Amsterdã: fim dos tours no Red Light e venda de maconha ameaçada

Medidas são parte de plano de reduzir o número de turistas. Centro erótico poderá ser construído para aliviar o Distrito Vermelho

Não é de hoje que Amsterdã toma medidas contra o turismo de massa. A capital que recebeu 19 milhões de visitantes em 2018 já tirou o letreiro “I Amsterdam” do museu Rijksmuseum, restringiu o uso do Airbnb e aumentou a taxa de turismo – €3 por noite para cada hóspede de hotel, a mais alta da Europa. Mas não parou por aí: agora, autoridades baniram os tours guiados pelo Red Light District e estudam impedir que turistas comprem maconha nos coffee shops

De acordo com o The Guardian, a prefeita Femke Halsema conduziu uma pesquisa com turistas, incluindo perguntas sobre sua relação com os coffee shops. Entre os entrevistados de 18 a 35 anos, 57% declararam que a presença desses estabelecimentos em Amsterdã foi importante em sua decisão de visitar a capital. Quando questionados se voltariam à cidade caso a compra da cannabis fosse proibida, 34% respondeu que viria com menos frequência e 11% nunca mais retornaria.

O Red Light District é popular pelas vitrines com prostitutas

O Red Light District é popular pelas vitrines com prostitutas (Not4rthur/Flickr)

Impedir que turistas comprem maconha legalmente nos cafés seria uma forma de reduzir o número de visitantes em Amsterdã e a grande concentração de pessoas nas áreas de De Wallen e Singel, onde esses locais prevalecem. Halsema ainda declarou que gostaria de estudar maneiras de desvincular a imagem de Amsterdã com o consumo de cannabis pelos turistas.

Veja também

Já no Red Light District, conhecido pela prostituição e pelas vitrines que anunciam sexo, a prefeitura de Amsterdã já havia anunciado em 2019 a proibição de visitas guiadas, que começará a valer partir de 1 de abril deste ano. A medida pretende impedir que grupos de turistas formem multidões na área em horários de pico.

Pela popularidade do local, o governo da capital também planeja construir outro “centro erótico”. Com a nova opção, autoridades tentariam dispersar o turismo do Red Light e ainda garantir mais segurança às profissionais do sexo. No ano passado, a prefeita já havia deixado claro que tomaria medidas drásticas para reduzir a quantidade de turistas no distrito e fazer com que as prostitutas parem de ser assediadas pelas hordas de visitantes.

O complexo teria cinco andares, com quartos com teto de vidro para mais de 100 profissionais do sexo, restaurantes, salões de beleza e até um teatro erótico. A localização do estabelecimento ainda não foi definida, mas a intenção é que seja distante o suficiente das áreas que hoje já são superlotadas.

Vereadores de Amsterdã votarão para aprovar o desenvolvimento do empreendimento no verão europeu. O projeto, porém, pode enfrentar resistência de prostitutas que atualmente trabalham no Red Light District, já que muitas não gostariam de sair dali.

Leia tudo sobre Amsterdã

Busque sua hospedagem em Amsterdã 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s