Airbnb lança novo protocolo de higienização das acomodações

A plataforma de aluguel de temporada lida com o fato de que cada anfitrião limpa a casa como bem entender e por isso criou normas e até uma certificação

Por Bárbara Ligero Atualizado em 1 Maio 2020, 11h38 - Publicado em 28 abr 2020, 18h14

Em resposta à crise na indústria do turismo e à insegurança dos viajantes causadas pela pandemia de coronavírus, a plataforma de aluguel de casas e apartamentos Airbnb anunciou um novo protocolo de limpeza para orientar os hosts, que é como são chamados os proprietários ou administradores de acomodações.

Batizado de “Programa Avançado de Limpeza”, o documento foi elaborado com a ajuda de médicos e com base nas recomendações do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos Estados Unidos.

Ali constam instruções de como os proprietários dos imóveis devem higienizar e desinfetar cada cômodo da casa, informações específicas sobre o Covid-19 e indicações de desinfetantes certificados por autoridades sanitárias.

  • O Airbnb determinou que os anfitriões que seguirem as novas recomendações receberão um certificado especial, de forma que eles poderão ser facilmente identificados por quem busca acomodação.

    Além disso, a plataforma estabeleceu um intervalo mínimo obrigatório entre uma hospedagem e outra. Quem seguir o novo protocolo de limpeza deverá garantir um prazo de 24 horas entre a partida de um viajante e a chegada de outro. Já quem não realizar todas etapas de higienização será obrigado a esperar 72 horas antes de receber um novo hóspede.

    Esse intervalo é baseado em recomendações de especialistas aplicadas em outro programa do Airbnb, que já ofereceu mais de 200 mil estadias a profissionais de saúde na linha de frente do combate à Covid-19 em países como Alemanha, Espanha e Itália.

    Continua após a publicidade
  • O programa deve ser lançado em maio nos Estados Unidos e só depois será implementado em outros países, incluindo o Brasil.

    O novo protocolo de higienização nada mais é que um esforço do site em tranquilizar os viajantes e reativar as reservas na plataforma, que tiveram uma redução drástica devido à pandemia de coronavírus.

    Uma pesquisa realizada pela AirDNA, empresa especializada na análise de aluguel online, o Airbnb perdeu US$ 1 bilhão em reservas, teve 90% de cancelamentos e está com uma queda de 85% em novas reservas.

    A preocupação com limpeza irá se tornar uma das grandes questões da hotelaria e quem busca acomodações via sites de aluguel de temporada precisa lidar com o fato de que cada anfitrião limpa a casa da maneira que bem entender. Os hotéis, comparativamente, costumam seguir protocolos de higiene determinados e tendem a garantir uma previsibilidade maior quanto ao padrão dos serviços. Em Belo Horizonte, um hotel foi todo adaptado para o contexto de pandemia e chega a ter funcionários confinados.

  • Leia tudo sobre coronavírus

    Veja dicas do que fazer para viajar sem sair de casa

    Continua após a publicidade
    Publicidade