Post-desabafo: o eterno costume de não pensar no outro

Seja praia movimentada ou mais isolada, cidade grande ou pequena, a areia é sempre cheia de bitucas de cigarro e papel de sorvete.

Por Tatiana Escosteguy Atualizado em 27 jun 2019, 15h41 - Publicado em 2 set 2015, 13h05

Resolvi escrever um post diferente. Em vez de dicas de lugares para você passear com seus filhos, um post-desabafo. Estamos viajando em família desde o começo do ano. Neste período passamos por incontáveis praias nas regiões Sul e Sudeste do Brasil. Em todos os lugares a situação é a mesma. Seja praia movimentada ou mais isolada, cidade grande ou pequena, a areia é sempre cheia de bitucas de cigarro e papel de sorvete. É impressionante! Às vezes não dá pra ver de primeira, mas basta começar a cavar para fazer um castelo de areia que o lixo aparece.

Fico pensando nas pessoas que estão na praia e, simplesmente, jogam a ponta do cigarro sem se preocupar se as crianças vão depois rolar por cima da sujeira. É o cúmulo do egoísmo. De pensar só em si e não no outro. Ah, mas muitas praias não têm lixeira… É verdade! Mas será que é muito difícil colocar a butuca ou o papel em um saquinho plástico? Na mochila? No bolso?

Juro por tudo que é mais sagrado que vou contar uma história verdadeira. Eu estava na praia do Leblon com minha filha estes dias e um senhor dava uma corridinha pela areia. Ele, simplesmente, tirou o órgão dele pra fora do calção e continuou correndo e fazendo xixi na areia. Não, ninguém me contou. Eu vi!

E tem gente que acha ruim quando estamos na praia com nosso cachorro. Me desculpem, mas o ser humano é muito mais sujo.

P.S.: a foto deste post não foi tirada em uma destas praias que passamos. É apenas ilustrativa.

Continua após a publicidade
Publicidade