Roteiro de 48 horas em Porto Alegre

Movido a chimarrão, um divertido passeio regado a parques, museus e um belo pôr do sol: veja como passar dois dias na capital gaúcha

Por Fernando Leite Atualizado em 19 jul 2021, 12h50 - Publicado em 13 ago 2012, 19h58

Atualizada em 29/07/2015.“Ó céus de Porto Alegre, como farei para levá-los para o céu?”. Em toda a sua obra, o poeta Mario Quintana sempre demonstrou um grande carinho pela cidade, ainda que está não fosse a sua terra natal. Exagero ou não no breve poema, a verdade é que quando chegamos de avião, chama a atenção o skyline composto pelos prédios, morros e o Rio Guaíba. Uma vez no solo, basta atravessar os 8 km da Avenida Farrapos para começar a curtir um roteiro de 48 horas em Porto Alegre: uma singular cidade de sotaque característico e proeminente vida cultural.Dia 1O Guaíba é um orgulho porto-alegrense. Chamado de rio, na verdade é um lago. Praticamente ladeia a cidade do sul ao norte. Muitos hotéis aproveitaram esse cenário e instalaram sua sala de café na cobertura para aproveitar a simpática vista.Nada melhor do que ir a um parque para ter um primeiro contato com o jeitão singular do gaúcho. Atravessando as alamedas do tradicional Parque da Redenção (Farroupilha) ou contornando o pequeno e belo Parcão, é certeza de cruzar com várias pessoas munidas de cuia e garrafa térmica sorvendo um quentíssimo chimarrão. Povo receptivo, aproveite para emendar um bom papo e aprender o trilegal vocabulário porto-alegrense, cheio de gírias e interjeições.Como a ideia do programa vespertino é um walking tour pelas ruas centrais, e sabendo que são vários locais a ser visitados, o jeito é almoçar cedo. De preferência no Centro, para não perder tempo. Misto de cantina italiana e galeria de arte, o Atelier de Massas é todo decorado por quadros – muitos deles de artistas gaúchos. No cardápio, fazem sucesso as massas preparadas diariamente na casa. Mas vá preparado para momentos de aperto: o lugar é pequenino e repleto de mesas.Deixe para tomar o cafezinho no Café do Mercado, instalado em um dos boxes do Mercado Público, o ponto de partida para o período da tarde. Dentro da construção de 1869, o que não faltam são barracas vendendo erva-mate para o preparo do chimarrão, uma profusão de marcas e cores. No pavimento superior, vale conferir a loja de artesanato típico do Sebrae.Santander Cultural, Porto Alegre, Rio Grande do Sul Santander Cultural, Porto Alegre, Rio Grande do SulA antiga sede do Banco Nacional do Comércio tem exposições de arte, o Acervo da Moeda (com cédulas antigas) com mostras de cinema a R$ 6 o ano todo. A sala de projeção fica em um dos antigos cofres – no outro, funciona o Café do Cofre – Foto: Zé Carlos Barretta/Creative CommonsSaia do Mercado e siga pela Rua Sete de Setembro. Três atrações aparecerão na sequência, na Praça da Alfândega. Ocupando a antiga sede do Banco Nacional de Comércio, o Santander Cultural exibe exposições temporárias – um museu com cédulas antigas e um café instalado no antigo cofre do banco. A história gaúcha é esmiuçada em uma interativa Linha do Tempo, a cereja do bolo do Memorial do Rio Grande do Sul. No mesmo espaço, a Coluna Personagens destaca os grandes nomes do estado, como Bento Gonçalves, Getúlio Vargas e Elis Regina. Próxima parada: Museu de Arte do Rio Grande do Sul. Detentor de um consistente acervo de quase 3000 obras, o museu traça uma boa panorâmica da arte produzida nos quatro cantos do planeta durante o século 20.Seguindo agora pela Rua dos Andradas, em poucos minutos chega-se à Casa de Cultura Mario Quintana. Instalada no antigo Hotel Majestic, que serviu de moradia para o maior poeta gaúcho por doze anos, a casa expõe obras do escritor e a reprodução fiel do quarto em que viveu. Quem não está hospedado em um hotel com vista para o Guaíba, pode curtir a vista no café localizado na cobertura do edifício.A tarde vai caindo, mas ainda dá tempo de caminhar até o fim da Rua dos Andradas. O gramado da Usina do Gasômetro cria o cenário perfeito para um belo pôr do sol à beira do Rio Guaíba. Melhor ainda se estiver degustando um chimarrão.Comer bem em Porto Alegre é praticamente um pleonasmo, especialmente se a direção for o bairro Moinhos de Vento. Na “periferia” do lugar, o restaurante Koh Pee Pee há anos é considerado o melhor tailandês do Brasil. É preciso reservar ou chegar bem cedo para provar receitas cotidianas tailandesas, como frutos do mar com curry amarelo e o arroz frito com camarões, shitake e alho poró.Moinhos de Vento tem seu epicentro no quadrilátero formado pelas ruas Padre Chagas, Dinarte Ribeiro, Barão de Santo Ângelo e Fernando Gomes. Bares, restaurantes e lojas transadas servem como um ímã para um público jovem em busca de agito. Os efervescentes Z Café e Mulligan Irish Pub são ótimas opções para fechar o exaustivo dia.Dia 2Programe-se para despertar relativamente cedo. Só assim o programa proposto será realizado sem nenhum arrependimento. Você deverá estar às 9h (sábados e domingos abre às 10h) na portaria do campus da PUC – a 8 km do Centro – para se divertir um bocado no Museu de Ciência e Tecnologia. Reserve pelo menos três horas para descobrir que todas aquelas aulas chatérrimas de química, física e afins dos tempos escolares poderiam ser bem mais animadas. Vale reforçar: ao menos três horas de visita, ok? Abusando da interatividade, vários experimentos são mostrados nos três pavimentos do museu. Entre um “brinquedo” e outro, ocorrem shows interativos como o planetário e um gerador que deixa os cabelos em pé. Resumindo: uma estupenda atração que agrada a adultos e crianças.É certo que a fome bateu forte após uma manhã de atividades indoor. Você merece um banquete, correto? Não muito distante do museu, a mesa do restaurante Polska é farta. Como o próprio nome diz, aqui é o endereço para provar a típica culinária polonesa, tão rara no território tupiniquim. A grande pedida é a Mesa Polonesa, composta de cinco sopas e 14 pratos quentes. Ao final, você poderá contar aos amigos que colocou um pierogi (pastel de ricota) e um knedel (bolo de batata cozido) na lista do que já experimentou na vida.Uma grande paixão brasileira vai tomar parte da tarde: o futebol. Como bons rivais na acepção mais plena da palavra, Grêmio e Internacional possuem ótimos memorias a contar a história dos clubes. No Olímpico Monumental, sede gremista, troféus e uniformes se misturam com a locução dos principais gols da história do clube. O tour termina no acesso ao gramado e à arquibancada (exceto em horário de jogos). A visita ao arquirrival Internacional é mais interativa, com direito a uma arquibancada virtual.Fundação Iberê Camargo, Porto Alegre Fundação Iberê Camargo, Porto AlegreÀ beira do Guaíba, a Fundação Iberê Camargo tem quatro andares interligados por rampas, que circundam o saguão. Os três primeiros pisos são ocupados com mostras temporárias de arte contemporânea, e o quarto andar é dedicado às pinturas do gaúcho Iberê (1914-1994) – Foto: lu_gerghi / Creative CommonsSe o pôr do sol do primeiro dia foi às margens do Guaíba, o de hoje não será diferente. Só muda o cenário, desta vez em frente ao belo prédio da Fundação Iberê Camargo. Como o museu fecha às 19h, dependendo do horário de chegada é viável curtir o sol morrer no rio antes de admirar as obras de um dos principais artistas plásticos gaúcho. As gravuras de Iberê sempre dividem o espaço com uma exposição temporária de outro artista. Isso sem falar da construção em si, toda branquinha com rampas externas. Idealizada pelo arquiteto português Álvaro Siza , foi premiada na Bienal de Arquitetura de Veneza.Sair de Porto Alegre sem provar um churrasco pode parecer uma heresia, afinal essa é uma das primeiras imagens associadas ao Rio Grande do Sul. Se você quer badalação, rume para a Barranco. Se preferir uma churrascaria bem simples, num bairro residencial e com atendimento familiar, seu destino é a Portoalegrense.Ainda sobrou disposição para curtir a sempre efervescente noite da capital gaúcha? Siga para a Cidade Baixa, o reduto dos boêmios. Na esquina das ruas João Alfredo e da República, o Bar Ossip (Rua da República, 677, Cidade Baixa, 51/3224-2422) se consagra como o boêmio dentre os boêmios. Basta chegar, pedir uma cerveja e ficar na calçada observando o movimento.Se você tem mais dias em Porto Alegre:• Adicione o Palácio Piratini e o Theatro São Pedro no seu passeio pelo Centro;• Faça um passeio de barco que sai do Rio Guaíba e vai até o delta do Rio Jacuí;• Visite o Pampas Safári, um programão família, na cidade de Gravataí, a 40 km de Porto Alegre.

Leia mais:

10 atrações grátis em Porto Alegre

 

Continua após a publicidade

Rio Grande do Sul – O que fazer, onde comer, onde ficar

 

Continua após a publicidade

Porto Alegre – O que fazer, onde comer, onde dormir

 

Continua após a publicidade

48 Horas em Gramado e Canela

 

Continua após a publicidade

48 horas em Florianópolis

 

Continua após a publicidade

Roteiro Serra Gaúcha

 

Continua após a publicidade

48 horas em Curitiba

 

Continua após a publicidade

48 horas em Montevidéu, a capital do Uruguai

 

Continua após a publicidade

48 horas em Buenos Aires

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Publicidade