Lisboa e o maravilhoso mundo do azulejo

Rotas especiais traçadas por especialistas levam a alguns dos exemplares mais espetaculares da arte decorativa que é a cara de Portugal

Edifício decorado com azulejos do início do século 20 na Rua das Janelas Verdes, 70-78 Edifício decorado com azulejos do início do século 20 na Rua das Janelas Verdes, 70-78

Edifício decorado com azulejos do início do século 20 na Rua das Janelas Verdes, 70-78 (Zest Books/Divulgação)

Eles estão por todo canto: enfeitando as fachadas das casas, bordando placas de ruas, colorindo muros, decorando interiores de estações, palacetes, igrejas… Marca registrada de Portugal, os azulejos são tão abundantes em Lisboa que a capital é conhecida como a Cidade de Cerâmica.

De origem árabe (basta lembrar que a Península Ibérica esteve sob domínio mouro entre os séculos 8 e 15), os azulejos começaram a ser usados na decoração na época áurea das grandes navegações, por volta dos anos 1.500. Séculos mais tarde a técnica se popularizou e deixou os ambientes mais elitistas para se espalhar por todo canto.

Painel que reveste a fachada da loja Viúva Lamego, no Largo do Intendente Pina Manique Painel que reveste a fachada da loja Viúva Lamego, no Largo do Intendente Pina Manique

Painel que reveste a fachada da loja Viúva Lamego, no Largo do Intendente Pina Manique (Zest Books/Divulgação)

Lisboa tem um museu inteirinho dedicado ao tema, o Museu Nacional do Azulejo, em Alfama/Xabregas, que contar parte desta história. Quem quiser mergulhar no tema tem agora mais uma ajuda: acaba de ser lançado o livro de fotografias Azulejo em Lisboa (128 páginas, € 24), da editora Zest, um compilado de alguns dos mais emblemáticos painéis e fachadas da cidade.

A capa do livro: bela curadoria dos mais bonitos azulejos da cidade A capa do livro: bela curadoria dos mais bonitos azulejos da cidade

A capa do livro: bela curadoria dos mais bonitos azulejos da cidade (Zest Books/Divulgação)

Veja também

O conteúdo está dividido por períodos cronológicos e visita de edifícios residenciais a anúncios publicitários históricos. O melhor? Ele é acompanhado de um guia de bolso com percursos por regiões turísticas da cidade, com mapinhas especiais. Assim, é só escolher o destino (que pode ser a Baixa-Chiado, o Bairro Alto e o Parque das Nações), seguir o roteiro e se preparar para bater perna – além de fazer muitos cliques!

Reserve a sua hospedagem em Lisboa com o Booking.

Comentários

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.