Festa e alegria predominam no Dia dos Mortos no México

De caráter animado e com muita decoração e comilança, o Dia de Finados e o Dia de Todos os Santos têm outro significado para os mexicanos

Se nos Estados Unidos o Halloween é comemorado com doces e no Brasil o dia de Finados tem um significado mais melancólico, no México, o Dia dos Mortos é celebrado de uma forma diferente e bem característica.

Para os mexicanos, o dia 31 de outubro é o dia de preparação para a visita dos seus entes queridos mortos, em uma das festas mais animadas do México – declarada como Patrimônio da Humanidade pela Unesco. Os mortos são recebidos com muita animação e comida, na forma de altares coloridos com oferendas, cada uma com seu próprio significado relacionado aos elementos da natureza.

A água é para matar a sede das almas que percorrem um longo caminho até chegar ao altar. As frutas, simbolizando a terra, saciam a fome. As velas, representando o fogo, lembra cada uma das almas, e as figuras de papel ou papel crepom, relacionadas com o ar, indicam a passagem dos mortos pelo altar.

Mas talvez as imagens mais famosas do Dia dos Mortos são as simpáticas caveiras coloridas, além de La Catrina – personagem do artista José Guadalupe Posada -, associada com a original personalidade principal da festa, a deusa asteca Mictecacíhuatl, esposa de Mictlantecuhtli, senhor do reino dos mortos.

Quanto às caveiras, além da relação um pouco óbvia caveira-morte, há outra explicação que vem de um costume muito antigo: na época anterior à colonização espanhola, era comum conservar crânios para exibi-los durante rituais.

Como toda boa festa, há quitutes típicos que acompanham o dia (que na verdade são dois, os dias 1º e 2 de novembro): o pão de morto, um pão doce polvilhado com açúcar, caveiras de açúcar, doces de abóbora e frutas. Mescal ou tequila completam os principais elementos culinários que caracterizam o feriado.

A tradição de mais de 3 mil anos é celebrada de forma diferente em cada canto do país, mostrando a riqueza gastronômica, histórica e cultural de cada região, mas uma coisa é certa: sempre há muita festa, comida, homenagens e músicas!

Leia mais:

Delícias das Américas! Pratos típicos de nosso continente

Viaje para as ruínas: conheça 14 ‘cidades perdidas’ no mundo

Guia de viagem sobre o México

Oaxaca, México: a rainha das cidades coloniais espanholas

Comentários

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.