Esquie com belas paisagens em Cortina D’Ampezzo, na Itália

Em meio a cidades alemãs, nos Alpes, a vila italiana tem a geologia mais bela, a comida mais caseira e a cultura mais familiar

Por Fernando Souza Atualizado em 5 fev 2020, 17h17 - Publicado em 28 dez 2014, 11h54

Atualizado em julho de 2019

Ao cortar vales e vilas de uma Itália que fala alemão, herança do Império Austro-Húngaro, o trajeto para Cortina D’Ampezzo revela-se um dos mais interessantes (e lindos) dos Alpes. O degradê cultural se sobrepõe à fonteira, como provam as placas bilíngues e a arquitetura tirolesa em território italiano.

Happy, hit de Pharrell Williams, tocava no rádio, e eu cantava junto, feliz porque esquiaria no dia seguinte, no meu slalom possível, com uma cerveja nas pernas e a perspectiva de tirar as botas no fim do dia… O espírito do chill out alpino me arrebatara.

Nevava muito quando cheguei à região do Südtirol, oportunidade para ver o lado adverso da montanha, que força a população a retirar neve dos telhados e a colocar escavadeiras para liberar as ruas.

Cortina – onde se parla italiano – é uma estação badalada, que conhece os habitués pelo nome, como o “Mr. Barilla”, herdeiro da fábrica de alimentos. Minha estadia foi mais caseira do que descolada, no familiar hotel Ambra, mas cansei de ver madames de vison emulando Milão no Corso Italia.

Destino de esqui - Cortina D'Ampezzo, na Itália
A turma “happy” com seus esquis em Cortina D’Ampezzo Divulgação/Divulgação

Na montanha, o instrutor Nicoló me incentivou a fazer curvas em paralelo até cansar. Meus tríceps sedentários, doloridos de impulsionar os esquis, doíam ainda mais nas quedas e mais ainda para me levantar. No snowboard, é a mesma coisa, e não há os bastões de apoio…

Paramos num refúgio e “almoçamos” duas Paulaner com uns tecos de Lindt. Enfim, eu me tornara um esquiador intermediário, indiferente à dor nos braços, “like a room without a roof” (como uma sala sem teto), na música de Pharrell. Voltando do rolê, um teto solar se abriu e deu tom sépia às famosas Dolomitas, os paredões alaranjados que são Patrimônio da Unesco.

Destino de esqui - Cortina D'Ampezzo, na Itália
Os Dolomites, paredões rochosos no topo de Cortina D’Ampezzo, são Patrimônio da Unesco Thinkstock/Thinkstock
  • As 10 melhores estações de esqui do mundo

    Europa:

     Courchevel

     Chamonix

    Continua após a publicidade

     Zermatt

     St. Moritz

     Innsbruck

     Cortina D’Ampezzo

    Estados Unidos:

     Aspen

     Vail

     Jackson Hole

     Park City

    Busque hospedagem em Cortina D’Ampezzo

    Leia tudo sobre estações de esqui

    Continua após a publicidade
    Publicidade