De Paris pra onde? 5 bate-voltas de trem desde a capital francesa

Veja cinco passeios na França que você pode fazer de trem a partir de Paris; de Estrasburgo a Bruxelas, escolha o que mais combina com você e bon voyage!

Eu sei que Paris é cidade pra uma viagem inteira, mais de uma, até. Mas usá-la de base para fazer bate-voltas por outras cidades francesas (e uma belga de brinde!) é uma boa para quem quer variar um pouco o cenário.

Os roteiros aqui embaixo são facilmente percorridos de trem em menos de duas horas, ou seja, pegando um trem bem cedinho (tipo 8h) dá para chegar na cidade a tempo de fazer o desjejum em um café fofo, curtir o dia com calma e voltar tranquilinho para dormir em Paris, ainda. 

E o melhor: rola de fazer tudo isso gastando pouco! Pesquisando com antecedência de pelo menos três meses dá para achar tarifas bem amigáveis no site da ferrovia francesa SNCF. Veja mais sobre os destinos:

1. Paris – Estrasburgo (2h10min, desde € 25)

Canal na cidade de Estrasburgo, na França Os canais de Estrasburgo no lusco-fusco

Os canais de Estrasburgo no lusco-fusco (MorBCN/creative commons/Flickr)

Chega-se de TGV (trem de alta velocidade) a esta cidade na fronteira com a Alemanha cuja arquitetura é tão germânica que você pode até esquecer que ainda está em solo francês.

Só uma visita à linda Catedral da cidade (que foi o mais alto edifício do mundo entre 1625 e 1874!) já valeria a viagem. Mas para completar, as ruas de paralelepípedo são cortadas por canais e ladeadas por brasseries que servem receitas regionais deliciosas, misturando o melhor da gastronomia alemã e francesa.

Este bate-volta fica mais legal ainda no fim do ano, quando a cidade abriga o maior mercado de Natal da França e o clima natalino ganha as vitrines.

Nos chalés do mercado, delícias como raclettes (peças enormes de queijo derretidas e raspadas sobre torradas ou batatas), tarte flambée (misto de pizza e crepe, com bastante queijo, bien sûr) e muito glühwein/vin chaud, o vinho quente local, cheio de especiarias. Sabe como nós, brasileiros, somos os melhores do mundo em Carnaval? Então: pois eu acho que são os alsacianos de Estrasburgo os melhores em Natal. 

Veja também
 E a movimentação no mês de dezembro, quando rola o Marché de Noël (flickr.com/shiaduk)

2. Paris – Reims (45min, desde € 18)

veuve clicquot em reimsA arborizada sede da Maison Veuve Clicquot

Como não amar uma tacinha de champagne? A cidade na região produtora da bebida também tem sua Catedral gótica, uma das mais famosas da Europa, programão incontornável.

Mas Reims fez fama mesmo por suas caves renomadíssimas, como a Maison Veuve Clicquot, a Piper-Heidsieck e a G.H. Mumm. Em um dia inteiro dá para conhecer duas caves e provar várias taças de alguns dos espumantes mais desejados do mundo.

Não esqueça de reservar o tour pelo site antes de ir. Os preços dos passeios variam muito. Podem custar a partir de € 10 mas o preço aumenta de acordo com os rótulos escolhidos para a degustação: a Veuve Clicquot tem tours até de € 90!

De quebra inclua uma visita às das caves para comprar souvenirs como taças, coolers e, é claro, garrafas e mais garrafas do líquido precioso. Tudo isso sem a preocupação da Lei Seca, afinal, pra quê chegar perto do volante se um trem moderníssimo te leva até Paris em menos de uma horinha?

veuve clicquot em reims 2Veuve Clicquot em Reims: salud!

3. Paris – Nantes (2h, desde € 30)

flickr.com/loic80E os fundos do Château des ducs de Bretagne, bem no meio da cidade (flickr.com/loic80)

Um gostinho da Bretanha em apenas um dia. Para quem não tem tempo de explorar esta região do norte da França, um bate-volta até Nantes dá uma prévia do que se encontra por ali.

Ok, ok, Nantes não faz mais parte do departamento da Bretanha desde o final da 2a Guerra Mundial. Mas a alma bretã da cidade se faz  muito presente na arquitetura e também na gastronomia, com dezenas de brasseries à moda antiga servindo as típicas galettes bretonnes.

O gracioso centro da cidade guarda joias como o Château des ducs de Bretagne, um verdadeiro castelo do Loire bem no meio do centro urbano, e a galeria Passage Pommeraye, quase um protótipo de shopping de 1840.

Para completar um dia tranquilo de passeio na cidade, encaixe no roteiro uma passadinha no Musée Jules Verne, todo dedicado ao autor do clássico Vinte Mil Léguas Submarinas. 

flickr.com/bas-boermanA galeria comercial que é um deleite arquitetônico, a Passage Pommeraye (flickr.com/bas-boerman)

4. Paris – Fontainebleau (40min, € 8,85)

Ah, a alegria de fotografar um castelo sem turistas estragando o cenário!

Esse roteiro aqui é feito em trens intermunicipais, os Transiliens, cuja passagem só pode ser comprada nas próprias estações, e não online. O trem parte da Gare de Lyon em intervalos regulares (cheque os horários no site da companhia). Em apenas 40 minutos chega-se à estação Fontainebleau-Avon, ao sul de Paris.

Como o centro da cidade não fica próximo à estação, pegue a linha 1 dos ônibus locais no sentido “Les Lilas” até a parada “Château”. E prepare-se para encontrar um encanto de cidade ao descer do coletivo.

A pracinha central é um charme, com pequenos bistrôs e lojinhas autênticas de uma pequena cidade do interior. Um carrossel bem antigo no centro da praça principal coroa o cenário.

Dali até o famoso castelo da cidade é um pulinho, dá para ir a pé. A cidade abriga o Château de Fontainebleau, um ótimo contraponto a Versalhes.

Isto porque, enquanto o irmão mais famoso é todo cheio de adornos dourados e vive coalhado de turistas do mundo todo, este é bem menos conhecido e quase nunca fica lotado, apesar de toda sua grandiosidade e importância histórica.

Dá pra se sentir praticamente uma rainha (ou rei) ao visitar, praticamente sozinha, os cômodos decorados, os maravilhosos jardins a perder de vista, o bucólico lago ao lado do pátio…

Como lidar com o charme desse coreto às margens do lago, nos jardins do Fontainebleau?

5. Paris – Bruxelas (1h25min, desde € 29)

10873597_10205641620789996_4723867403542693705_oQue tal parar para beber uma cerveja trapista nessas mesinhas da calçada?

Acho que uma das cidades mais subestimadas que já visitei é Bruxelas. Embora turistas amem Bruges, Ghent e Antuérpia, a capital belga ainda é meio que o patinho feio do país e poucos viajantes se dignam a ir até ela.

Pois eu acho que eles estão perdendo uma cidade supervibrante, que sabe rir de si própria e das suas contradições. Tem prédios feiosos de concreto armado ao lado de belezuras de fachadas rococó? Tem, é verdade. Mas eu acredito mesmo que é essa mistura que faz Bruxelas interessante.

E a exuberância da Grande Place, de longe a praça mais linda que eu já vi, deve agradar os turistas mais tradicionais em busca de pontos turísticos bem fotogênicos.

Não se apaixonou ainda por Bruxelas? Nada que uma paradinha nas chocolaterias Godiva (a primeira loja nasceu na Grand Place em 1926) ou Neuhaus (minha favorita!) não resolva.

grand placeAs fachadas douradas e imponentes se amontoam na Grand Place

godiva bruxelasE nas janelas do térreo a gente vê delícias como essas, da chocolateria Godiva

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s