Passione! – Um giro pelas barbadas

As principais cidades italianas segundo Heloisa Joly: Milão, Nápoles, Costa Amalfitana, Montalcino, Veneza e Roma

Por Heloisa Joly Atualizado em 16 dez 2016, 09h16 - Publicado em 8 set 2011, 15h52

MILÃO

Cinco passos para economizar na cidade do luxo

1 – Garimpe um hotel

Milão está cheia de espeluncas a menos de € 100 a diária. Para não errar, tente reservar no Art Hotel Navigli (Via Angelo Fumagalli, 4, 39-02/8941-0530, www.arthotelnavigli.com; diárias desde € 95), no Antares Concorde (Via Monza, 132, 39-02/2611-2020, www.concorde.hotelsinmilan.it; diárias desde € 89) ou no Atena (Viale Piave, 5, 39-02/7602- 3880, www.hotelatena.com; diárias desde € 65), no centro, de quartos bem simples mas grandes.

2 – Não ignore templos do luxo…

…como a Galleria Vittorio Emanuele II. Lá você consegue o inimaginável: jantar bem por cerca de € 10 no Il Salotto di Milano (39-02/864-61354, www.il-salotto.it).

3 – Não falte à happy hour

Em Milão nasceu a tradição dos bares que, entre as 18 e as 20 horas, servem bufês de antepasto a quem consumir bebidas alcoólicas (a taça de vinho e a cerveja custam, em média, € 7). Alguns dos melhores ficam no Corso Sempione, como o Huggy Bear (no 3, 39-02/345-1614) e o Kitsch Bar (no 5, 39-02/3310-3788).

4 – Gaste com passeios que valem o ingresso

Como visitar a Santa Maria delle Grazie (Piazza Santa Maria delle Grazie, 2, www.cenacolovinciano.net; € 6,50), para ver A Última Ceia, de Da Vinci, e conhecer o museu do Teatro Alla Scala (Largo Ghiringhelli, 1, Piazza Scala, 39-02/8879-2473, www.teatroallascala.org; € 5), que consagrou Giuseppe Verdi e Maria Callas.

5 – Abuse das atrações ao ar livre

Como passar a tarde no Parco Sempione, nos fundos do Castello Sforzesco, lamber vitrines do Quadrilátero de Ouro, com todas as grandes grifes, e visitar o Duomo, uma das catedrais mais belas da Europa.

NÁPOLES

Comida de rainha a preço de plebeu

Jantar pizza é sempre uma boa escolha quando se quer gastar pouco. E isso vale até mesmo para as redondas de grife. Aberta há mais de 200 anos, a pizzaria Brandi (Salita S. Anna di Palazzo, 1-2, 39-81/416-928, www.brandi.it) é nada menos que a casa onde o sabor marguerita foi criado. Em 1889, seu pizzaiolo foi chamado para servir a corte em um jantar e criou na hora uma pizza com mussarela, tomate e manjericão para a rainha Margherita de Saboia. Combinação campeã de pedidos na casa até hoje. Lá, você gasta cerca de € 15 para comer uma pizza (elas são individuais) e tomar duas long necks.

COSTA AMALFITANA

Na companhia do Mediterrâneo

Um jeito supergostoso de economizar durante a estada na região – uma das mais belas da Europa, mas com restaurantes caros – é se hospedar em um hotel que tenha quarto com varanda, como o econômico La Perla (Via Miglina,2, Praiano, 39-089/874-052, www.perlahotel.it; diárias desde US$ 99) e jantar ali mesmo. Com direto a uma incrível vista para o mar. Em um dos inúmeros, e pitorescos, alimentari, espécie de mercadinho, que há em todas as cidades ao longo da costa, você compra:

– Presunto cru

– Queijos

– Pães

– Pistache

– Água mineral

– Vinho

Tudo para duas pessoas, em porções caprichadas, por cerca de € 25.

MONTALCINO

A catedral do vinho

Essa minúscula cidade de 5 mil habitantes esquecida no alto de uma colina não tem nenhum atrativo de primeira grandeza em sua arquitetura. No entanto, seu nome é quase tão conhecido no resto do mundo quanto o das vizinhas Siena e Cortona. A fama vem de um dom muito especial: produzir um dos melhores vinhos do país, o legendário (e caro) Brunello di Montalcino. Ele tem produção limitada e requer longo processo de envelhecimento. A Enoteca La Fortezza (Piazza della Fortezza, 39-0577/849-211, www.enotecalafortezza.it), instalada no interior de uma fortaleza, tem degustação de Brunellos desde € 11. Sob reserva, é possível também visitar vinícolas ao redor da cidade, como a Poggio Antico (39-0577/848-044, www.poggioantico.com) e a Castello Banfi (www.castellobanfi.com). Há ônibus direto de Siena (trainspa.it; € 5) e a viagem dura 1h15.

Continua após a publicidade

VENEZA

Muita boemia e poucos euros

* Com € 1,50, já dá para começar a degustar taças de vinho no Maiiardi Enobar (Cannaregio, 5600, 39-041/528-5157), no Rialto. Para acompanhar, as tábuas de frios custam desde € 4.

* Também no Rialto está o animado Bàcaro Jazz (San Marco, 5546, 39-041/528-5249, www.bacarojazz.com), que serve lasanhas por € 10 até as 2 da madrugada. E a cerveja custa € 4,50.

* Com € 2, você beberica uma taça de vinho tinto na Osteria Alla Bifora (Dorsoduro, 2930, Campo Santa Margherita, 39-041/523-6119). Cujo ambiente acolhedor inspira pedir a especialidade da casa – presunto cru com melão (€ 15). Se preferir uma cerveja, a pequena custa € 2,50.

* Vale lembrar: beber dentro de bares e restaurantes, em geral, é mais barato que nas mesinhas do lado de fora. No entanto, como a diferença não costuma ser grande, por que não ficar admirando a paisagem das ruelas da cidade, não é?

E cuidado na hora de voltar pra casa: as ruas são muito parecidas. Não é exagero. Ainda mais quando se está meio altinho. Tente guardar bem o caminho de volta. (DANIEL SETTI)

ROMA

Manual de sobrevivência na capital

– Compre seu tíquete do Museu do Vaticano no site www.biglietteriamusei.vatican.va, e você ficará feliz ao perceber a diferença de tamanho entre a sua fila e a dos outros quando chegar ao museu. A taxa é de € 4.

– Roma nunca será só sua. As multidões são inevitáveis. Aceite isso e aproveitará melhor a estada por lá. Há filas por todos os lados e é preciso saber se impor para não perder seu espaço.

– Se for esperar alguém reduzir a velocidade para atravessar a rua, você não sairá do lugar. Acredite, os carros brecam em cima da hora, mas não atropelam. Vá com fé!

– Nos ônibus e no metrô, tome cuidado com duas espécies endêmicas: o “mão-leve” e o mano morta – o bom e velho “mão-boba”.

– Durante a happy hour romana ou, como eles dizem, o aperitivo, restaurantes e bares do Campo dei Fiori fervem. Ali, você janta uma pizza ou uma pasta acompanhada de uma taça de vinho da casa por cerca de € 8.

– Nem só nos museus – muitos deles com ingressos caros – você vê obras de arte espetaculares. Algumas igrejas reúnem maravilhas e são grátis, como a Basílica de São Pedro e a Igreja de San Pietro in Vincoli, e, ainda, a de San Luigi dei Francesi, a de Santa Maria del Popolo e a de Santo Agostinho, que exibem belíssimos quadros de Caravaggio.

– Planeje-se para visitar a Fontana di Trevi de manhã bem cedinho ou quase de madrugada. Só assim as chances de você conseguir apreciá-la e jogar sua moedinha em paz – para voltar à cidade, como reza a lenda – aumentam consideravelmente. (CLAUDIA MONTEIRO DE CASTRO)

– Ande a pé. Em um só dia, dá para ir à Piazza Navona, onde fica o belo edifício da nossa embaixada; sentar-se nas escadarias da Piazza di Spagna, que na primavera se enche de flores; flanar pela Piazza del Popolo; e descansar na Piazza del Campidoglio, desenhada por Michelangelo. A Piazza della Rotonda, que abriga um dos monumentos mais importantes de Roma, o Pantheon, também está a um pulinho. Tudo sem gastar nada.

 

Leia mais:

Passione!

Passione! – o essencial

Passione! – onde é melhor

Continua após a publicidade

Publicidade