Como os belorizontinos se sentem na praia – mesmo sem mar

Não tem litoral, mas Belo Horizonte abriga encontro praiano e oferece até cursos de mergulho

É comum os moradores de Belo Horizonte usarem a expressão “é de lei”. Quando se une praia e lazer, então, dois regionalismos se agrupam numa única frase para resumir a opinião de muitos: “É de lei: se aqui não tem mar, vamos para o bar”. Mas a capital que reúne mais botecos per capita do país também é capaz de abrigar, ao ar livre, uma cervejinha descontraída com a galera em um ambiente praiano em que só faltam o mar e a areia: a Praia da Estação, cuja edição mais recente ocorreu no último feriado de 12 de outubro. Em uma parceria com o #hellocidades, projeto de Motorola que sugere a descoberta de novas conexões com a cidade, fomos mergulhar nessa praia.

Desde 2010, a região central da cidade recebe edições desse evento que ocupa uma das praças mais tradicionais da capital mineira. A ideia da Praia da Estação, que não tem periodicidade fixa e acontece espontaneamente, quando faz calor, é que os “banhistas” se espalhem pelo generoso espaço aberto. Basta reunir a turma, esticar as toalhas, munir-se de isopor com bebidas geladas, confraternizar, ouvir e fazer um som. “Nosso objetivo foi aproveitar o feriado e o calor para juntar a galera e festejar mesmo”, conta o designer gráfico e estudante de Publicidade Nathan Barbosa, 21 anos, um dos organizadores. Como a atração independe de apoio do poder público, os convites da última edição, assim como de todas antes dessa, foram feitos a partir de uma página de eventos no Facebook.

Na Praça da Estação há fontes, mas como elas raramente são ligadas durante o dia, já virou tradição a turma realizar uma vaquinha in loco para alugar um caminhão-pipa que refresca os frequentadores. “Dessa vez não conseguimos o dinheiro suficiente até o horário que a empresa poderia nos atender, porque a praia só encheu depois das 16h”, explica Nathan, acrescentando que o aluguel do caminhão custa R$ 350. “Mesmo assim foi gostoso, várias pessoas levaram caixas de música e a galera depois foi para o Zona Last”, completa o estudante, citando um barzinho descolado no bairro de Santa Tereza onde rolou um pós-praia.

A diversão também tem um viés político de reforço da cidadania. Segundo Nathan Barbosa, ocupar espaços públicos é importante para viver plenamente a cidade. “É uma maneira de nos apropriarmos de BH e também de nos conectarmos com pessoas que têm interesses comuns e também conhecer gente diferente”, diz.

Pela internet, 575 pessoas confirmaram participação. O funcionário público Washington Lisboa, de 27 anos, foi um dos que receberam o convite e marcou presença. “É uma forma bacana e barata de interagir e se divertir”, resume. Mesmo sem ter o objetivo de atingir um público-alvo específico, mas sim reunir pessoas de várias tribos e dialogar com a diversidade, Lisboa identificou uma forte presença da comunidade LGBT. “É um público mais desencanado e participativo. Esses eventos abertos, além da diversão, têm um forte apelo de inclusão, o que os tornam ainda mais importantes.”

Rumo ao alto mar

Mesmo distante a cerca de 430 km do litoral, os belorizontinos costumam curtir feriados prolongados e férias em praias ensolaradas, com muita frequência se deslocando para tradicionais cidades do Espírito Santo, Rio de Janeiro e Bahia. “Nando Reis está certíssimo ao dizer que quando a gente fica em frente ao mar, realmente a gente se sente melhor”, destaca a estudante Janaína Santos, de 21 anos. “Sou mineira, mas meu nome já diz tudo: Janaína significa Iemanjá, a rainha dos mares”, brinca a jovem, que sonha fazer um curso de mergulho para aproveitar ainda mais sua paixão.

Paula Loque administra uma das mais tradicionais escolas de mergulho de Belo Horizonte

Paula Loque administra uma das mais tradicionais escolas de mergulho de Belo Horizonte (Mar A Mar/Divulgação)

Para ela e outros que não querem apenas ficar em frente, mas desejam também explorar o fundo do mar, não é preciso – a princípio – sair de BH. Há pelo menos meia dúzia de escolas que oferecem cursos de mergulho na capital mineira, indo do nível básico ao avançado. A estudante de Direito e funcionária pública Viveka Campos já fez aulas. “Achei bem tranquilo aprender a mergulhar em piscina. No mar, deu um pouco de medo, mas passou logo e tive experiências deslumbrantes”, diz.

O mergulho é uma atividade que mistura lazer, esporte, contemplação e que, além de tudo, ajuda no desenvolvimento emocional. Essa é a opinião de Paula Pessanha Loque, que fala com conhecimento de causa. Mergulhadora experiente, ela é proprietária e administradora da escola Mar a Mar, uma das mais tradicionais da cidade.

Os cursos básicos para iniciantes duram em torno de uma semana, com cinco dias em piscina e dois no mar. Prazeroso, o mergulho exige capacitação técnica para evitar contratempos. “É importante ter um referencial teórico e só depois iniciar a prática na água, que será onde o aluno vai se acostumar com a mudança de pressão, treinar a respiração, adaptar-se com os equipamentos. O controle emocional é fundamental para se adquirir autoconfiança, conforto e segurança”, ensina Paula Loque.

Na Lagoa dos Ingleses, situada na saída para o Rio de Janeiro, há também opções de cursos de diferentes esportes, como stand up paddle, wakeboard, wakesurf, wakeskate e remo, entre outras modalidades aquáticas mais ou menos radicais. Afinal, você quer se divertir com ou sem emoção? Tem para todos os gostos.

Como diz a música da Marina Lima, “vem chegando o verão”, e esse é o momento ideal para compartilhar nas redes sociais, junto com a #hellocidades e o hub hellomoto.com.br, suas experiências e dicas de como curtir o sol e o calor junto com os amigos em BH ou divulgar atividades que possam incrementar ainda mais as férias de fim de ano.

Cursos de mergulho em BH

Mar a Mar – Rua Piauí, 1714, Funcionários

Contatos: 3221-3277/ 3225-0029

Site: maramar.com.br

Alto Mar Mergulho – Rua Pirapetinga, 66, Serra

Contato: 2531-5550

Site: altomarmergulho.com.br

Uai Diving – Rua Major Lopes, 700, São Pedro

Contato: 3309-9225

Site: uaidiving.com.br

Dive Life – Avenida Bandeirantes, 1.299, loja 12, Anchieta

Contato: 2512-2309

Site: divelife.com.br

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s