Seis tendências no turismo depois do coronavírus

Interesse das pessoas por viagens até aumentou, mas preço e condições de segurança estão mais importantes para os viajantes

Viagens para destinos de natureza são uma das maiores preferências dos brasileiros durante a pandemia. Na foto, Porto de Galinhas, um dos lugares mais procurados

Viagens para destinos de natureza são uma das maiores preferências dos brasileiros durante a pandemia. Na foto, Porto de Galinhas, um dos lugares mais procurados (Pollyana Ventura/Getty Images)

Uma pesquisa da plataforma Booking.com com 20 mil viajantes em 28 países, entre eles o Brasil, mostra que, depois de meses de isolamento e incerteza, as pessoas mantêm o desejo de viajar – e querem até recuperar o tempo perdido. A maior parte (67%) dos viajantes brasileiros disse estar animada para voltar ao turismo e 64% afirmaram que desejam viajar mais no futuro para compensar o tempo perdido em 2020.

Apesar do entusiasmo, dois a cada três brasileiros dizem que não vão se sentir confortáveis para viajar até que haja uma vacina ou tratamento para o novo coronavírus. Enquanto isso não acontece, porém, muitos dão aquela pesquisada no próximo destino. Quase todos (98%) fizeram uma busca sobre viagem durante o isolamento. E quase metade (46%) disse pesquisar possíveis destinos pelo menos uma vez por semana.

A pesquisa da empresa – além do comportamento das pessoas nas buscas e reservas da plataforma de acomodações – mostra seis tendências para o turismo pós-pandemia. Veja abaixo as mudanças de destinos, prioridades e propostas dos viajantes do Brasil:

Preços menores

A crise gerada pela pandemia, que agravou a situação econômica do país, que já não vinha muito bem, aumentou a importância do preço na decisão de compra dos brasileiros. Grande parte (84%) passou a prestar mais atenção ao preço na hora de planejar uma viagem e 78% estão mais propensos a procurar promoções e descontos.

Transparência

Se antes já era importante ficar de olho nas letras miúdas, agora, 82% dos brasileiros dizem esperar mais clareza nas políticas de cancelamento, processos de reembolso e seguro-viagem, por exemplo. Para 36%, ter reembolso na hospedagem é essencial para decidir a próxima viagem; e para 40%, é essencial ter flexibilidade para alterar datas sem multa. Mas essas políticas não podem encarecer demais as viagens, visto que o preço é um fator muito importante para o mercado brasileiro.

Proximidade

Mesmo que as empresas aéreas estejam reafirmando a segurança de andar de avião neste momento de pandemia, a preferência é por deslocamentos mais curtos, de preferência de carro. Esse meio de transporte – junto com o crescimento de adoção de cães e gatos na quarentena – fez dobrar o uso do filtro por acomodações que aceitam pets. Segundo a pesquisa, metade (55%) dos brasileiros quer conhecer um novo destino na região onde mora e 59% pretendem ir para um destino de natureza próximo. Num momento de incerteza, 63% também disseram que planejam viajar a algum lugar que já conhecem, independentemente da distância.

Veja também

Na lista de desejos de viagens feitas pelos usuários da Booking.com, os destinos domésticos ganharam espaço. Aparecem em 83% das wish lists criadas entre maio e junho – no mesmo período de 2019, apareciam em 68% delas. Entre os mais buscados pelos brasileiros na última semana de agosto, estão Campos do Jordão (SP), Rio de Janeiro (RJ), Porto de Galinhas (PE), Ubatuba (SP) e Gramado (RS).

Catedral de Gramado Igreja Matriz São Pedro em Gramado, uma das cidades mais buscadas pelos brasileiros para futuras viagens em tempos de pandemia

Igreja Matriz São Pedro em Gramado, uma das cidades mais buscadas pelos brasileiros para futuras viagens em tempos de pandemia (Turismo de Gramado/Reprodução)

Veja também

Medidas sanitárias

Se a limpeza já era um fator importante na escolha de uma acomodação, agora 91% dos viajantes brasileiros dizem que tomarão mais precauções para evitar a contaminação pela covid-19. Assim como a maioria diz que vai evitar certos destinos e espera que as atrações sejam adaptadas para garantir o distanciamento físico, 81% só vão reservar a hospedagem se tiverem clareza das medidas de higiene e saúde adotadas. Mesmo assim, 53% vão evitar o uso de transporte público – reforçando a tendência de viagens de carro, próprio ou alugado.

A maioria dos participantes da pesquisa disseram preferir viajar de carro na pandemia

A maioria dos participantes da pesquisa disseram preferir viajar de carro na pandemia (Nathalia Segato/Unsplash/Reprodução)

Natureza

A pandemia teve como efeito ressaltar a importância do contato com a natureza e os espaços abertos – especialmente para quem passou meses dentro de um apartamento numa cidade grande. No mundo todo, desde o início da pandemia, aumentaram as recomendações de atividades ao ar livre por hóspedes que passaram por acomodações da Booking.com: fazer trilhas (95%), aproveitar a natureza (44%) e respirar ar puro (50%). A tendência é buscar prazeres simples e relaxar. Por isso, também aumentou a busca por destinos rurais, junto com a família.

Destinos rurais e isolados são um dos preferidos de quem quer viajar na pandemia

Destinos rurais e isolados são um dos preferidos de quem quer viajar na pandemia (Airbnb/Reprodução)

E, para 71%, também contam mais opções sustentáveis de turismo, que fujam da alta temporada e dos lugares superlotados. Outra mudança é no tipo de acomodação buscada. Se, em 2019, 60% dos brasileiros preferiam se hospedar em hotéis, 43% dos viajantes que estão indo para um destino próximo escolhem casas de temporada ou apartamentos.

“Bleasure”

Com a adoção do trabalho remoto por um contingente maior de pessoas, deve aumentar a tendência de misturar viagens de trabalho (business) e de lazer (pleasure). Por isso, as plataformas de busca de acomodações devem passar a destacar informações como presença de home office e qualidade da conexão de internet. Já há resorts no Nordeste investindo nessa tendência – além de atividades para crianças, enquanto os pais trabalham. Segundo a pesquisa, 43% dos brasileiros consideram reservar um lugar onde também possam trabalhar e 58% vão estender suas viagens de trabalho para aproveitar a folga.

Sobre a pesquisa
Encomendada pela Booking.com, foi aplicada em julho com uma amostra de adultos que viajaram a negócios ou lazer nos últimos 12 meses e que planejam viajar nos próximos 12 meses (se/assim que as restrições de viagem forem suspensas). No total, 20.934 pessoas de 28 países foram entrevistadas (incluindo 999 do Brasil).

Comentários

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.