Roteiro de trem: 10 dias por Barcelona, Madri e sul da Espanha

Passando em cinco cidades diferentes, essa viagem sobre trilhos explora a diversidade cultural do país

Por Patrícia Figueiredo Atualizado em 19 jul 2021, 12h14 - Publicado em 10 mar 2017, 16h21

Barcelona – 3 noites

Aproveite os dias ensolarados de Barcelona para ver obras de Gaudí no melhor museu da cidade: suas ruas. Comece pela Casa Milá, também conhecida como La Pedrera, depois siga para o coloridíssimo Parc Güell e, guardando o melhor para o final, visite a catedral de arquitetura mais singular de que se tem notícia, a da Sagrada Família. Para não amargar filas, compre tudo online, com hora marcada.

+ 10 lugares para conhecer uma Barcelona diferente, indicados por especialistas locais

Viajar de trem em um país em que operam tantas low-costs pode soar antiquado, mas, embora incontáveis voos conectem Barcelona a Madri, ir sobre trilhos é mais prático e pode até ser mais rápido, considerando o deslocamento aos aeroportos. Para viajar sem estourar o limite do cartão no AVE, o trem veloz espanhol, comece a pesquisar as passagens no site da Renfe com três meses de antecedência.

imagem 1
Detalhe das chaminés da Casa Milá, em Barcelona Eduardo Merlile/Flickr

Madri – 3 noites

Uma vez em Madri, renda-se aos museus de verdade. O Reina Sofia guarda relíquias como a Guernica, de Picasso, enquanto o do Prado, mais tradicional, tem no acervo uma profusão de Velázquez e Goya. Os dois ficam próximos, rodeados de pequenas galerias e espaços de exposição independentes.

+ Endereços para comer muito bem em Madri

Mesmo com a crise econômica que atingiu a Espanha anos atrás, os locais mantiveram o hábito de salir de tapas, algo como “sair para petiscar”. Um bom endereço para imitá-los é a taberna La Raquetista, no bairro de Retiro, onde fica o enorme parque homônimo, que parece ainda mais charmoso nos dias de semana.

Ao fim da temporada madrilenha, pegue mais um AVE, que, em menos de três horas, te deixa em Sevilha.

imagem 2
Interior do museu Reina Sofia, em Madri Joan GGK/Flickr

Sevilha – 2 noites

Extravagante capital da Andaluzia, Sevilha é o lugar em que a Espanha abraça o clichê das dançarinas de flamenco e suas castanholas. A atração obrigatória por lá é o Alcázar, complexo palaciano com edifícios de diferentes épocas.

+ Locações de Game of Thrones viram destinos preferidos dos fãs da série

Dedique um dia a ele e outro ao centro histórico, onde fica a catedral da cidade, a maior do país, cujo campanário, a Giralda, é um antigo minarete. Ali perto há também o Metropol Parasol, uma enorme construção de madeira de design contemporâneo que, com sua forma de onda, recobre toda uma praça.

Continua após a publicidade

Depois, embarque em outro trem para um passeio de um dia em Córdoba, a apenas 40 minutos dali.

imagem 3
Nas ondas do Metropol Parasol, em Sevilha Marit & Toomas Hinnosaar/Flickr

Córdoba – Bate e volta

É só caminhar um pouco na histórica Córdoba para enxergar a mistura de influências católicas e árabes. Melhor exemplo está na mesquita que também é catedral, uma obra-prima da arquitetura islâmica que, por si só, já vale o deslocamento até a cidade.

+ Cidades na Espanha estão renomeando ruas para nomes de mulheres

Ainda assim, o lugar não descansa em seus louros e inaugurou, três anos atrás, o Mercado Victoria, que tem pretensões gastronômicas e ocupa uma estrutura de ferro forjada em 1877.

imagem 4
A mesquita/catedral de Córdoba Ricardo Ramírez Gisbert/Flickr

Granada – 1 noite

Devido a obras nos trilhos, o trecho final da viagem entre Sevilha e Granada precisa ser feito em um ônibus fornecido pela própria Renfe. O trajeto leva 2h15min, ao todo.

+ Inverno na Europa: o que vale a pena e o que é roubada

Como em toda Andaluzia, o mix de religiões também é forte em Granada, em que a ocupação moura deixou para trás a impressionante Alhambra, uma fortaleza encravada na montanha que reúne alguns dos jardins, pátios e salas mais visitados da Espanha. Mais uma vez, planejamento é a chave: os ingressos para o complexo são limitados e comprar online com bastante antecedência é essencial.

imagem 5
A fortaleza moura de Alhambra, em Granada Julián Rejas de Castro/Flickr

Qual é a melhor época?

Em abril, o clima é ameno, os hotéis nas capitais têm tarifas de baixa temporada e as cidades da Andaluzia já estão agitadas, mas não lotadas.

[googlemaps https://www.google.com/maps/d/embed?mid=1Mt4UQ_32zOqWnmZa27VAy_l-Y30&w=640&h=480%5D

Texto publicado na edição 256 da revista Viagem e Turismo (fevereiro/2017)

  • Continua após a publicidade
    Publicidade