Aruba volta a receber turistas brasileiros

Com 65% da população local vacinada, ilha caribenha decidiu reabrir com exigência de exame RT-PCR

Por Leticia Sorg Atualizado em 9 jun 2021, 20h21 - Publicado em 5 jun 2021, 08h53
Checagem de temperatura no bar de praia Bugaloe, point durante o pôr-do-sol Aruba Visitors/Divulgação

O Brasil não conseguiu controlar a pandemia – o número de mortes continua alto, assim como a ocupação hospitalar –, mas o turismo começa a dar alguns sinais de retomada. A Latam aumentou de três para cinco os voos semanais até a Cidade do México e retomou o trecho Guarulhos/Cancún na sexta-feira (4) com dois voos semanais (a partir de julho serão três)

Mais do que férias, muitos brasileiros buscam em terras mexicanas a quarentena de 15 dias necessária para entrar nos Estados Unidos. E, lá, o interesse é claro: tomar vacina contra a covid-19.

Depois que o prefeito de Nova York, Bill de Blasio, anunciou postos em pontos turísticos com a vacina da Janssen, de dose única, o “turismo de vacinação” se tornou mais viável para brasileiros – mesmo com o dólar nas alturas.

Agora, Aruba pode ser outra opção – paradisíaca – para cumprir a quarentena. A ilha caribenha depende quase exclusivamente do turismo para se manter e, após o fechamento total em março do ano passado, vem reavaliando a entrada de visitantes. Com 65% dos 120 mil habitantes vacinados, a reabertura se tornou mais segura. 

Em dezembro, o território holandês chegou a abrir para brasileiros, mas voltou atrás ainda em janeiro, devido ao aparecimento da nova cepa do coronavírus no país. Desde segunda-feira (7), os turistas nacionais poderão voltar ao destino, sem necessidade de quarentena.

“Além dos protocolos de entrada, estabelecemos um programa rigoroso de certificação de limpeza e higiene realizado por todas as empresas relacionadas ao turismo em todo o país”, diz Ronella Croes, CEO da Autoridade de Turismo de Aruba. “Isso tem se mostrado bastante sucesso na operação local”.

  • Exigências 

    Além de apresentar um exame RT-PCR negativo feito entre 12h e 72h antes do voo, o turista deve fazer o seguro-viagem criado pelo governo de Aruba para cobrir eventuais custos relacionados à Covid-19. Além de despesas com tratamento, incluindo internação, se necessário, no valor de até US$ 75 mil, o seguro também cobre o custo de estadia caso a pessoa precise fazer quarentena na ilha. Custa US$ 30 para maiores de 15 anos e US$ 10 para menores de 14 anos. Brasileiros também devem apresentar o certificado internacional de vacinação contra febre amarela. Não há voos diretos do Brasil para Aruba. As opções atuais são via Panamá, com a Copa, e via Bogotá, com a Avianca.

    Continua após a publicidade

    Não há limite de visitantes permitidos na ilha, mas os hotéis devem trabalhar com ocupação de até 80%. Quando fui para Aruba, em dezembro, a ilha estava a 30% de sua capacidade e foi exatamente como imaginamos o paraíso: areia branquinha, mar azul e nenhuma multidão para atrapalhar a foto. 

    Cada viagem numa situação de pandemia reserva experiências e sensações particulares. Mas estar num lugar onde a vacinação já avançou tanto, especialmente ao ar livre, é animador. 

    Eagle Beach, uma das praias urbanas de Aruba Holger Leue/Getty Images

    O retorno 

    É bom lembrar que desde janeiro o Brasil também exige um exame negativo para covid-19 para os passageiros que entram no país. 

    O PT-PCR pode ser feito em Aruba nos seguintes endereços: 

    * Clínica MedCare: medcare.aw – (+297) 280-0630 – Whatsapp (+297) 562-4440 – info@medcare.aw

    * MedLab: lab.aw – (+297) 586-1600 – Celular/Whatsapp (+297) 592-0709 – info@lab.aw

    * Hospital Horacio Oduber: (US$ 75) – servicecenter@hoharuba.com – (+297) 597-4522 (WhatsApp)

  • Continua após a publicidade
    Publicidade