Achados Adriana Setti escolheu uma ilha no Mediterrâneo como porto seguro, simplificou sua vida para ficar mais “portátil” e está sempre pronta para passar vários meses viajando. Aqui, ela relata suas descobertas e roubadas

Café da manhã flutuante nas Maldivas vale a pena?

O que o Instagram não mostra sobre o café da manhã mais icônico do arquipélago dos sonhos

Por Adriana Setti Atualizado em 11 Maio 2022, 09h36 - Publicado em 8 Maio 2022, 15h00

A imagem virou quase um símbolo do paraíso-ostentação. Aquele mar escandalosamente azul de pano de fundo, a piscina privada de borda infinita, a bandeja flutuando cheia de iguarias e o felizardo posando ao lado, com cara de plenitude e taça de champanhe na mão: pacote completo para postar no Instagram e receber uma chuva de likes. Quem nunca viu uma foto dessas e desejou estar ali?

Quanto custa a brincadeira?

Ao contrário do que você pode supor, mesmo que um bangalô com piscina privada raramente custe menos de quatro dígitos em dólar por noite, o tal banquete flutuante não está incluído na diária. O serviço é cobrado como um extra e custa, em média, US$ 150 por pessoa + 10% de serviço e + 12% de taxas. Ou seja, para um casal, o desjejum aquático está saindo na base de R$ 1850 – sendo que o café na manhã normal, que costuma ser maravilhoso, sempre está incluído.

A abundância em forma de café da manhã: a bandeja pesa uma tonelada
A abundância em forma de café da manhã: a bandeja pesa uma tonelada Adriana Setti/Arquivo pessoal

Como funciona?

Para tomar um café da manhã flutuante, é preciso fazer o pedido com um dia de antecedência e marcar hora. Nos dois resorts em que tive essa experiência durante uma viagem a trabalho, o banquete veio em uma espécie de carrinho acoplado à bicicleta do funcionário. Uma vez lá, ele leva entre 10-15 minutos para preparar tudo minuciosamente. Dos potinhos coloridos dos power shots ao vasinho de flores, tudo parece pensado para as redes sociais. E é mesmo. A julgar pela quantidade de cafés flutuando pelo Instagram, essas bandejas se converteram em uma belíssima propaganda das Maldivas e dos seus hotéis de luxo.

O que o Instagram não mostra

Meus dois cafés da manhã flutuantes tinham uma abundância surreal de comida: iogurtes, frutas, pães, croissants, muffins, queijos, manteiga, salmão defumado, ovos com foie gras, sucos, cafés, champanhe… Uma loucura. Nas duas ocasiões, depois da sessão de fotos – acho que mesmo quem não está a trabalho se sente obrigado a isso – tentei comer na piscina. Mas, com a água (e a bandeja) batendo no peito, a real é que fica bem difícil manejar os talheres. Com o sol batendo forte, frutas, iogurtes e afins também começam a esquentar. Aí você olha para aquela mesa na sombra da sua varanda e pensa: hummmm, não seria melhor? Então você se dá conta de que a bandeja pesa uma tonelada – do dinheiro investido na operação, os 10% do serviço são realmente justificáveis. Ou seja, infelizmente, será necessário desmontar toda aquela cenografia, levando cada item por separado até a mesa. E no que eu viro as costas para levar o pratinho de frutas…. ZAP! Um corvo surrupia um muffin e, ato contínuo, estraçalha o quitute no ar, enchendo a minha piscina de migalhas. O suprassumo do perrengue chic.

Continua após a publicidade

E vale a pena?

Depois de ler esse relato, acho que você é quem deve responder. O importante, a meu ver, é pesar se essa experiência (indiscutivelmente única) é importante pra você na hora de fazer o orçamento da viagem.

Para uma parte dos privilegiados que reservam um bangalô com piscina privada nas Maldivas, esse gasto a mais não faz a maior diferença. Mas, quem suou a camisa e economizou cada centavo para poder realizar o sonho de estar lá pode tomar um baita susto na hora de pagar a conta se pedir esse serviço extra sem antes olhar o preço.

+ Tudo o que você precisa saber para programar uma viagem para as Maldivas

Reserve seu hotel nas Maldivas

Continua após a publicidade

Publicidade