Instagram cria alerta contra abuso de animais selvagens

A rede social irá alertar usuários que procurarem por hashtags ligadas a comportamentos prejudiciais aos animais

Aquela selfie inocente com uma cobra enrolada no pescoço no zoológico de Luján, na Argentina; aquele retrato meigo acariciando um tigre no Tiger Kingdom em Chiang Mai, na Tailândia; ou então aquele singelo passeio no lombo de um elefante em Jaipur, na Índia. É tanto close errado que o Instagram decidiu alertar toda vez que um usuário clicar ou procurar por hashtags que estejam relacionadas a comportamentos abusivos contra animais ou o meio ambiente. A medida teve início na segunda-feira, 4 de dezembro.

Na prática, toda vez que alguém pesquisar pelas hashtags #koalaselfie, #tigerselfie ou #elephantride, por exemplo, receberá uma mensagem intitulada “Proteja a vida selvagem no Instagram”, advertindo que “O abuso de animais e a venda de animais em extinção ou suas partes não são permitidos no Instagram.” A mensagem também aparecerá a cada vez que alguém compartilhar conteúdos desse tipo.

Alerta Instagram contra abuso de animais

(Reprodução/Arquivo pessoal)

A medida foi tomada após uma série de estudos feitos pela organização World Animal Protection e a National Geographic, que constataram um aumento no número animais capturados ilegalmente e também daqueles mantidos em celas para serem fotografados por turistas.

Me tirem daqui!

O usuário poderá conhecer mais sobre o assunto ao clicar no link “Saiba Mais” da mensagem de alerta, que irá direcioná-lo a uma página que contém informações sobre o equívoco que é tirar fotos com animais silvestres. As informações, por ora apenas em inglês, foram elaboradas por entidades protetoras da vida selvagem, como a World Wildlife Fund, a World Animal Protection e a Traffic.

Senta lá, Paris!

#KoalaSelfie 😎🐨

A post shared by Paris Hilton (@parishilton) on

As selfies estão longe de retratar a realidade das condições em que os animais silvestres vivem. A maioria deles é retirada ilegalmente dos seus habitats naturais e muitos acabam submetidos a péssimas condições de vida. Outros, ainda de acordo com a National Geographic, tem sua procriação acelerada nos cativeiros e param de ser amamentados pelas mães antes do tempo.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s