Estilo de viagem

Guia do turismo voluntário

O tipo de intercâmbio que leva viajantes para um combo transformador: conhecer lugares distantes e ajudar os outros

O basicão...

Que é bom saber antes de virar volunturista

O que é volunturismo?

É um tipo de turismo responsável e sustentável – que combina um período de trabalho social em organizações beneficentes sem fins lucrativos com passeios por destinos no geral pouco explorados pelo turismo de massa.

Fortaleza Amber, em Jaipur

Fortaleza Amber, em Jaipur (Divulgação/Divulgação)

Como é um dia de viagem típico?

As atividades de voluntariado costumam ocupar metade do dia quando são realizadas em cidades grandes e deixam a outra parte do dia para que o viajante possa explorar o lugar. Já os programas que acontecem em lugares mais isolados, como reservas de conservação natural, preveem trabalho o dia todo, mas com folgas aos finais de semana.

As tarefas realizadas pelos turistas variam, mas quase todos os projetos podem incluir trabalhos mais braçais, como no setor de manutenção ou limpeza da associação beneficiada, em determinado momento. O dia de trabalho começa bem cedo e pode totalizar entre quatro e oito horas de labuta, dependendo do programa.

Voluntária dando uma mãozinha nas aulas no Sri Lanka

Voluntária dando uma mãozinha nas aulas no Sri Lanka (Divulgação/Divulgação)

O que está incluído?

As refeições estão quase sempre incluídas e costumam ser feitas ou dentro do projeto social, ou na acomodação coletiva, junto com outros participantes. Não é raro encontrar pacotes em que o próprio voluntário é responsável por cozinhar.

A hospedagem faz parte de todos os programas. Algumas acomodações podem ser em casa de família, em quarto compartilhado, outras podem ser em residência estudantil e existem ainda as que reservam um alojamento ou uma casa alugada apenas para os voluntários. Todas as acomodações serão básicas e o banheiro é, na maioria dos casos, compartilhado.

A passagem aérea nunca está incluída no valor anunciado. Alguns programas têm passeios guiados, enquanto outros deixam os dias livres à disposição do volunturista, que pode organizar suas viagens por conta própria ou até contratar excursões.

Parque Nacional de Tortuguero, na Costa Rica

Parque Nacional de Tortuguero, na Costa Rica (Divulgação/Divulgação)

Quais são os pré-requisitos?

Para se candidatar a um programa de trabalho voluntário nas agências brasileiras é preciso ser maior de idade, apresentar uma ficha de antecedentes criminais e uma apólice de seguro-viagem.

A grande maioria dos programas também exige que o candidato tenha conhecimento intermediário de inglês – em alguns programas, essa habilidade pode ser substituída por espanhol básico.

Grande parte dos destinos de volunturismo está em zonas tropicais onde ocorre febre amarela. Nesses lugares o Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIVP), emitido pela Anvisa, é uma exigência para ingressar no país.

Legítima herdeira da tribo tupi-guarani

Legítima herdeira da tribo tupi-guarani (Flipefrazao/iStock)

Por que pagar para trabalhar?

Quem escolhe fazer volunturismo quer fazer uma viagem com um propósito, uma causa – e parte do princípio de que conhecer os lugares ajudando outras pessoas é uma experiência altamente transformadora.

A presença de um viajante, mesmo voluntário, em suas dependências gera custos para a organização beneficiada. Gastos com alimentação e hospedagem de voluntários, por exemplo, podem representar uma boa parcela da despesa de várias organizações.

Para não diminuir os investimentos em melhorias para a comunidade, as ONGs repassam às agências de viagem os custos de manutenção desses trabalhadores temporários. A maioria dos programas também inclui uma doação generosa ao projeto escolhido, que tem liberdade para gastar os repasses como bem entender. Em destinos onde raramente há incentivos de empresas ou governos locais, as taxas são essenciais para viabilizar as atividades das entidades.

Leão no Nacional Kruger Park, África do Sul

Leão no Nacional Kruger Park, África do Sul (Utopia_88/iStock)

Dá pra ir por conta própria?

Sim, é possível organizar uma viagem de voluntariado por conta própria, mas o auxílio de operadoras de intercâmbio pode ser essencial para salvar o viajante de cair em uma fenomenal enrascada. Não são raros os relatos na internet de pessoas que vão parar em organizações que vendem gato por lebre.

Na África do Sul, por exemplo, há notícias de supostas reservas de preservação de leões que na verdade não passam de criadouros de animais para caça esportiva. Já no Camboja houve casos de orfanatos que ludibriaram famílias locais a deixarem seus filhos na instituição apenas para atrair voluntários de outros países.

Cabanas de Suazilândia, na África Austral

Cabanas de Suazilândia, na África Austral (Steve_is_on_holiday/iStock)

As operadoras de intercâmbio cobram taxas de serviço, o que pode encarecer o programa, mas a vantagem é que elas garantem a idoneidade das organizações selecionadas. Se ainda assim você preferir se candidatar sem o auxílio de uma empresa brasileira, verifique com bastante atenção o histórico da ONG escolhida.

Para localizar oportunidades confiáveis, procure em sites como o Worldpackers, que oferece, além dos já famosos intercâmbios de trabalho em hostels, oportunidades de voluntariado em instituições de impacto social e em projetos ecológicos. Ou o WWOF, que reúne fazendas orgânicas onde é possível trabalhar como voluntário.

Com que trabalho eu vou?

Para evitar férias inesquecíveis pela tragédia anunciada, comece acertando na escolha. Procure um trabalho voluntário que tenha a ver com as suas expectativas e visão de mundo

-

(Divulgação/Divulgação)

Recuperação de animais ameaçados

É para você que: adora bichos de todos os tipos e tamanhos

Não é para você que: tem nojo de insetos ou não gosta de contato com a natureza

-

(Divulgação/Divulgação)

Orfanatos e creches

É para você que: gosta de crianças e tem muita paciência

Não é para você que: tem coração mole e chora com facilidade – o ambiente por vezes é bem pesado

-

(Sturti/iStock)

Clínicas e hospitais

É para você que: tem interesse na área de saúde e gosta de contato humano

Não é para você que: não pode ver sangue, agulha, cicatriz…

-

(Divulgação/Divulgação)

Pré-escolas

É para você que: curte ensinar e tem energia de sobra para brincar com a criançada

Não é para você que: pode não ter tanta paciência assim com crianças

-

(Divulgação/Divulgação)

Escolas de esportes

É para você que: é atleta de fim de semana e adora esportes coletivos

Não é para você que: está sedentário há anos e não conhece nem a regra do impedimento

-

(Aaggraphics/iStock)

Associações de empoderamento feminino

É para você que: acredita que as desigualdades de gênero precisam ser combatidas em todo o mundo

Não é para você que: não pretende se aprofundar em questões como violência contra a mulher

Quem leva?

CI

A agência leva para lugares na África do Sul, Índia, Tailândia, Sri Lanka, Namíbia, Vietnã e Nepal em projetos na área de esportes, saúde, com foco em trabalhos sociais ou ambientais. Os pacotes incluem acomodação e as refeições durante o período do programa, transfer de chegada, suporte 24 horas, treinamento inicial e certificado de participação.

Rinocerontes nos arredores de Windhoek, capital da Namíbia

Rinocerontes nos arredores de Windhoek, capital da Namíbia (2630ben/iStock)

STB

O trabalho voluntário na Student Travel Bureau é separado em quatro categorias: Animais e vida selvagem; Crianças e adolescentes; Comunidades carentes; e Meio ambiente. Dentro de cada um desses tópicos são oferecidas vários destinos com trabalhos diferentes.

Os pacotes têm pré requisitos: ter a partir de 18 anos; nível de inglês intermediário ou avançado; atestado através do exame no STB; ser flexível a novas culturas e costumes; e não possuir antecedentes criminais.

Passion & Purpose Experience

A P&PE trabalha com expedições programadas e outras flexíveis, no sentido de que podem acontecer várias vezes durante o ano. O destaque fica para a viagem para Portugal para trabalhar no projeto A Avó veio trabalhar, que visa empoderar os idosos e estimular a sua participação na sociedade. A agência ainda faz viagens para o Quênia, Panamá, África do Sul e Índia.

Rua charmosa de Antígua, ilha no Mar do Caribe

Rua charmosa de Antígua, ilha no Mar do Caribe (Thepalmer/iStock)

Experimento

Os pacotes levam a mais de 20 países pelo mundo e incluem Acomodação (hostels, casa de família ou no projeto), transfer, alimentação, suporte e assistência 24 horas por dia, treinamento antes do programa e doação para a ONG escolhida.

Braziliando

O projeto leva turistas voluntários para trabalharem na Amazônia auxiliando comunidades ribeirinhas. O site não dá muitos detalhes de pacotes disponíveis mas deixa o canal de comunicação aberto para mais dúvidas.

Workshop de hena, em Jaipur, Índia

Workshop de hena, em Jaipur, Índia (Divulgação/Divulgação)

EKKOBrasil

A ONG recruta ecovoluntários para trabalhar no Projeto Lontra, em Florianópolis. Situada na Praia da Armação, que fica no sul da ilha, a organização se dedica a monitorar e proteger a população de lontras há mais de 30 anos. A tarefa dos voluntários é ajudar a alimentar os animais e a manter os recintos limpos, mas eles também participam de expedições de caiaque e fazem trilhas na floresta.

Roda Mundo

Com a possibilidade de viajar para trabalhar em preservação de espécies, trabalho com crianças, com idosos, mulheres ou comunidades locais a Roda Mundo leva voluntários para Tailândia, Namíbia, Índia e África do Sul.