Sem a figura humana, obras de arte ganham novos significados

O apagamento de personagens em telas imortalizadas pela história da arte ganha outros sentidos em tempos de quarentena

Há mais de cinco anos, o pintor e fotógrafo espanhol José Manuel Ballester usou ferramentas de edição de imagem para apagar as personagens de algumas das mais famosas obras de arte do mundo. A série, chamada “Espacios Ocultos”, ganhou um significado diferente com os últimos acontecimentos que envolvem a epidemia do coronavírus.

Sem a figura humana, o que seria da Vênus de Botticelli, da Santa Ceia de Da Vinci ou ainda d’As Meninas de Velásquez? Ou, numa chave menos trágica, as personagens imortalizadas pela história da arte poderiam, com o sumiço das telas, comunicar: “com licença, vamos nos recolher para daqui um tempo voltar”. Ou ainda, como se fosse um aviso de grandes museus: estamos fechados. Em suma, as imagens têm sido compartilhadas com o intuito de incentivar o isolamento social. Veja algumas delas:

“O Nascimento de Vênus”, de Sandro Botticelli

“O nascimento de Vênus”, de Sandro Botticelli

 (Sandro Botticelli/Reprodução)

“O nascimento de Vênus”, de Sandro Botticelli

 (José Manuel Balleter/Reprodução)

“A Última Ceia”, de Leonardo da Vinci

“A última ceia”, de Leonardo da Vinci

 (Leonardo da Vinci/Reprodução)

“A última ceia”, de Leonardo da Vinci

 (José Manuel Balleter/Reprodução)

“As Meninas”, de Diego Velázquez

“As meninas”, de Diego Velázquez

 (Diego Velázquez/Reprodução)

“As meninas”, de Diego Velázquez

 (José Manuel Balleter/Reprodução)

“A Arte da Pintura”, de Johannes Vermeer

“A arte da pintura”, de Johannes Vermeer

 (Johannes Vermeer/Reprodução)

“A arte da pintura”, de Johannes Vermeer

 (José Manuel Balleter/Reprodução)

“O Jardim das Delícias Terrenas”, de Hieronymus Bosch

“O jardim das delícias terrenas”, de El Bosco

 (El Bosco/Reprodução)

“O jardim das delícias terrenas”, de El Bosco

 (José Manuel Balleter/Reprodução)

“Balsa da Medusa”, de Théodore Géricault

“Balsa da Medusa”, de Théodore Géricault

 (Théodore Géricault/Reprodução)

“Balsa da Medusa”, de Théodore Géricault

 (José Manuel Balleter/Reprodução)

“Três de Maio de 1808 em Madrid”, de Francisco Goya

“Três de maio de 1808 em Madrid”, de Francisco Goya

 (Francisco Goya/Reprodução)

“Três de maio de 1808 em Madrid”, de Francisco Goya

 (José Manuel Balleter/Reprodução)

Leia tudo sobre coronavírus

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s