Viajei sozinho em um barco pela Amazônia por 3 meses

Como foi a minha viagem de quase três meses a bordo de um barquinho, na companhia do deus das pequenas coisas, pelos confins da Floresta Amazônica

Por Fellipe Abreu Atualizado em 1 jul 2019, 18h51 - Publicado em 9 dez 2016, 13h00

Em tempos de likes, selfies, memes e centenas de posts por minuto, preferi nadar contra a maré. Comprei um barquinho, comida para três meses, 2 mil litros de gasolina, rede de dormir, contratei um piloto e botei o pé na estrada.

Ou melhor, no Javari, rio que faz a fronteira natural entre o Brasil e o Peru, para uma viagem de 75 dias por uma das regiões mais inóspitas da América Latina. Sem eletricidade, telefone, Face ou notícias do mundo.

Eu acordava todos os dias às 4 horas e parava minutos antes do pôr do sol. Fora os poucos minutos diários em que ligávamos o gerador para acender uma lâmpada na hora de cozinhar, os momentos com eletricidade foram raros.

Depois do entusiasmo das primeiras semanas, em que tudo era novidade, a monotonia bateu, e a viagem se tornou mais difícil. Mas aos poucos passei a valorizar e a gostar de qualquer ínfima experiência: almoço com família que cultivava coca, jantar com pescadores, pelada com índios, sem contar as histórias que ouvi e que não são lidas por aí.

Quando não tinha nada pra fazer, comecei a enxergar grandes possibilidades de passar o tempo nas pequenas coisas que eu tinha: escrevi no diário de bordo, aprendi a pilotar o barco e descobri que ficar horas descascando batata e picando alho pode ser uma ótima terapia. Pela primeira vez na vida, lavar a roupa na mão se transformou num (quase) divertido passatempo.

+ Um roteiro de 48 horas em Manaus

Para evitar os mosquitos transmissores da malária e da dengue, eu tomava banho na proa com o barco ainda em movimento, retirando a água do rio com uma panela.

À noite, deitado na rede e protegido pelo mosquiteiro reforçado, apelava para a minha única ligação com o mundo tecnológico e escutava meu MP3 player antes de dormir – uma ou duas músicas, para economizar bateria. Voltar à civilização não foi difícil. Difícil é me acostumar com o mimimi.

Fellipe Abreu acha repelente de tomada coisa para os fracos
Fellipe Abreu acha repelente de tomada coisa para os fracos

Texto publicado na edição 227 da revista Viagem e Turismo (setembro/2014)

  • Continua após a publicidade
    Publicidade