Clube de assinatura lança em e-book relatos de viagem esquecidos

O projeto “Grandes Viajantes” publica todos os meses escritos raríssimos de grandes autores brasileiros como João do Rio e Nísia Floresta

O périplo do grande cronista João do Rio por Minas Gerais no início do século 20 ganhou versão em e-book

O périplo do grande cronista João do Rio por Minas Gerais no início do século 20 ganhou versão em e-book (360meridianos/Reprodução)

Com as viagens em modo de espera por conta da pandemia, foi preciso encontrar outras maneiras de satisfazer a vontade de conhecer o mundo. Entre os maiores aliados deste período de embargo estão os filmes, programas de TV, blogs de viagem e, claro, os livros. Ler é e sempre será uma forma de viajar. Foi com esta percepção, junto com a necessidade de manter de pé um negócio, que o blog 360 Meridianos idealizou o projeto Grandes Viajantes, um clube de assinatura de livros de viagem em formato digital. 

A proposta do clube é resgatar relatos de fôlego escritos por autores brasileiros renomados do início do século 20, mas desconhecidos das novas gerações e que há muito tempo estejam fora de catálogo. “Temos uma linha editorial clara: devem sempre ser obras raras de literatura de viagem, livros que você dificilmente acha ou quando encontra em sebos são versões antigas, com o português da época, e que custam uma fortuna”, diz Rafael Sette Câmara, um dos idealizadores do projeto.

Lançado em julho, o clube já colocou na praça três obras. A estreia foi com o conto Gigante Brasilião, de Júlia Lopes de Almeida, que descreve vários destinos brasileiros – inclusive alguns que hoje nem existem mais, como as Cataratas das Sete Quedas, no Paraná. Em agosto, foi a vez do conto Viagem a Sorrento, de Nísia Floresta, escritora do século 19 que chegou a ser resenhada por Machado de Assis.

Em setembro, os assinantes recebem Dias de Milagre, de João do Rio, repórter e arguto observador do submundo carioca do início do século 20. A equipe selecionou de João do Rio, que foi membro da Academia Brasileira de Letras, uma crônica de 113 páginas publicada em capítulos na então Gazeta de Notícias, em 1907. O relato traz a ida do autor à cidade mineira de Congonhas para acompanhar a tradicional festa do Jubileu do Senhor Bom Jesus de Matosinhos, que em 2020 celebraria sua 240ª edição, cancelada pela pandemia. A obra havia sido publicada uma única vez em livro em Portugal em 1912 pela editora Lello e Irmão, que pertencia à família da famosa livraria Lello, do Porto. Conheça mais sobre o livro aqui

Como funciona

O projeto funciona com duas modalidades de assinaturas. A básica, no valor de R$ 9 por mês, dá direito ao livro mensal e um guia de viagem a cada três meses sobre um destino escolhido pelos membros do clube – o primeiro, sobre Bangkok, já foi disponibilizado. Por R$ 19, a outra modalidade de plano mensal tem alguns benefícios adicionais: lives e videoaulas exclusivos, acesso a um grupo fechado no Telegram e no Facebook e encontros mensais online para exercitar a escrita de viagem.

Os livros são disponibilizados em diferentes formatos, para ler no celular, tablet, computador ou Kindle

Os livros são disponibilizados em diferentes formatos, para ler no celular, tablet, computador ou Kindle (360meridianos/Reprodução)

O clube começou como uma forma de manter financeiramente o blog 360 Meridianos durante a crise do coronavírus, mas a ideia deu tão certo que se estenderá para além da pandemia. A equipe dos agora curadores também faz a edição do texto, muitas vezes adaptando a escrita do século passado para o português de hoje. Por ora, o projeto está focado em autores brasileiros, mas existe a ideia de trazer versões traduzidas de livros estrangeiros.

As obras são disponibilizadas como e-book e podem ser lidas de qualquer dispositivo eletrônico:  celular, computador, tablet ou Kindle. Saiba mais sobre o projeto.

Comentários

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.