Fortaleza: a nova Beira-Mar e os points da Rua dos Tabajaras

Em Meireles, ampliação do calçadão e boxes novinhos na feira de artesanato. Em Iracema, rua se consagra com a abertura de lojas criativas

Por Fernando Victorino Atualizado em 6 jul 2022, 19h55 - Publicado em 6 jul 2022, 14h42
Calçadão Fortaleza
Beira-mar de Fortaleza: novos boxes de artesanato, iluminação, ciclofaixa, skatepark e mais. Prefeitura de Fortaleza/Divulgação

Fortaleza aparece com frequência na lista de destinos nacionais mais procurados para as férias. Segundo o buscador de passagens aéreas Kayak, a capital cearense viu em 2022 um aumento de 40% nas buscas em relação a 2019. E a cidade devolve a fama com infra-estrutura, caso da orla recém-inaugurada.

Depois de R$ 120 milhões de investimento e quatro anos de espera, a prefeitura entregou em maio um trecho remodelado da Avenida Beira-Mar. As novidades se espalham por cerca de 2 quilômetros no bairro de Meireles, região abastada e que reúne muito do movimento turístico na cidade.

Ampliação do calçadão, plantio de 600 árvores e repaginação de quadras esportivas, ciclovia e da pista de cooper estão entre as novidades, assim como a reforma do skate park, que teve a presença do hexacampeão mundial Sandro Dias, o Mineirinho, na reinauguração. Pouco mais de 60 quiosques de comida e bebida estão agora padronizados e a feirinha da Beira-Mar, tradicional ponto turístico de Fortaleza, trocou suas bancas por 707 boxes novinhos. 

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Prefeitura de Fortaleza (@prefeituradefortaleza)

Continua após a publicidade

Até o fim do ano que vem, a prefeitura promete estender as obras de requalificação do trecho da via em direção à Praia de Iracema. No entanto, um pedacinho do bairro homônimo saiu na frente. Desde dezembro de 2020, a Rua dos Tabajaras ostenta novo sistema de drenagem e piso no mesmo nível das calçadas, em um redesenho que prioriza o pedestre em relação aos carros. Parte dos R$ 4 milhões investidos pelo município serviu também para restaurar o Estoril, prédio histórico que abriga agora a secretaria de turismo.

A mudança estética deu mais um impulso ao movimento iniciado por pequenos negócios abertos nos últimos anos. Cafés, restaurantes e ateliês coloridos se alternam entre muros grafitados, casas de antigos moradores e também gente que chega a toda hora, atraída pela economia criativa que pulsa.

Confira o que há de interessante para ver na Rua dos Tabajaras:

Coração Selvagem Café & Livros – nº 450

Respira-se Belchior neste espaço aberto em fevereiro de 2022 e batizado com o nome de uma das canções do cantor e compositor cearense. A trilha sonora vem de vinis herdados da antiga moradora da casa. Além de livros novos, há um sebo com exemplares custando entre R$ 5 e R$ 25. Autores cearenses independentes têm lugar reservado na estante. A escritora Patrícia Melo acaba de dar um curso ali. No cardápio, o Pedacinho do céu (peito de frango recheado com presunto e queijo; R$ 34) é um prato revival dos anos 1990 na Praia de Iracema. Café canelinha (R$ 7) é o preferido em dias frios, se é que eles existem.

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Coração Selvagem (@coracao_selvagem)

Continua após a publicidade

Casa Azul – nº 601

Atrás da fachada fotogênica moram três confecções: Flor do Brasil (beachwear), Pump (moda verão) e Negro Piche (agênero). As duas primeiras chegaram ao espaço em julho de 2019. A terceira se orgulha de ter presenteado recentemente o ator e diretor Lázaro Ramos com uma de suas estampas mais celebradas, Resistência. E as três marcas costumam fazer da Tabajaras estúdio e passarela antes de expor suas coleções nas redes sociais.

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Flor do Brasil Beachwear (@biquinisflordobrasill)

Continua após a publicidade

No Mar de Rosas – nº 542

PF sem cara de PF. A carne de sol com arroz de leite, croutons de queijo coalho e picles de cebola roxa (R$ 46) cai bem com um mojito (R$ 22). A caipirinha caju limão (R$ 22) é o drink mais famoso da casa, que foi inaugurada em 2019 pela publicitária Manu do Vale. Além de mesas no salão e na agradável varanda, há redes à postos para aquela preguiça pós-almoço.

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Mar de Rosas (@nomarderosas)

Continua após a publicidade

Painépou – nº 610

O capital social da Painépou foi composto inicialmente por tintas e três pincéis. Gestada em meio à pandemia, a primeira peça foi um jarro de cerâmica, o painépou, que batiza a loja. Agora, o estúdio-loja cria também canecas (R$ 42), almofadas (R$ 52) e banquetas (R$ 135), tudo muito lúdico e multicolorido. E você ainda pode fazer aulas de pintura lá mesmo.

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por PAINÉPOU (@meupainepou)

Continua após a publicidade

Saturno Exchange – nº 610

Brechó e cafeteria em um mesmo lugar, capitaneados pela dupla Brenda Lee e Fabiana Maia. Desde 2018, roupas e acessórios vintage, mas não só, ganham vida e estão à venda tanto no site quanto nas araras. O brunch da casa (R$ 26) é composto por pães rústicos tostados, lâminas de abacate e tomates confitados, além de bacon com ovos fritos acompanhados de molho pesto. O menu de bebidas vai do expresso feito com grãos orgânicos e cearenses (R$ 5) ao refrescante lavanda latte lemonade (R$ 19).

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Saturno – Brechó & Café (@saturnoexchange)

Continua após a publicidade

Ethos – nº 513

A estilista Beatriz Castro herdou da mãe o talento para fazer roupas e a casa onde desde 1997 funciona a Ethos. Ao lado da sócia, Lúcia Neves, ela cria coleções de roupas e bijuterias. Batas, saias e vestidos em linho puro ganham bordados ou acabamentos em crochet, tudo feito à mão.

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por ETHOS all handmade🧵 (@arteethos)

Continua após a publicidade

Café Couture – nº 554

Rodas de samba, muitas bandas locais e uma discotecagem que vai do electro-funk ao boom bap dão o tom da casa aberta em 2017, com música ao vivo praticamente todos os dias. O dueto pastel de arraia com banana (6 unidades, R$ 32) e cerveja gelada (Budweiser long neck, R$ 11; Patagônia, 740 ml, R$ 24) é o mais pedido. No dia do projeto Sexta Sessions, drinks da casa em dobro até as 19 horas.

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Café Couture (@cafecouture_)

Continua após a publicidade

Ateliê da Sil – nº 660

Vestir todo tipo de corpo tem sido o desejo de Silvânia de Deus, apaixonada pela cidade, pelo bairro e pela rua onde abriu seu ateliê. Ali estão à venda peças autorais e de outros designers cearenses. 

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Sil – Roupa que veste a alma. (@ateliesilvaniadedeus)

Continua após a publicidade

Pirata – nº 325

Clássico dos clássicos, o Pirata já experimentou altos e também baixos, quando a Rua dos Tabajaras era reduto da prostituição. Sem abandonar o barco, segue no mesmo endereço e fiel à proposta-slogan de ser “a segunda-feira mais louca de Fortaleza”. O ingresso (R$ 60) dá direito a shows de forró, axé, samba, pop rock, carimbó e o que mais a banda souber tocar.

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por PIRATA BAR 🏴‍☠️ (@piratabaroficial)

Continua após a publicidade

Reserve hospedagem em Fortaleza

Leia tudo sobre o Ceará

Compartilhe essa matéria via:
Continua após a publicidade

Publicidade