Palácio de Versalhes reabre quartos históricos após reforma

Os aposentos de Luís XVI, bem como o salão que viu nascer a democracia francesa, já podem ser visitados

Por Bárbara Ligero Atualizado em 18 abr 2022, 19h02 - Publicado em 8 abr 2022, 10h15

Mudanças empolgantes aconteceram no Palácio de Versalhes durante a pandemia. A que mais chamou atenção foi provavelmente a inauguração de um hotel de luxo dentro do complexo, o Le Grand Contrôle, em junho de 2021. Mas passou quase despercebida a reforma de € 1,8 milhão, que aconteceu em algumas salas da atração e está quase totalmente concluída.

Um desses espaços foi construído pelo Rei Luís XIV para servir como uma quadra de “jeu de paume”, versão anterior ao tênis atual (se quiser saber mais, o livro O Espelho de Versalhes, de Raphael Prats, aborda justamente as obras de ampliação encomendadas pelo monarca). Mais de um século depois, o salão viu nascer a democracia francesa: em 1789, representantes da burguesia e das classes populares juraram não deixar o recinto até terminarem de redigir a primeira constituição da França.

Palácio de Versalhes, França
O salão usado para jogar tênis e, mais tarde, escrever uma Constituição. Crédito: Palácio de Versalhes/Didier Saulnier/Divulgação

Em outro canto do palácio, os aposentos de Luís XVI voltaram a fazer parte do circuito depois de 18 meses de reforma. Os responsáveis pelas restaurações tentaram fazer com que as salas parecessem quase exatamente como eram quando os Bourbon estavam no auge do seu poder e pompa, no século 18.

Também reabriram os apartamentos das filhas do rei Luís XV, com obras de Jean-Baptiste Oudry representando fábulas de La Fontaine; a Salle des Hoquetons, área destinada aos guardas do palácio; e o apartamento dos capitães das guardas, que guardam algumas das obras de arte mais importantes de Versalhes.

Palácio de Versalhes, França
Palácio de Versalhes/Divulgação
Continua após a publicidade

Já os quartos da Madame Du Barry, que era amante de Luís XV, devem reabrir entre junho e agosto de 2022. Em tempo: o livro Amantes e rainhas, da escritora italiana Benedetta Craveri, aborda as mulheres que, de uma forma ou de outra, fizeram parte da corte francesa.

Palácio de Versalhes, França
A antessala dos domínios da Madame du Barry em Versalhes. Crédito: Palácio de Versalhes/Thomas Garnier/Divulgação

Com as reaberturas, agora todo o andar térreo da construção pode ser visitado. O Palácio de Versalhes funciona de terça-feira a domingo das 9h às 18h30. Os ingressos podem ser adquiridos no site e custam a partir de € 18.

Leia tudo sobre a França

Busque hospedagem em Paris

Continua após a publicidade

Publicidade