Passeio na Nova Zelândia leva turistas à Terra Média de ‘O Hobbit’

Experiência coloca fãs das produções bem próximos à realidade dos cenários e termina com a degustação de cerveja no tradicional pub dos Hobbits

Por Thaís Sabino 8 dez 2014, 20h42

As ruelas percorridas por Frodo e Gandalf de charrete; a pequena casinha do hobbit Bilbo, conhecida como Bag End, onde Frodo também morou; as macieiras; os jardins; a taverna The Green Dragon; e todo o charme da Terra Média exibido nos cinemas pelas trilogias de Peter Jackson compõem Hobbiton, o set de filmagem de O Senhor dos Anéis e O Hobbit. Localizado em Matamata, uma cidade pacata na região de Waikato na Nova Zelândia, a cerca de duas horas de Auckland, o local se transformou em atração turística há dois anos quando recebeu 25 mil visitantes. No ano do lançamento da última produção da trilogia, “O Hobbit – A Batalha dos Cinco Exércitos”, a previsão é que 340 mil turistas passem pelo local, de acordo com o gerente de vendas Henry Horne. O cinema entra em cartaz no Brasil no dia 11 de dezembro.

O tour guiado, com duração de cerca de duas horas, tem início no cenário usado para uma das primeiras cenas do filme O Senhor dos Anéis – A Sociedade do Anel, de onde é possível avistar a portinha verde e redonda da Bag End e várias casas do vilarejo incrustadas no terreno todo acidentado. As trilhas construídas na fazenda da família Alexander, que cria ovelhas e bovinos em cerca de 1.250 acres de terras, proporcionam vistas que foram capturadas pelas lentes durante as filmagens, como o lago e o moinho próximos à taverna emoldurados pelas colinas cobertas pelo gramado verde ao fundo.

O campo da festa, juntamente com a árvore simbólica no filme – onde Bilbo desapareceu após fazer seu discurso e que é mostrada durante a queima de fogos -, também faz parte do passeio. Os turistas podem conhecer ainda a casinha de porta amarela que aparece no final da última produção da trilogia O Senhor dos Anéis e, claro, a Bag End, que tem o corredor interno decorado com vidros e embutidos, e permite a entrada das pessoas na casa mais famosa da trilogia O Hobbit. O tour termina na taverna The Green Dragon, com direito a degustação de cerveja, cidra ou bebida não alcoólica, tudo ao estilo Hobbit.

Ao todo são 44 casas de Hobbits construídas em diferentes escalas para as trilogias. “Existem detalhes que mal podem ser percebidos nos filmes e estão aqui”, comentou Horne. A maioria das construções é de fachada, ou seja, não é permitido o acesso ao interior delas, mesmo assim, é possível ver toda a decoração interna pelas janelas como vasos de flores, utensílios de cozinhas, ferramentas, alimentos, entre outros. Em frente das casas, a decoração “para tornar a ilusão ainda mais real”, conforme explicou Horne, continua com flores e outros materiais que dão vida ao local.

A vegetação e paisagem naturais da fazenda, sem dúvida, contribuem para a experiência. Cercada pelas montanhas Kamai Ranges, ela é completamente isolada, ou seja, casas e estradas não poluem o horizonte. De acordo com Horne, 95% do set é natural, apenas a árvore gigante que se encontra atrás da Bag End é artificial, feita de aço, silicone e mais de 200 mil folhas de plástico. Neozelandês, Peter Jackson mudou a participação da Nova Zelândia no cenário do turismo mundial ao escolher mais de 150 cenários diferentes do país para gravar os seis filmes. A Nova Zelândia ficou conhecida pelas diversidades naturais e o cineasta se tornou recorde de premiações – com 17 Oscars pela trilogia O Senhor dos Anéis – entre os destaques, fotografia e efeitos especiais.

A reconstrução do vilarejo

A fazenda da família Alexander foi escolhida para ser o vilarejo dos Hobbits em 1998. A equipe – que teve ajuda até do exército da Nova Zelândia – modificou o relevo do terreno para a instalação das casas e composição do cenário. Após as gravações, o set foi abandonado e parcialmente destruído. A estreia do primeiro filme “O Senhor dos Anéis”, porém, instigou fãs a visitarem os locais de filmagem e consequentemente abriu a oportunidade de tornar Hobbiton uma atração turística. Até então, havia apenas resquícios do cenário, todavia um acordo firmado entre o proprietário da fazenda, Peter Jackson e o estúdio responsável pelas filmagens terminou no projeto de reconstrução do vilarejo.

Desta vez, as casas foram construídas com grandes troncos de madeira nativa, que passaram por jatos de areia para ficarem com aspecto natural. Artistas foram contratados para envelhecer a madeira: eles usaram vinagre para dar a coloração acinzentada, criaram uma mistura de musgo, tinta e cola para decorar as casas e até usaram iogurte para desenvolver bactérias. Especialistas em jardinagem cuidaram da implantação de arbustos e trepadeiras. A ponte que liga o vilarejo à taverna foi construída com tijolos feitos à mão e o teto da The Green Dragon, junto com o moinho, possui mais de 30 mil tiras de palha.

Continua após a publicidade

Cada casa recebeu o trabalho artístico particular e individual, com características únicas, explicou Horne. Os detalhes foram cuidadosamente elaborados para transmitir mensagens diferentes e deixar a vila mais real. “O resultado encanta os fãs dos filmes”, disse Horne. Segundo ele, 60% dos turistas que visitam Hobbiton já assistiram aos filmes ou leram os livros, e, dos 40% restantes, 90% assistem às produções após visitarem o set. As trilogias mudaram a vida dos donos da fazenda, de Horne – que cresceu na região e trabalha no local desde o primeiro filme – e de Mamata que deixou de ser uma cidade “de passagem” para se tornar destino turístico.

Cruzeiro para Hobbiton

A chegada do último filme da trilogia “O Hobbit” está movimentando o turismo local, e a empresa Regent Seven Seas – que organiza cruzeiros de luxo -, incluiu Hobbiton como um dos destinos dos navios que partem de Auckland com destino a Sydney. A parada acontece em Rotorua, cidade a 77 km de Matamata, e o tour parte de lá. O cruzeiro tem duração de 14 noites e passa por  10 cidades, entre Nova Zelândia e Austrália. O valor por pessoa em suíte dupla é de US$ 9,9 mil, mas pode variar conforme a acomodação.

Hobbiton Tour

  • Diariamente, a cada 30 minutos – entre 9h30 e 16h30.
  • Entrada: NZ$ 75 (adultos), NZ$ 37,50 (10 – 14 anos), NZ$ 10 (5 – 9 anos)
  • *Menores de 5 anos não pagam
  • Endereço: The Shire´s Rest, 501 Buckland Road, Hinuera, Matamata

Opções com traslado partindo de:

  • Matamata: 45 Broadway, Matamata (sem custo adicional)
  • Rotorua: Fenton Street (vários pontos)  – NZ$ 110 (adultos), NZ$ 72,50 (10 – 14 anos), NZ$ 45 (5 – 9 anos), NZ$ 35 (0 – 4 anos)

Tour noturno + banquete e uma bebida no The Green Dragon

  • Às quartas-feiras, duração de 4 horas, a partir das 17h.
  • Preços: NZ$ 175 (adultos), NZ$ 140 (10 – 14 anos), NZ$ 100 (5 – 9 anos)

*Menores de 5 anos não pagam

*O Hobbiton Movie Set também está disponível para a realização de eventos.

Continua após a publicidade
Publicidade