Colecionadores

Ela viaja o mundo à caça de globos de neve. Até na viagem de lua de mel ela foi atrás de um

Por Fabrício Brasiliense (edição) Atualizado em 16 dez 2016, 08h29 - Publicado em 13 ago 2012, 19h25

O PRIMEIRO Quando eu tinha 15 anos, minha mãe me deu um globo com um boneco de neve que ela comprou em são José dos Campos (SP). Desde então me apaixonei pelo suvenir. Hoje tenho 106 deles, de lugares como Roma, Gênova, Palma de Mallorca e Nova York. Eles ficam expostos na cristaleira da sala.

VALE TUDO Pirei nos globos de neve da EuroDisney de Paris. Na empolgação, comprei alguns meio grandinhos, que, juntos, não cabiam na mala. Por fim, meu marido teve de deixar um par de botas para trás, e os globos vieram.

PERSISTÊNCIA Estive quatro vezes no Rio e nada de achar um globinho. O jejum acabou no ano passado. Depois de muito bater pernas, achei um do Cristo redentor em uma loja perto do aeroporto santos Dumont.

O XODÓ O meu preferido é o globo que comprei em Madri, onde passei a lua de mel. Quando chegamos, corri para a primeira loja de suvenires que encontrei. O problema foi carregá-lo a viagem toda com cuidado para não quebrar. Ainda bem que meu marido me apoia e sempre zela por eles.

Thais Beteta é bibliotecária, vive em São Paulo (SP) e tem o passaporte carimbado em 14 países

Leia mais:

VT Agosto de 2012 ##– Veja todas as reportagens desta edição

Continua após a publicidade

Colecionadores julho de 2012 ##– Branca de Neve viajante

VT responde ##– Dúvidas sobre Canadá, Itália e Paraty

Continua após a publicidade

Publicidade