Olha o mundo, filho! Ana Claudia Crispim achou que Cinquenta Tons de Cinza definiria a segunda metade da sua vida, mas hoje tem na cabeceira um exemplar de Criando Meninos – o que não quer dizer que tenha desistido de encontrar um Christian Grey. Aqui, ela escreve cartas sobre os seus lugares favoritos do mundo para o pequeno Nando, de 6 anos.

O encanto de San Francisco mora nos detalhes

Vitrines com nomes inspiradores, grafites, fachadas de casas que aguçam a imaginação e me faziam perguntar: como será a vida lá dentro?

Por Ana Claudia Crispim Atualizado em 22 fev 2022, 11h38 - Publicado em 21 fev 2022, 12h37

Ai, filho… San Francisco.

Fachada amarela parcialmente coberta por árvores típica da cidade de São Francisco
O que será que acontece lá dentro? Ana Claudia/Arquivo pessoal

Você estava lá, um menininho de três anos, com uma chupeta azul na boca, cara de tédio, enrolando os cachinhos dourados nos dedos, olhando pela janela do motorhome (que você chamava de “tuturomi”), sem entender a lindeza que era chegar naquela cidade ao som de Tony Bennett cantando I Left My Heart in San Francisco – trilha sonora comandada pelo teu pai, que além de ser um ávido defensor da responsabilidade musical, sempre teve o sonho de conhecer San Francisco, um pedacinho da nossa última viagem em trio.

Pai e filho andando numa calçada em São Francisco. Do lado direito casas típicas da cidade
Pai e filho: um sonho realizado para nunca esquecer. Crédito: Ana Crispim/Arquivo pessoal

Eu poderia falar dos cable cars, do Pier 39, da Lombard Street e sua multidão de pessoas se matando por uma foto. Da Alamo Square, palco de várias filmagens. Do Fisherman’s Wharf, da Golden Gate, de Chinatown, da California Academy of Sciences, do SFMoMA, onde vimos uma das exposições mais legais da vida, a The Chronicles of San Francisco do artista francês JR. Mas eu quero falar das janelas e de outras pequenas coisas banais da cidade.

Mosaico com duas imagens: a primeira com um casal de gatos ilustrados na vitrine de uma livraria. A segunda: uma grade de ferro encobrindo dezenas de bilhetes coloridos
As vitrines… A da direita foi em Chinatown, nunca entendi o que era, fica pra próxima. Crédito: Ana Crispim/Arquivo pessoal

A melhor lembrança que ficou de San Francisco – Frisco para os íntimos, algo que definitivamente (ainda) não sou – foi andar pelas ruas de arquitetura vitoriana, olhar para as janelas das casas e apartamentos com suas luzes acesas, ver as abóboras nos halls dos prédios e entradas de casas (resquícios do Halloween). Imaginei o movimento lento de seus moradores pegando algo pra comer enquanto assistem algo na TV (sempre imensas!) ou ouvindo músicas tocadas em algum toca discos (nada de Spotify). Ou quem sabe tomando um vinho californiano do Coppola ou do Mondavi enquanto olham para a rua através de suas bay windows envidraçadas.

Mosaico de quatro imagens com fachadas típicas da cidade de São Francisco e suas janelas charmosas
Ahhh… as janelas e a imaginação dando piruetas. Crédito: Ana Crispim/Arquivo pessoal

Enfim, a idealização total! Foi esse tipo de devaneio que me fez colocar San Francisco num pedestal. Pra ser perfeita só precisava ser fundida com Berlim. Daí seria o céu pra onde eu gostaria de ir depois de fazer a passagem desta pra uma melhor!

Luminoso escrito GELATO e cardápio de parede em forma de lousa em segundo plano
Um lugarzinho em Little Italy cujo dono é um simpático sujeito vindo de Nápoles. Crédito: Ana Crispim/Arquivo pessoal
Continua após a publicidade

Junte a isso os salões de beleza chineses no bairro de Presidio, uma lavanderia chamada Missing Sock Laundry, (O pé de meia que se perdeu, tem nome mais poético?), o burburinho vindo do interior dos restaurantes, os cardápios despretensiosos em lousas escritas com giz e as vitrines de lojas de decoração exibindo lustres de vidro em formato de gota, que pensei seriamente em trazer na mala. Ah, e os grafites, sempre eles.

As lousinhas fofas e a fachada da lavanderia com o nome mais bem sacado do mundo!
As lousinhas fofas e a fachada da lavanderia com o nome mais bem sacado do mundo! Crédito: Ana Crispim/Arquivo pessoal
Graffiti preto e branco com carro e cenas antigas estampados. Em primeiro plano casal caminhando
Em algum lugar da cidade, grafite com cenas vintage. Crédito: Ana Crispim/Arquivo pessoal
Graffiti extremamente colorido na lateral do bar Vesúvio com uma mulher de cabelos pretos andando.
Mais grafites numa fachada famosinha, o Cafe Vesuvio, a um pulo da famosa livraria City Lights, imortalizada pelos beatniks. Crédito: Ana Crispim/Arquivo pessoal

É isso, filho. As atrações da viagem foram lindas, de verdade, e ainda falaremos delas aqui, na mesa do jantar, nas viagens de carro… Mas as coisas banais ganharam palco especialmente nesta viagem. Foi muita nostalgia, saudades de algo que eu sequer tinha vivido, vontade de voltar pra lá, amarrar meu burro por aquelas bandas e esquecer que existe a iminência de um terremoto varrer com a Califórnia inteira, o tal do Big One.

Criança sentada no chão sobre um círculo estampado no concreto. Ao fundo um lago com patos e um grupo de casinhas
Tá vendo aquelas casinhas lá trás? É lá que eu queria morar, bem em frente ao The Palace of Fine Arts. Crédito: Ana Crispim/Arquivo pessoal

Filhote, não perca a oportunidade de morar em San Francisco, nem que seja por uma temporada relâmpago. E não deixe de andar pelas ruas e fazer o exercício da imaginação. Acho que você vai gostar. Te amo. Pra sempre.

[Leia mais sobre viagens y otras cositas da vida de uma mãe 360º no meu Instagram @rivotrip.oficial]

Leia tudo sobre a Califórnia

Reserve hospedagem em San Francisco

Continua após a publicidade

Publicidade