10 filmes para ver a Itália

Uma lista de 10 filmes para você assistir e sonhar com a terra dos sonhos: a Itália!

Ahhhhh, a Itália. Ahhhhh, a Sicília.

Vai aí uma listinha de mais 10 filmes para ver a Itália – com sua lindas paisagens e fotografia. Boa viagem!

1. Sob o Sol da Toscana (Audrey Wells, 2003)

Este é o mais manjado de todos os filmes manjados da Toscana romântica. Baseado na biografia da americana Frances Mayes, Under the Tuscan Sun, a história é semelhante ao livro: uma mulher que resolve comprar e reformar uma velha casa em Cortona, uma piccola cidade com todos os estereótipos que um vilarejo da Toscana poderia ter. Fofa, muito fofa. Seria um exagero dizer que é um filme ruim. É bonitinho e romântico.

Uma confissão: eu procurei a casa da Frances Mayers. Parei o carro em frente e fiquei lá uns 15 minutos. No fim, deixei um bilhetinho e um maço de flores que peguei na estrada. Queria que ela me convidasse para comer uma torta de pêssegos frescos. Sim, eu deixei meu e-mail… e nunca recebi uma resposta. Snif.

2. De Encontro com o Amor (Brad Mirman, 2005)

A história se passa na Toscana rural, numa vila muito, muito linda. Eu ainda não descobri onde fica, mas juro que um dia descubro. Alguém sabe? Um escritor jovem e travado – gatinho, lógico – vai em busca de um consagrado escritor para convencê-lo a voltar a escrever. É claro que chegando lá ele encontra o velho e sua filha bonitona…Daí nem preciso contar mais. Mas o filme não é só isso, vai por mim. História e cenas lindas pela Toscana roots.

3. Para Roma, com Amor (Woody Allen, 2012)

Este filme do Woody Allen (com ele no elenco) é tão nonsense que eu nem vou tentar explicar as quatro histórias que não se cruzam. Muitos amam, muitos odeiam.
 Eu amei. Até porque Roma é a minha cidade preferida no mundo e todas as cenas externas, que levam a Cidade Eterna como pano de fundo, são lindas.
 Para mim, Alec Baldwin, mesmo velhão e fora do peso, ainda é um Alec Baldwin. As cenas mais especiais dele estão no Trastevere, bairro moderninho na margem ocidental do Rio Tibre.

4. Elza e Fred (Marcos Carnevale, 2005)

Filme argentino que se passa em Roma e exprime a história de amor de um casal de velhinhos divertidíssimos que vivem em Madri. Ela sonha conhecer a capital italiana e repetir a cena do filme “La Dolce Vita”, quando a linda Anita Ekberg entra de roupa e tudo na Fontana di Trevi (prática proibidíssima e sujeita a multa e prisão). É uma abordagem sensível e muito realista do amor. Chorei, lógico.

5. Comer, Rezar e Amar (Ryan Murphy, 2010)

É um filme tão… tão… Julia Roberts! Leia-se: “mulher separada que tira uns meses sabáticos para se recompor depois de um divórcio estressante”. 87,6% dos homens odeiam o filme e 98,5% odeiam ainda mais o best-seller da Elizabeth Gilbert – e certamente pararam de ler logo depois de passar a parte do “Comer” em Roma. Bom, eu sou menina e comilona. E, claro, adorei as cenas italianas recheadas de macarrão, pizza marguerita e sorvete. E, infelizmente, me identifiquei muito com a cena em que ela tenta colocar uma calça e não consegue.
Em geral, as imagens são bonitas, bem-feitas, coloridas. Os lugares são lindos. Mas não, não precisava ter o Javier Bardem falando inglês com sotaque espanhol no papel de um brasileiro. Afinal, para que temos o Rodrigo Santoro, minha gente?

6. Cartas para Julieta (Gary Winick, 2010)

Uma mocinha loirinha resolve procurar a autora de uma carta de amor escrita em 1957. Gosta de filminhos água com açúcar e cheios de clichê? Esse é para você. Vale pelas cenas lindíssimas de Verona.

7. Cassino Royale (Martin Campbell, 2006)

É a estreia de Daniel Craig no papel do infalível agente 007 em sua primeira missão. Tem uma cena ótima do Bond, James Bond, saindo da água de sunga. Ops…o post não é sobre isso. É sobre I-tá-lia, certo? Nesse caso, Veneza. O filme mostra a cidade real e, ao mesmo tempo, uma Veneza de mentirinha, com cenas muito impressionantes de destruição. Filmão.

8. Meus Caros Amigos (Mario Monicelli, 1975)

Este é para quem adora o lado B das viagens. Faz parte de uma trilogia que mostra Florença e arredores sob o cotidiano de um grupo de velhos amigos que vivem para pregar trotes nas pessoas.
O forte dessa comédia hilária é justamente a irreverência do grupo – e as cenas de uma Florença-não-turística.

9. A Princesa e o Plebeu (William Wyler, 1953)

Uma história de Roma e uma scooter azul. Tudo bem que é um filme preto e branco de 1953, mas use a imaginação. 
Ingredientes: casal romântico interpretado por Gregory Peck e Audrey Hepburn, beijos ardentes e chapados dignos de filme antigo e cenas de movimento recortadas sobre imagens de Roma.

10. Bem-Vindo ao Sul (Luca Miniero, 2010)

Pense na rixa entre o italiano do norte e o sul. Agora, imagine um sujeito querendo ser transferido para Milão e que por conta de um monte de enrascadas vai “de castigo” para Nápoles, por dois anos. É um desespero só, um mar de preconceitos quebrados e muitas surpresas.
Uma viagem muito visual pela Itália.

Acho que, se você correr, ainda consegue pegar o restinho da VT Sul da Itália na banca. Mas corre porque logo a edição de março (surpresa!) está chegando.

Para ver fotos de viagens, siga-me no Instagram: @anaclaudiacrispim

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s