A melhor das terapias

Conhecer novas latitudes é um grande remédio, quem sabe o maior, para curar dores implacáveis

Assim como o Woody Allen, meu relacionamento com a morte permanece o mesmo: sou inteiramente contra. Essa perda inexorável e súbita transforma pesadamente nosso cotidiano. Dor que, guardadas as proporções, pode ser análoga à de um divórcio e, em menor escala, até à de uma demissão. A boa notícia é que atrás do porto tem uma cidade, ou, para entrar no tema, nada como uma boa viagem para expurgar, exorcizar, dar um bico para a lateral em quaisquer sentimentos de desconsolo, melancolia, rancor.

Acabo de provar o sabor amargo do fim de um casamento, antítese ao de um bem-casado. Estava de viagem marcada (sem ela) e cogitei abortar o plano. Pensei que não houvesse clima. Encarnei, porém, o espírito da americana Elizabeth Gilbert, que após seu desquite partiu em busca de um upgrade no autoconhecimento e comeu, rezou e amou.

Acho que minha viagem não renderia um best-seller, mas foi fundamental para eu me refazer. A chuva barcelonesa emoldurada pela genialidade de Gaudí tranquilizou minha mente e meu coração. Sob o sol de Budapeste, a brisa do Rio Danúbio me prognosticou um novo e vibrante futuro que nem as marcas de balas alemãs e russas que perduram em algumas construções vão abalar. Difícil não se sentir como o José Costa, personagem de Budapeste, de Chico Buarque, que, na capital húngara, reinventa sua vida.

Por estar de cadeira de rodas, minha trip sempre é acompanhada de um quê extreme que, respeitadas as abismais proporções, se assemelha com a aventura de outra escritora americana, Cheryl Strayed. Após perder a mãe e ver o casamento ruir, ela resolveu encarar a pé, sozinha, 1 770 quilômetros de uma trilha cheia de cascavéis da Califórnia até quase o Canadá. A viagem fez lhe bem, como se lê em seu livro Livre. Mas, como eu percebi, não é preciso conviver com serpentes para curar as grandes dores de amores.

O COLUNISTA

Bruno Favoretto crê que o húngaro é a única língua que o diabo respeita

Leia mais:

Check-in ## – Veja outras reportagens da edição de JULHO de 2013 da VT

Mais da coluna De Cadeira ##- No meio do caminho tinha uma escada

Destino: Budapeste ##- Escolher onde iniciar os passeios em Budapeste é o grande desafio do turista que se aventura nessa que é uma das mais belas capitais da Europa

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s