Arraial d’Ajuda: praias, hospedagem, restaurantes e mais

Site: http://www.arraialdajudaportal.com.br/ População: 11.411 hab DDD: 73 Distância de outras cidades: Porto Seguro: 4 km (mais dez minutos de balsa); Itabuna: 273 km; Teófilo Otoni: 500 km; Vitória: 597 km; Salvador: 728 km

Atenção: a pandemia pode ter afetado o funcionamento de atrações e restaurantes. Antes de sair de casa, pesquise nas redes sociais ou ligue para confirmar o funcionamento 

Por Mirela Mazzola

Basta atravessar o Rio Buranhém de balsa para ver que o distrito de Arraial difere muito de Porto Seguro, a agitada sede do município. Aqui, o movimento é menor, há várias pousadas aconchegantes (e com bom custo-benefício), barracas sossegadas e um agito bem-dosado na charmosa Rua do Mucugê, com bares, restaurantes e lojinhas. No quesito natureza, praias emolduradas por falésias coloridas e piscinas naturais no trecho entre Parracho, Pitinga e Mucugê compõem a paisagem. Além de um ótimo destino para famílias e casais, Arraial é viável para fazer escapadas a outros paraísos do Sul da Bahia, como as desejadas Praia do Espelho, Trancoso e Caraíva. 

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Arraial d’Ajuda, Bahia. (@visitearraialdajuda)

Melhor época para visitar Arraial d’Ajuda

O sol aparece o ano inteiro, mas principalmente entre novembro e março – a chuva também pode dar as caras em qualquer época. No verão e em julho, mês de férias, os preços podem até dobrar. De maio a junho, o sossego prevalece, mas alguns restaurantes e pousadas fecham. A temporada de observação de baleias-jubarte vai de julho a outubro. 

Como chegar à Arraial d’Ajuda

O aeroporto mais próximo fica em Porto Seguro. De lá, é possível pegar um táxi até Arraial (o veículo irá cruzar a balsa) ou até a saída da embarcação no Rio Buranhém. A travessia dura cerca de dez minutos. A partir da balsa de Arraial, micro-ônibus da Águia Azul circulam até o centro. Quem vem de carro pela BR-101 deve pegar a saída para a BR-367 em Eunapólis e rodar 34 km até a saída para a BA-001. A via leva até Arraial D’Ajuda em mais 34 km.

Como circular em Arraial d’Ajuda

Hospedagens, restaurantes e atrações se concentram na Estrada da Balsa e na Rua do Mucugê, mas também há alguma estrutura nas praias mais distantes. A Estrada da Balsa é a via de entrada para quem vem de Porto Seguro e dá acesso direto à praia. Para chegar ao centro, a caminhada é longa, seja pela praia ou pela estrada (o que inclui a subida da falésia), mas táxis e os micro-ônibus da Águia Azul fazem o trajeto ao longo de todo o dia. Na Rua do Mucugê e arredores, circule a pé. Para quem se hospeda nas estradas do Alto Mucugê ou da Pitinga, o mais indicado é estar de carro para se deslocar entre as praias. 

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Arraial d’Ajuda, Bahia. (@visitearraialdajuda)

O que fazer em Arraial d’Ajuda

Praias

Ao sul, Taípe é a praia mais deserta de Arraial, com natureza bem-preservada, mar azul e agitado e falésias coloridas que viraram cartão-postal. O acesso de carro é pela Estrada Velha de Trancoso (25 minutos); a pé é possível chegar depois de uma caminhada de 50 minutos da Praia da Pitinga. O lugar mais exclusivo para se hospedar por ali é o Club Med – leia reportagem completa. Entre as duas praias está um pequeno trecho chamado Lagoa Azul, bom para caminhadas e ladeado por uma falésia. A lagoa que deu nome ao lugar é, na verdade, um poço de lama formado no período das chuvas, que diverte as crianças. Dá para chegar a pé a partir de Taípe (20 minutos) ou Pitinga (25 minutos).

Praia mais badalada de Arraial, a Pitinga tem hotéis, pousadas e barracas pé na areia – há movimento até na baixa temporada. Na maré baixa formam-se piscinas naturais e, em direção à Lagoa Azul, a areia vai ficando mais deserta, banhada por mar calmo e águas quentes. O trecho com recifes continua na Praia do Parracho, onde também há agito e piscinas naturais. O acesso é feito a pé, pela Praia do Mucugê (15 minutos), ou de carro, pela Estrada da Pitinga. 

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Arraial d’Ajuda, Bahia. (@visitearraialdajuda)

A Praia do Mucugê é a mais próxima do centrinho (chega-se a partir da própria Rua do Mucugê), mas a ocupação é tão desordenada e caótica – e Arraial tem tanto trecho de areia melhor e com índice demográfico tão menor – que vale apenas dar uma passada, mas sair em busca de areias melhores.

Mucugê abriga o Arraial d’Ajuda Eco Parque, conhecida atração local. No mar, os recifes dão origem a pequenas piscinas naturais. O nome da Praia dos Pescadores se justifica pelos barcos de pesca coloridos flutuando sobre o mar clarinho. Pouca gente pega praia aqui – para chegar, venha a pé pela Praia do Araçaípe, à esquerda, ou pela Praia do Mucugê, à direita. De carro, há uma rua estreita à esquerda da entrada do Arraial d’Ajuda Eco Parque

A Praia do Araçaípe tem boa estrutura de hospedagem e mar calmo, graças aos recifes que barram as ondas. No canto direito fica o badalado Sting Sport Praia Bar. O lado esquerdo, mais calmo, é ideal para quem está com crianças. Na Praia do Apaga-Fogo, onde também há hotéis, pousadas e barracas, o encontro do mar com o Rio Buranhém marca a paisagem. O mar calmo, com águas escuras, é bom para windsurfe e passeios de caiaque. 

Passeios

Mais famosa atração local, o Arraial d’Ajuda Eco Parque reúne piscinas com e sem ondas, toboáguas, rio lento (que pode ser percorrido de boia ou caiaque), arvorismo e tirolesa em um espaço integrado à natureza. 

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Arraial d’Ajuda Eco Parque (@arraialecoparque)

Para chegar a dois paraísos da região, Caraíva e Praia do Espelho, é possível recorrer ao passeio de van. O roteiro para a Praia do Espelho inclui uma parada em Trancoso, para um passeio pelo charmoso centrinho, conhecido como Quadrado. Os roteiros duram o dia todo e são operados pela Arco Íris Turismo e pela Arraial Trip Experience. Essa última agência promove ainda passeios a aldeias indígenas do povo pataxó, com visitas à Reserva da Jaqueira, em Porto Seguro, ou às chamadas trilhas da “Aldeia Velha”, com um anfitrião pataxó guiando o percurso. 

A parte sul do Parque Marinho do Recife de Fora é rica em corais e pode ser explorada no mergulho com cilindro. O passeio combina a atividade submersa, podendo chegar a até 10 metros de profundidade, com o mergulho livre com snorkel (AquaPlanet Mergulho). 

Entre julho e outubro, época de migração das baleias-jubarte do Polo Sul para o Brasil, é possível vê-las no mar de Arraial. O passeio de barco dura cerca de 4 horas (com boa parte da navegação em mar aberto, atenção para quem costuma ter enjoo) e é acompanhado por uma bióloga marinha (Arraial Trip Experience). 

Hotéis em Arraial d’Ajuda

Na areia da praia estão os hotéis e pousadas de grande estrutura, geralmente frequentados por famílias. Há também um bom número de hospedagens ao longo da estrada que liga a balsa à Rua do Mucugê – ficar nesse trecho significa utilizar van, ônibus, carro ou táxi para ir às praias mais turísticas, como a da Pitinga e do Mucugê, e ao centrinho. O entorno da Rua do Mucugê concentra grande parte das pousadas, muito buscadas por casais. De maneira geral, as diárias caem bastante entre março e outubro (com exceção de julho, mês de férias escolares).

Quem se hospeda no Arraial d’Ajuda Eco Resort tem acesso livre ao Arraial d’Ajuda Eco Parque, além de aproveitar as piscinas do hotel, bangalôs de massagem e um restaurante com vista para o Rio Buranhém, onde ocorre o pôr do sol mais famoso da região. 

Inaugurado no início de 2019, o Kûara trouxe um exemplar de luxo à Pitinga, com spa L’Occitane, heliponto, quadra de tênis, caiaques e pranchas de SUP. As suítes chegam a 136 metros quadrados e metade pode ser transformada em casas privativas para famílias e grupos de amigos.   

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Kûara Hotel (@kuarahotel)

Na Rua do Mucugê, três ótimas hospedagens estão em sequência: o Hotel Maitei é um dos mais charmosos de Arraial, com quartos confortáveis e arejados equipados com hidro (a maioria tem vista para o mar, assim como a agradável piscina). Quase ao lado, no Hotel Paraíso do Morro, o deque da piscina é rodeado pelos charmosos quartos, com decoração clara e varanda com rede (os melhores com camas king-size, hidro e vista para o mar). O Mar Paraíso, por sua vez, abriga a maior piscina e tem unidades com cozinha equipada e saleta de estar (o bangalô deluxe acomoda até 7 pessoas). 

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Maitei Hotel (@maiteihotel)

A Enseada dos Corais Praia Hotel tem acesso direto à Praia do Mucugê, com piscina adulto e infantil em um gostoso gramado e espreguiçadeiras na areia. No Beco do Jegue, a Pousada Vila do Beco tem quartos simples, mas espaçosos e funcionais, e clima de chácara do interior. O mirante e a piscina dão para as praias de Araçaípe e Pitinga.

Na Estrada da Balsa estão os pé na areia Aquarela Praia, com piscina, redário e bar de praia, o Arraial Bangalô Praia Hotel, com sauna e academia, e o Beijamar Praia Hotel, onde passarelas de madeira sobre a água e imersas no verde dão charme à construção – os quartos são dotados de cama com dossel e mosquiteiro e a piscina tem bar molhado. Na altura da Praia de Araçaípe, o Estação Santa Fé Hotel e Pousada fica em uma construção curiosa, com detalhes arredondados, ladrilhos e muita cor – a piscina e as duas hidros próximas ao bar são bastante convidativas. Os graciosos quartos seguem a temática praiana na Pousada Villa Palmeira Azul Suítes de Charme, que tem clima de casa de veraneio e serviço bastante elogiado.

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Hotel Pousada Coqueiros (@pousadacoqueiros)

No simpático Hotel Pousada Coqueiros há uma área com ofurô, maca de massagem e academia (alguns quartos têm mezanino). Já a Beijo do Vento tem uma bela vista panorâmica e não aceita crianças – as acomodações, na medida para casais, têm exemplares com hidro externa de cara para o mar. Um jardim tropical circunda a colorida Villa 2 Santos, em um terreno compacto com piscina e quartos decorados no estilo rústico. O centro também concentra as opções mais econômicas, como o Arraial d’Ajuda Hostel, com quartos compartilhados e privativos e piscina.  

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Pousada Beijo do Vento (@pousadabeijodovento)

Busque mais hospedagens em Arraial d’Ajuda

Restaurantes em Arraial d’Ajuda

Seja na praia ou na região central, os cardápios costumam priorizar peixes e frutos do mar (na baixa temporada, atente ao horário de funcionamento, que pode sofrer restrições). Na hora do almoço, as barracas de praia são boas opções, já que, no centro, boa parte dos restaurantes abre às 15h. As mais famosas são a Barraca do Nel, que serve um gostoso arroz de polvo na Praia dos Pescadores, a bem-estruturada Barraca do Faria, desde 1991 na Praia da Pitinga, a Cabana Grande, com música ao vivo todos os dias no Parracho, e a Uiki Parracho que de tão bombada deu nome à praia – as festas de Carnaval e Réveillon são concorridas. Em Araçaípe, o também badalado Sting Praia Bar recebe DJs. Dentro da charmosa e pé na areia Pousada Rigatoni, o beach club homônimo recebe não-hóspedes com drinques, porções e massas. 

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Barraca do Faria (@barracadofaria)

No rol dos restaurantes, o Morena Flor fica em um salão aberto com luz baixa no centro e serve receitas baianíssimas, como moqueca, acarajé e casquinha de aratu. Para um bem-vindo PF pós-praia, lance âncoras no Paulo Pescador, que funciona há quase 40 anos em uma casa decorada com temas náuticos. Com mesas ao ar livre, o Portinha dispõe um bem-apresentado bufê por quilo, com receitas como o risoto de moqueca, camarão na moranga e lasanha vegana de berinjela e tomate.

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Leandro Possa Moreira (@chefleopossa)

Para dar um tempo nos pescados, vale apostar nos restaurantes de carnes Boi nos Aires, na ativa há 20 anos oferecendo cortes no estilo argentino, e Varanda Mucugê, com menu variado e espaço para a tradicional carne de sol com queijo coalho. Em ambiente mais arrumado na barraca Uiki Parracho, com taças nas mesas e luminárias de palha no salão, o Bistro D’Oliveira aposta em receitas clássicas, como o carré de cordeiro com vinho tinto, a lagosta grelhada e o risoto de camarão. No menu italiano do Don Fabrizio os pescados são destaque em receitas como o pappardelle caseiro com camarões flambados e o carpaccio de polvo. Aberto a partir do meio-dia, o Manguti é especializado em nhoque – há variações como molho poivre, madeira e de carne de panela, além dos tradicionais sugo e bolonhesa (também há pratos executivos para duas pessoas). Para encontrar pizzas no estilo napolitano, aquelas em tamanho individual e com borda alta, rume para a Pizzeria Napoletana da Luigi. 

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Restaurante Paulo Pescador (@restaurantepaulopescador)

Sugestão de roteiro

Vale programar entre cinco dias e uma semana para visitar Arraial. Nos primeiros, percorra a orla entre Apaga-Fogo e Pitinga, a mais movimentada praia do distrito, e eleja sua favorita. O almoço pode ser em uma das barracas, como a do Faria, bem-estruturada para famílias com crianças, ou nas mais badaladas, como a Uiki Parracho, onde está a cozinha do Bistro D’Oliveira. Depois que o sol se for, não há outro destino senão a Rua do Mucugê (jantar na Morena Flor ou na Varanda Mucugê pode ser uma opção).

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por 🌺Arraial Trip EXPERIENCE 🌺 (@arraialtripexperience)

Com mais tempo, é uma boa reservar um dia inteiro para ir a Taípe, a praia mais preservada, a 14 quilômetros do centro, e outro para a Pitinga. Para uma pausa nos banhos de sol e mar, inclua no roteiro visitas ao Arraial d’Ajuda Eco Parque e seus enormes toboáguas ou às aldeias indígenas da região. Depois dos passeios, os PFs do Paulo Pescador costumam cair bem.

A partir do quarto dia, extrapole as fronteiras de Arraial e embarque nos passeios de van até as lindas praias ao sul: Trancoso, Caraíva e Praia do Espelho. Se a viagem for entre os meses de julho e outubro, tente encaixar o passeio de barco para ver as baleias-jubarte. Em qualquer época do ano, o mergulho com cilindro no Parque Marinho do Recife de Fora é uma boa pedida. Para uma noite mais agitada, a Passarela do Descobrimento, em Porto Seguro, está a uma balsa de distância. 

Leia tudo sobre a Bahia

Publicidade