14 lugares para se hospedar e explorar na Amazônia

Cobiçada pelos gringos, a Amazônia ainda é pouco visitada por seus conterrâneos. Nos lodges, barcos e até sem sair de Belém ou Manaus, veja como explorá-la

Até há pouco tempo, viajar para a Amazônia era sinônimo de longas travessias de barco, noites maldormidas em redes e banhos frios. Hoje, o destino ainda reserva boa dose de emoção, mas os perrengues ficaram no passado. Já é possível encontrar hotéis completos em meio à selva e embarcações luxuosas que navegam floresta adentro. Ainda assim, uma pesquisa realizada pelo Ministério do Turismo em abril de 2017 apontou que apenas 6,5% dos brasileiros desejam conhecer a região.

Tão longe e tão esquecida do Sul e do Sudeste, a Amazônia ainda sofre com o estigma de que é um destino caro, o que faz muitos brasileiros priorizarem o Nordeste ou mesmo os destinos do exterior. O aumento da oferta, porém, já produz oportunidades como um cruzeiro all-inclusive de três noites com aéreo de São Paulo, confortável cabine com varanda e passeios diários nos rios e matas da Amazônia.

Neste e em outros pacotes, o cardápio de atividades inclui encontro com botos-cor-de-rosa, focagem de jacarés e caminhadas na selva, numa viagem viável o ano todo: na estação chuvosa, de dezembro a junho, as florestas se alagam e os passeios de barco são facilitados; na seca, de julho a novembro, formam-se as praias fluviais e os animais são vistos com mais frequência. As possíveis maneiras de conhecer a rainforest dos gringos – a maior floresta tropical do mundo para nós –, você confere a seguir.

As bases

Nos lodges de selva, nos cruzeiros fluviais e nos hotéis convencionais, confira 14 hospedagens para explorar a Amazônia, das opções mais rústicas às mais luxuosas no Amazonas, Pará e Mato Grosso.

AMAZONAS

O maior estado em território do país ainda mantém 98% de sua cobertura florestal preservada – até porque mal tem estradas – e um dos maiores mananciais de água doce do mundo. Ali fica a grande maioria dos lodges e cruzeiros amazônicos, as opções clássicas para quem quer ter uma experiência de imersão na floresta. Enquanto nos lodges o contato com a natureza é constante e aprofundado em determinada região, nos barcos você navega por paisagens variadas.

AMAZON ECOPARK JUNGLE LODGE

Amazon Ecopark Jungle Lodge

 (divulgação/Divulgação)

À beira do Rio Tarumã, um afluente do Rio Negro, é o lodge de selva mais próximo de Manaus. Além da praia fluvial privativa, há quatro piscinas naturais. A estadia inclui focagem noturna, pescaria, visita a uma casa de caboclo e passeio pela Floresta dos Macacos, um centro de reabilitação de animais silvestres.

COMO CHEGAR? A van do hotel busca no aeroporto de Manaus e leva à Marina Tauá. De lá, são 20 minutos de barco até o lodge.

ANAVILHANAS JUNGLE LODGE

Hospedagem de selva Anavilhanas Jungle Lodge, na Amazônia

 (divulgação/Divulgação)

Fica em frente ao Arquipélago de Anavilhanas, parque nacional composto por cerca de 400 ilhas, e organiza atividades como canoagem pelos igapós e igarapés, contemplação do amanhecer e excursões para ver botos-cor-de-rosa. Tem piscina de borda infinita debruçada sobre o Rio Negro e chalés com paredes de vidro e vista para a mata.

COMO CHEGAR? Os 180 km a partir de Manaus são feitos de van em um trajeto de 2h30, inteiro de terra.

JUMA AMAZON LODGE

Recepção do Juma Amazon Lodge

 (Akinori K/Divulgação)

Quase todo o hotel fica suspenso na altura das árvores: interligadas por passarelas de madeira, as 21 cabanas foram construídas sobre palafitas a até 30 metros do chão. Algumas têm vista para a floresta; outras, para o Rio Juma, onde fica uma pequena piscina de madeira.

Além das atividades de selva, há palestras com os guias e arvorismo.

COMO CHEGAR? São 45 minutos de barco de Manaus à Vila do Careiro, 1h de carro até o Rio Maçarico, mais 1h de barco até o hotel.

MALOCAS JUNGLE LOGDE

Malocas Jungle Lodge

A experiência mais rústica e imersiva: não há eletricidade e os quartos ficam sob estruturas que imitam malocas indígenas. Inclui trilhas para cachoeiras e um pernoite na mata, em barraca, com a comida preparada em fogo de chão pelos hóspedes. Não aceita menores de 13 anos.

COMO CHEGAR? De Manaus, são 3h metade de carro até Rio Preto da Eva, metade de barco até o lodge.

MIRANTE DO GAVIÃO

Mirante do Gavião, Amazonas

 (Divulgação/Divulgação)

Mais novo hotel de charme da Amazônia, fica às margens do Rio Negro e tem um projeto arquitetônico moderno totalmente integrado à natureza. Com capacidade para 23 hóspedes, promove os passeios básicos pela selva e se destaca na cozinha, de culinária internacional com ingredientes locais.

COMO CHEGAR? De Manaus até o hotel, são 2h30 de transfer.

UAKARI LODGE 

Pousada Uacari, Amazonas

 (Divulgação/Edu Coelho/Divulgação)

Com apenas cinco bangalôs flutuantes, cada um de duas suítes, é a única hospedagem desta lista dentro de uma reserva ecológica florestal, a Mamirauá. Entre as atividades há passeios de canoa e visita a uma comunidade ribeirinha. Não aceita menores de 10 anos.

COMO CHEGAR? Uma hora de avião de Manaus até Tefé (não incluído), mais 1h30 de lancha até o hotel.

AMAZON CLIPPER CRUISES

Amazon Clipper Cruise

 (Divulgação/Divulgação)

Com hidromassagem no deque, o barco faz dois roteiros desde Manaus: um de 2 noites pelo Rio Amazonas e um de 3 noites pelo Rio Negro (somados, ainda viram um de 5 noites). Há paradas para passeios de canoa ou caminhadas pela floresta.

COMO CHEGAR? Do hotel Tropical (Manaus) sai transfer para o embarque.

IBEROSTAR GRAND AMAZON

Iberostar Grand Amazon,, Amazonas

 (divulgação/Divulgação)

Entre as viagens mais confortáveis pela Amazônia, o Cruzeiro all-inclusive tem cabines espaçosas com varanda e de que com duas piscinas. Tanto no roteiro de 3 noites pelo Solimões quanto no de 4 pelo Rio Negro, há excursões diárias.

COMO CHEGAR? Basta se apresentar diretamente no porto de Manaus.

M. MONTEIRO 

M Monteiro, Amazonas

 (divulgação/Divulgação)

O barco regional que transporta carga e passageiros reserva pequenas cabines com beliche para turistas. Não há entretenimento a bordo ou água quente no chuveiro, mas a viagem de 10 dias entre Manaus e Letícia, na Colômbia, permite conhecer a realidade dos locais e fazer passeios durante o desembarque de mercadorias.

COMO CHEGAR? Há um traslado do aeroporto de Manaus até o embarque.

Em Manaus

Reserve um dia para conhecer os edifícios do ciclo da borracha, sobretudo o Teatro Amazonas, e ver o Encontro das Águas do Rio Negro com o barrento Solimões, que não se misturam. Nos “cafés regionais”, prove o X-caboclinho, sanduíche de tucumã (fruto de uma palmeira) com queijo coalho.

Se você não for esticar a viagem para um lodge ou barco de selva, pode contratar receptivos como a Amazing e a Amazon Explorers, que organizam passeios de um dia para ver botos-cor-de-rosa, visitar aldeias ou fazer canoagem nos igapós e igarapés.

MATO GROSSO

A floresta se espalha até o norte do MT, onde a única base servida de voos é Alta Floresta. Muitos dos que desembarcam ali estão interessados na pesca, mas a rica biodiversidade da região – com influências do Cerrado e do Pantanal – é outro belo atrativo. Nessa parte alta da Amazônia, os rios raramente alagam a mata, o que facilita a observação da vegetação e dos animais. Como só há uma opção de lodge, espere encontrar a natureza intocada.

CRISTALINO JUNGLE LODGE 

Cristalino Lodge

 (divulgação/Divulgação)

Fica na reserva do Cristalino, uma área preservada de mais de 11 mil hectares. Com instalações luxuosas e um de que flutuante sobre o rio, organiza trilhas e passeios de canoa para observar a variedade de árvores, répteis, mamíferos e aves.

COMO CHEGAR? Em 1h, vans levam de Alta Floresta para o Rio Teles Pires. Depois, são 30 minutos de barco.

PARÁ

A Amazônia ganha novos elementos ao alcançar o Pará. No encontro do Rio Amazonas com o Atlântico, por exemplo, a Ilha de Marajó tem mais búfalos (600 mil) do que seres humanos (500 mil). A ilha, a maior fluviomarinha do mundo, combina passeios ecológicos por manguezais com banhos de rio. Porém, o destino da floresta com as praias fluviais mais badaladas é Alter do Chão, o “Caribe Amazônico” – um lugar para relaxar nos bancos de areia cercado por águas cristalinas, com a mata ao fundo.

CASARÃO DA AMAZÔNIA

Casarão da Amazônia, Pará

 (Divulgação/Divulgação)

Em Soure, principal vila de Marajó, o hotel está instalado em um imóvel de 1896. Organiza tours não incluídos na diária, como a caminhada para ver aves e macacos e o passeio de canoa seguido de montaria de búfalo.

COMO CHEGAR? São 2h de lancha de Belém.

BELOALTER HOTEL

Beloalter Hotel, Alter do Chão

 (divulgação/Divulgação)

Em Alter, tem instalações simples, compensadas pela piscina e pela localização: está rodeado de mata em frente a uma praia exclusiva do Lago Verde.

COMO CHEGAR? Há transfer do aeroporto de Santarém.

MIRANTE DA ILHA 

Hotel Mirante da Ilha, Pará

 (Divulgação/Divulgação)

Seu grande diferencial é a localização de frente para a Ilha do Amor, considerada a melhor praia de Alter do Chão. É possível apreciar a paisagem de alguns quartos e da piscina.

COMO CHEGAR? O hotel tem traslado do aeroporto de Santarém.

BELLE AMAZON 

Barco Belle Amazon, Pará

 (divulgação/Divulgação)

Com apenas nove cabines, o barco navega por 4 noites pelos rios Tapajós e Arapiuns, saindo e voltando de Alter. Há paradas para conhecer comunidades locais, ver botos-cor-de-rosa, aproveitar as praias e fazer passeios de canoa pelos igarapés.

COMO CHEGAR? Há transfer do aeroporto de Santarém até o embarque.

Em Belém

Sensação da gastronomia, a capital paraense revela seus sabores em dois caprichados dias. Comece pelo Mercado Ver-o-Peso, que tem frutas como bacuri e cupuaçu, ingredientes como o tucupi e uma feira só de peixes. Siga para a modernizada Estação das Docas, almoce no restaurante Lá em Casa, que serve o típico pato no tucupi, e caminhe até a Cairu para saborear um sorvete de frutas silvestres.

De lá, conheça a Cidade Velha, o Theatro da Paz e a Basílica de Nazaré, antes de provar o tacacá da Dona Maria. Dedique o dia seguinte ao Museu Goeldi, centro de pesquisa da fauna e flora amazônicas, ao belo Parque Mangal das Garças e ao Bosque Rodrigues Alves, que traz a selva para a cidade. No almoço, vá de Remanso do Bosque, um dos melhores restaurantes regionais do país.

FAQ AMAZONICO

Itens para viagem

 (seb_ra/iStock)

Quanto tempo ficar?

Quatro ou cinco dias costumam ser suficientes para fazer os passeios essenciais dos lodges e cruzeiros. No Pará, a llha de Marajó e as praias de Alter do Chão merecem três dias cada. Se puder, acrescente um ou dois dias na capital (Manaus ou Belém).

Passa perrengue?

Salvo exceções, como o Malocas Jungle Lodge e o M. Monteiro, as hospedagens têm energia elétrica, água quente e, nas mais confortáveis, ar-condicionado nos quartos e wi-fi nas áreas comuns. Já o sinal de celular costuma ser raro.

Dá para levar crianças?

Os pequenos conseguem acompanhar bem os passeios e terão uma oportunidade inigualável de contato com a natureza. Porém, os hotéis, lodges e barcos não mantêm estrutura específica para crianças, como kids club ou equipe de recreação.

Preciso tomar vacina conta a febre amarela?

Sim, e a até dez dias da viagem, para fazer efeito. Com o recente surto da febre em macacos do Horto, em SP, a procura pela vacina aumentou muito, por isso é bom providenciá-la num posto (grátis) ou em uma clínica o quanto antes. Quem já tomou, mesmo há muitos anos, não precisa se preocupar mais – a validade é vitalícia.

Serei devorado pelos mosquitos?

Nos arredores do Solimões, as picadas são constantes. Já no Rio Negro, a acidez da água dificulta a reprodução dos mosquitos.

Vou ver animais?

Não é tão fácil observar animais na Amazônia quanto no Pantanal. Nos passeios, mais voltados para a contemplação da natureza, há chances de ver pássaros, jacarés e alguns macacos – outros mamíferos, só com sorte.

Como é a comida nos lodges e barcos? 

Há sempre pratos típicos da Amazônia, alguma opção de peixe fresco e, para agradar a todos, arroz, feijão e frango ou carne vermelha. As frutas locais aparecem em sucos e sobremesas.

O que levar?

O calor pede protetor solar, chapéu, óculos de sol, roupas leves e de banho (para se refrescar no rio). Para as caminhadas na mata é essencial usar calça comprida, meia e tênis. Também leve repelente, capa de chuva, dinheiro e, para se distrair à noite, livros e revistas.

QUEM LEVA?

AGAXTUR

AMBIENTAL 

FLOT

PISA TREKKING 

SELECTIONS 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s