Nuremberg: bairros, atrações, passeios, onde comer e ficar

Site: https://tourismus.nuernberg.de/en/

População: 509.975 hab (dados de 2016)

Fuso horário: +4h (horário de Brasília)

Distância de outras cidades: Berlim 435 km, Dresden 309 km, Rothenburg 91 km, Hamburgo 610 km, Lübeck 669 km, Colônia (Köln) 411 km, Heidelberg 226 km

A partir de Berlim, em direção ao sul, está Nuremberg, capital informal da região da Francônia, na Bavária. O futebol se confunde com a história da cidade. Muitos habitantes se orgulham de dizer que os gramados foram inventados por lá, em 1503, quando Dürer pintou sua famosa aquarela O Torrão de Gramado. 

Além disso, o Franken-Stadion, premiado em 1928 como o mais belo do mundo, cumpre todas as normas mais exigentes da Fifa. Mas Nuremberg também bate um bolão em outros quesitos. Fundada na Idade Média, mantém os 5 quilômetros de muralhas que cercavam a Cidade Velha, embora grande parte tenha sido reconstruída após a II Guerra.

Paisagem invernal de Nuremberg, Alemanha

Paisagem invernal de Nuremberg (anaterate/Pixabay)

Xodó de Hitler, o lugar viu prédios públicos serem erguidos para celebrações e congressos do Partido Nazista. Nem o Franken-Stadion escapou, passando a ser palco de uma grande reunião anual da juventude hitlerista e recinto de concentrações em massa de glorificação do Führer.

Cercada de muralhas medievais, entremeada por vielas que parecem ter parado no tempo e edifícios de arquitetura gótica, a cidade pode parecer um pouco soturna à primeira vista. Em boa parte porque chegamos já sabendo que ela foi palco dos primeiros comícios públicos nazistas incentivando hostilidades a qualquer um que não fosse ariano, e, por isso mesmo, escolhida para sediar os julgamentos dos criminosos de guerra, entre 1945 e 1949.

A despeito da história recente e ainda tão viva, Nuremberg é uma cidade de pessoas alegres, abraçadeiras e satisfeitas pelo olé que deram nas dificuldades – reconstruindo tudo. Foi conduzida pela guia Lol, uma velhinha alemã que viveu toda essa história, que adentrei o centro histórico pelo fosso, hoje uma faixa de área verde, que cerca a cidade.

Ela me apresentou um pouco do que enche de orgulho os moradores de Nuremberg: as muralhas que no passado protegeram o Kaiserburg, o magnífico castelo da época do Sacro Império; as pontes em estilo enxaimel que passam sobre o Rio Pegnitz, recriando pequenos tecos de Veneza; a Lorenzkirche, a igreja do mártir São Lourenço, uma reunião de obras de arte milagrosamente salvas dos bombardeios; o mercado do Hauptmarkt, onde é montada a feira de Natal, tradição alemã.

Hauptmarkt, Nuremberg, Alemanha

O mercado de Hauptmarkt, com toda a bossa de natal (David Ball/Alamy/Latinstock/Reprodução)

E a Schöner Brunnen, fonte gótica com 19 metros de altura, dourada e decorada com gárgulas, onde as pessoas disputavam lugar para girar um anel de ferro preso à grade (existem dois anéis que ficam em lados opostos: um é pra desejos genéricos, e o outro, pra fertilidade; melhor não confundir as coisas).

Isso pra ver. Pra comer e beber tem o Lebkuchen, o pão de mel, gengibre e especiarias vendido em lindas caixinhas com motivos natalinos; a encorpada cerveja de trigo Tucher, que agrada até a quem não gosta tanto assim da bebida; e Rostbratwürste, linguiça fininha como um dedo, como eles fazem questão de lembrar. Deixa o restaurante (e os comensais) defumados.

Copo da cerveja alemã Tucher (Ana Claudia Crispim/Viagem e Turismo)

A cidade tem muitos museus, mas dois deles chamam atenção pela fachada. O Neues Museum, de arte contemporânea, design e fotografia, tem uma fachada de 100 metros de vidro curvo que reflete tudo ao redor das maneiras mais surpreendentes.

Já o Germanisches Nationalmuseum é todo dedicado à cultura germânica. Em frente foi erguido em 1993 o Caminho dos Direitos Humanos, obra do artista israelense Dani Karavan. São 30 pilares, cada um com um artigo da Declaração Universal dos Direitos Humanos escrito em alemão e vários outros idiomas. É nessas horas que a gente usa a desculpa do cisco no olho e sai de fininho.

Caminho dos Direitos Humanos, Nuremberg, Alemanha

No Caminho dos Direitos Humanos, cada pilar tem um direito escrito em um idioma diferente (Ana Claudia Crispim/Viagem e Turismo)

Mais que comida

Bratwursthausle

Lugar para comer linguicinhas (e se defumar no salão) e bater papo com o dono, o engraçadíssimo Werner Behringer.

Hausbrauerei Altstadthof

Um bar para se refestelar nos pratos e nas cervejas avermelhadas da Francônia. Peça para visitar o subsolo, antiga adega que servia de abrigo antiaéreo.

Im Keller

Fica num porão de 800 anos – ambiente de taverna, para um jantar em estilo medieval.

Guia VT

Ficar e passear

O Sheraton tem ótimos quartos em estilo clássico-executivo, e o Best Western, um bom custo/benefício. E não perca os museus: o Neues Museum, para arte contemporânea, e o Germanisches Nationalmuseum, para cultura alemã.

Língua

Alemão.

Saúde

Para entrar no país, nenhuma vacina é obrigatória.

Melhor época para visitar

Um festival anual de rock pode ser um apelo a mais para conhecer Nuremberg no verão. Em junho, o evento ocupa áreas verdes perto da cidade.

Documento

O passaporte é necessário mas dispensa de visto, por até 90 dias.

Por Ana Claudia Crispim

Busque hospedagem em Nuremberg

Veja tudo sobre a Alemanha

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s