Aviões sem piloto podem virar realidade em 2025

Aviões sem piloto podem virar realidade em menos de dez anos, mas quem embarcaria?

Por Ariene Leite Atualizado em 25 out 2017, 14h37 - Publicado em 23 ago 2017, 18h02

O uso de aviões sem piloto está mais próximo do que se imagina. Um relatório feito pela empresa de serviços financeiros UBS, revelou que a ideia de embarcar em um avião pilotado por máquinas pode se tornar realidade a partir de 2025. O banco suíço afirmou que as companhias aéreas poderiam poupar até U$35 bilhões com a medida.

A redução na mão de obra atrelada a implantação de seguros mais baratos poderia trazer grandes benefícios tanto para as companhias como para os passageiros que pagariam 10% a menos pelas passagens de avião. O primeiro passo para isto se tornar real seria reduzir o número de pilotos na cabine para apenas um.

Desde que foi divulgado, o estudo tem provocado muitas críticas dos passageiros que afirmaram que “não comprariam bilhetes de avião sem piloto mesmo que fossem mais baratos”, de acordo com o relatório, citado pelo The Guardian.

Das 8 mil pessoas entrevistadas pelo banco, 54% disseram que não aceitariam voar em aeronave sem piloto e apenas 17% teriam coragem, sendo que os franceses e alemães foram os que aceitaram melhor a proposta. Em resposta, a UBS acredita que a “a aceitação [deverá] crescer ao longo do tempo”.

Enquanto isso, os fabricantes de aeronaves como Airbus e Boeing já estariam se preparando para introduzir a tecnologia para o próximo ano. Tudo indica que o mercado mais provável a aderir aos aviões sem piloto seja o de transporte de cargas, por motivos óbvios. Apesar que a Ryanair, umas das pioneiras da aviação low-cost e famosa por cobrar absolutamente tudo, é provável que cresça o olho para a ideia. O presidente da empresa, Michael O’Leary, disse uma vez que se fosse permitido voar com apenas um piloto, ele seria o primeiro a aderir. Na ocasião, ele declarou que “o co-piloto só está lá para se certificar de que o piloto não vá dormir sobre os computadores de bordo”.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade