ocupada por fenícios, gregos, romanos, árabes, cruzados e ingleses até conseguir sua independência.

Essa antiga e movimentada história está refletida em sua arquitetura, arte e gastronomia: motivos de sobra para visitar a ilha, que ainda tem uma bela costa mediterrânea com mar transparente e vida noturna agitada.

Por ser uma ponte entre a África e a Europa, Malta também é a porta de escape de muitos imigrantes ilegais que chegam à sua costa em pequenos barcos. O país tem 450 mil habitantes: é um dos mais densamente populosos do mundo. Malta faz parte da União Europeia e tem o Euro como moeda oficial. As línguas oficiais são o maltês e o inglês.

9. Granada – 344 km²

Granada istock
iStock/iStock

Esta pequena ilha a sudeste do Caribe também é conhecida como “Ilha dos temperos” por causa de sua produção de noz moscada, a segunda maior do mundo atrás apenas da Indonésia, e também de canela, cravo-da-índia, gengibre, entre outras.

Granada e suas seis ilhas menores são de origem vulcânica, com solo extremamente rico e muitas montanhas com pequenos rios e cachoeiras que deságuam no mar extremamente cristalino do Caribe.

O turismo é uma das principais atividades econômicas do país, junto com a produção de noz moscada para exportação. A língua oficial é o inglês, assim como o crioulo granadino inglês e francês. A moeda oficial é o Dólar do Caribe Ocidental.

10. Saint Vincent e as Granadinas – 389 km²

Saint Vincent e as Granadinas istock
iStock/iStock

Foi neste conjunto de ilhas mais a leste do Mar do Caribe, logo antes do Oceano Atlântico, que foram filmadas as cenas marítimas do filme Piratas do Caribe.

As filmagens ajudaram a impulsionar o turismo no país, que ainda tem muito potencial para crescer. A economia das ilhas hoje se baseia na monocultura de bananas, que é muito vulnerável a desastres naturais como tempestades tropicais. Suas línguas oficiais são o crioulo vincentino e o inglês e sua moeda é o Dólar do Caribe Ocidental.

11. Barbados – 430 km²

Barbados istock
Orietta Gaspari/iStock
Continua após a publicidade

Esse pequeno arquipélago tem tudo que a nossa imaginação cria quando pensamos em Caribe: longas praias de areia branca, mar azul com condições maravilhosas para mergulho, resorts de alto luxo e ar elitista com mansões, carrões e iates de luxo.

Barbados também tem ótimas praias para a prática de todas as modalidades de surfe: do longboard ao kitesurf. As línguas oficiais são o inglês e o barbadiano e a moeda é o dolar barbadiano.

12. Antígua e Barbuda – 442 km²

Antigua e Barbuda istock
MichaelUtech/iStock

País caribenho com duas ilhas maiores (Antígua e Barbuda) e várias outras pequenas ao redor, recebeu o apelido de “Terra das 365 praias” devido às diversas faixas de areia, lagoas e portos naturais maravilhosos nas ilhas. Sua cultura se deve à mistura das culturas inglesas (foi parte do Império Britânico por muitos séculos) e africanas devido à instauração de monocultura da cana-de-açúcar que empregava escravos capturados no continente do outro lado do Atlântico.

Infelizmente, a região de Antígua e Barbuda foi fortemente afetada pelo furacão Irma que aconteceu durante os meses de agosto e setembro de 2017. De acordo com a Reuters, a Ilha de Barbuda foi “totalmente demolida”, tendo cerca de 90% de todas as habitações afetadas.

13. Seychelles – 452 km²

Seychelles istock
iStock/iStock

Formado por 115 pequenas ilhas no Oceano Índico a leste do continente africano, Seychelles se orgulha de ter fortes leis de preservação ambiental e controle de turistas que impulsionam o turismo sustentável.

As ilhas abrigam dois patrimônios da humanidade reconhecidos pela Unesco: a Reserva Natural de Vallé du Mai, que fica na ilha de Praslin (onde cresce o coco de mer, a maior semente do mundo) e o Atol de Aldabra, composto de 4 ilhas coralíneas que abriga mais de 150 mil tartarugas-marinhas – a maior concentração delas no mundo.

Suas línguas oficiais são o inglês, francês e crioulo de Seychelles. A moeda oficial é a rúpia seichelense.

14. Palau – 459 km²

Palau istock
dothow/iStock

Arquipélago no Oceano Pacífico a norte da Austrália e oeste das Filipinas é composto por cerca de 250 ilhas! Politicamente, Palau é uma república associada aos Estados Unidos, que os provê de exército, fundos financeiros e acesso a serviços sociais.

Sua economia é baseada principalmente no turismo, especialmente focado no mergulho e snorkel por suas barreiras de corais e navios naufragados.

Corra enquanto é tempo (e se você tiver dinheiro, já que a partir de 2017, só ricaços poderão usufruir do lugar): como muitos países insulares, Palau tem sua existência ameaçada pela elevação do nível dos oceanos devido ao aquecimento global.

As línguas oficiais são palauano e inglês, mas também são falados o japonês, tobiano e sonsorolense. A moeda oficial é o dólar dos Estados Unidos.

15. Andorra – 468 km²

Andorra istock
iStock/iStock

Este pequeno principado entre a Espanha e a França está localizado nos Pirineus, e 92% do país é composto de bosques, lagos, rios e montanhas.

Além das belezas naturais, Andora também é uma zona livre de impostos de importação. Não por acaso, 9 milhões de visitantes viajam a Andorra anualmente em busca de suas belezas naturais durante todas as estações do ano e de compras baratas em suas milhares de lojas.

A língua oficial é o catalão, mas espanhol, português e francês também são falados pela população. Ainda que não seja parte da União Europeia, Andorra tem acordo especial e adota o euro como moeda oficial.

16. Santa Lúcia – 616 km²

Santa Lucia istock
iStock/iStock

Praias caribenhas maravilhosas te esperam na paradisíaca Ilha de Santa Lúcia. Sua economia está baseada principalmente no turismo, sistema financeiro offshore e cultivo de bananas para exportação. Além das praias, a ilha também atrai turistas devido a fontes de água sulfurosa, jardim botânico exuberante, florestas tropicais e um vulcão.

Sua língua oficial é o inglês, mas também são falados o francês e o crioulo de Santa Lúcia. A moeda oficial é o dólar do Caribe Ocidental.

17. Estados Federais da Micronésia – 702 km²

Micronesia istock
Sam Camp/iStock

País no Oceano Pacífico que compreende 607 ilhas próximas à Nova Guiné, Guam, Nauru e as Ilhas Marshall. Por sua beleza selvagem, as ilhas têm muito potencial turístico e já tem alguns resorts e hotéis prontos para recebê-los, mas o fato de estarem tão remotos no planeta e infraestrutura ainda deficiente dificulta seu crescimento. A língua oficial da Micronésia é o inglês e a moeda adotada é o dólar americano.

18. Singapura – 719 km²

Cingapura istock
TommL/iStock

Esta cidade-estado encrustada no Sudeste Asiático estranha o turista já à primeira vista: a cidade é limpa, o trânsito é organizado, o transporte público é eficiente, há shopping centers de primeira qualidade e arquitetura moderna.

Esse contraste com os países vizinhos se deve a um conjunto de leis bastante rígido, que proíbe (e fiscaliza) atravessar fora da faixa de pedestres, comer jaca no transporte público e até mascar chicletes.

Para turistas, Singapura é o paraíso das compras, com muitas lojas de marcas internacionais a preços baixos. O país também atrai visitantes ao seu zoológico, um dos melhores do mundo, com o conceito de eliminar as jaulas dos animais.

As línguas oficiais são o malaio, inglês, mandarim e tamil e a moeda adotada é o dólar de Singapura.

19. Tonga – 747 km²

Tonga istock
MarioGuti/iStock

Arquipélago que compreende 169 ilhas, as quais apenas 36 são habitadas. A maior parte da população de 103 mil habitantes vive na maior ilha, Tongatapu, onde se localiza a capital Nuku’alofa.

A estrutura de turismo de Tonga ainda é bem pequena, mas navios cruzeiros frequentemente têm parada em Vava’u, que tem reputação de ser ótimo local para observação de baleias, praias excelentes para surfe e tem se tornado um local importante para o mercado turístico do Pacífico Sul. As línguas oficiais são o tonganês e o inglês. A moeda adotada é o Pa’anga.

20. Dominica – 751 km²

Dominica istock
gydyt0jas/iStock

Não confundir esse pequeno país insular caribenho com a República Dominicana, que também fica no Caribe. Dominica tem o apelido de “Ilha da Natureza” por causa de sua beleza natural intocada com diversas plantas e animais raros. De origem vulcânica, é nessa ilha que ficam as segundas maiores termas do mundo, a Boiling Lake, mas não tem tantas praias de areia quanto os países vizinhos. O foco está no ecoturismo de aventura, já que o país tem belas montanhas, floresta tropical, lagos, cachoeiras e pontos excelentes para mergulho.

Infelizmente, a região também foi devastada pelas tempestades no Caribe. Desta vez, a Ilha de Dominica foi afetada pelo furacão Maria, segunda grande tempestade do mês.

A economia depende largamente do turismo e da monocultura de bananas, mas também tem indústria de serviços financeiros proeminente (é um paraíso fiscal). Sua língua oficial é o inglês (com muitos falantes de kwéyòl, crioulo dominicano, e iñeri, de origem indígena) e a moeda adotada é o dólar do Caribe Ocidental.

21. Bahrein – 765 km²

Bahrain istock
Nirian/iStock

Este reino instaurado em um pequeno arquipélago no Golfo Pérsico tem pelo menos cinco mil anos de história, tendo sido berço da civilização Dilmun, que se desenvolveu por volta de 3.000 a.C. e dominava o comércio entre a Mesopotâmia e a Civilização do Vale do Indo, sendo um dos maiores entrepostos de comércio do mundo antigo.

As ruínas desta civilização são uma das atrações do país, que também tem excelente pontos de mergulho, rica cultura local árabe e atmosfera amigável e relaxada de modo geral.

Comparando com os países vizinhos, a vestimenta das mulheres é bem casual (frequentemente apenas um lenço ao redor da cabeça, o hijab) e a homossexualidade é legalizada, o que é um avanço em relação às leis machistas da área.

Bahrein foi ocupada pelos portugueses em 1521 (vejam só, eles estiveram por todos os lados), mas os lusos foram expulsos em 1602. A língua oficial é o árabe e a moeda é o dinar de Bahrein.

22. São Tomé e Príncipe – 964 km²

São Tomé e Príncipe istock
mtcurado/iStock

A menor nação falante de português, se situa no Golfo da Guiné, na costa oeste equatorial africana. Consiste em dois arquipélagos com duas ilhas principais (São Tomé e Príncipe), que estão a 140km de distância uma da outra.

Serviram como ponto importante no comércio de escravos africanos e hoje, após diversos ciclos de instabilidade econômica e caos social, se tornou um país pacífico e independente, uma das nações mais estáveis e democráticas da África.

As atividades econômicas principais são a pesca e processamento de produtos agrícolas locais, especialmente o cacau. Suas belas ilhas têm grande potencial turístico que está começando a ser explorado.

Além do português, também é falado o forro e o angolar principense e a moeda oficial é a Dobra.

Continua após a publicidade

Publicidade