Prefeitura de Roma proíbe o consumo de álcool nas ruas à noite

A medida da prefeita Virginia Raggi vai proibir a venda e o consumo de bebidas alcoólicas em 14 municípios de Roma durante as noites de verão

Por Ariene Leite 12 jul 2017, 17h31

A prefeitura de Roma aprovou no último fim de semana uma lei que proíbe a venda e o consumo de bebidas alcoólicas nas ruas e praças públicas da cidade à noite.

De acordo com a nova lei, é vetado o consumo de álcool em recipientes de vidro nos locais públicos entre as 22h e as 7h da manhã do dia seguinte. A partir da meia-noite, o consumo de bebidas alcoólicas em local público é absolutamente proibido. Além disso, bares e outros estabelecimentos terão de interromper a venda de álcool a partir das 2h.

Em entrevista ao site alemão Deutsche Welle, a prefeita da capital italiana, Virginia Raggi, disse que o objetivo da lei é “evitar episódios de incivilidade e violência relacionados com o consumo excessivo do álcool”. O decreto abrange 14 dos 15 municípios (bairros) de Roma e vai continuar funcionando até o dia 31 de outubro – que é quando a começa a baixa temporada do turismo na cidade.

Os donos dos estabelecimentos comerciais serão obrigados a grudar cartazes com avisos sobre a proibição do consumo do álcool em quatro línguas além do italiano: inglês, francês, espanhol e alemão.

Consumidores e comerciantes mostraram-se insatisfeitos com a nova proposta argumentando que a iniciativa vai diminuir os ganhos dos donos destes estabelecimentos, já que, em alguns locais, o movimento é maior depois das 3h.

Só neste domingo (9), 65% dos comerciantes foram multados por não respeitarem a nova regra. As multas para as pessoas que não seguirem a lei proposta pela prefeitura é de 150 euros (R$ 552) para consumidores e 280 euros (R$ 1030) para comerciantes.

A medida valerá para os locais com vida noturna mais agitada como o centro Rione Monti, Celio Esquilino, Trastevere, Testaccio, Prati, San Lorenzo, Ponte Milvio, Eur e Ostia. O único município em que a lei não será aplicada é Ottavia – que, coincidentemente ou não, é a região em que a prefeita mora.

Esta não é a primeira medida que a prefeitura toma para controlar as atitudes de turistas que visitam a cidade. Recentemente, uma lei que proíbe nadar, escalar, e sentar no mármore das fontes de água foi aprovada em Roma.

Outro fator que vem preocupando viajantes e quem trabalha no setor de turismo é o anúncio do desligamento das fontes de água que estão espalhadas por Roma, principalmente nas áreas históricas (onde há maior concentração de turistas).

  • Continua após a publicidade
    Publicidade