Comida di Buteco: uma porção de porções

Em ano de linguiça e mandioca, festival Comida di Buteco chega a 400 bares de 16 cidades

De um concurso com apenas dez bares de Beagá, em 2000, o Comida di Buteco (comidadibuteco.com.br) ganhou o país. A próxima edição, entre 12 de abril e 12 de maio, elegerá os melhores petiscos à base de linguiça e mandioca de 400 endereços em 16 cidades – boa chance de expandir os conhecimentos botequeiros em um circuito qualificado. “Visito e avalio até mil lugares antes”, conta Eduardo Maya, curador do Comida. Na capital mineira, os vencedores locais serão anunciados na festa Saideira (dia 18; desde R$ 120), com barracas de 45 botecos e shows de Mart’nália e Skank. Abaixo, um aperitivo do festival.

Belo Horizonte: Patorroco (31/3372-6293)

Campeão de 2012, forra de gente as mesinhas da calçada, nas quais vai bem o acarajé mineiro (com creme de milho, mamão verde e linguiça).

Petisco do Patorroco, em Belo Horizonte Petisco do Patorroco, em Belo Horizonte

Petisco do Patorroco, em Belo Horizonte (/)

Petisco do Patorroco, em Belo Horizonte – Foto: Beto Eterovick

Fortaleza: Alpendre (85/3261-1525)

O clima de happy hour combina com as porções de bolinho de baião de dois e de asa de frango empanada.

Rio de Janeiro: Adega Pérola (21/2255-9425)

As banquetas do bar de Copacabana recebiam João Nogueira e Nelson Cavaquinho. Vão-se os sambistas, ficam os acepipes e o chope de responsa.

Acepipes do longo balcão do Adega Pérola Acepipes do longo balcão do Adega Pérola

Acepipes do longo balcão do Adega Pérola (/)

Acepipes do longo balcão do Adega Pérola – Foto: Fernando Frazão

São Paulo: Valadares (11/3862-6167)

Tradicional na Lapa, é comandado pelos mesmos donos desde 1962 e ganhou fama com petiscos poucos triviais, como a rã empanada.

Salvador: Koisa Nossa (71/3266-5596)

No bairro da Mouraria, seu forte são as receitas com lambreta, pequeno marisco típico da Bahia.

Leia mais:

Check-in ##– Veja outras reportagens da edição de ABRIL de 2013 da VT

Na coluna Boteclando ##– No Chile, nosso colunista se deleitou com os bares que o poeta Pablo Neruda mantinha em suas casas

Alegre trópico ##– Chope, espetos, acarajés e feijoada em um bar pé no mato em plena Vila Pompeia, em São Paulo

Conversa de botequim ##– Uma seleção de 23 ótimos botecos paulistanos

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s