Além-mar Rachel Verano rodou o mundo, mas foi por Portugal que essa mineira caiu de amores e lá se vão, entre idas e vindas, quase dez anos. Do Algarve a Trás-os-Montes, aqui ela esquadrinha as descobertas pelo país que escolheu para chamar de seu

Tudo que você precisa saber sobre os riads, os hotéis em Marrocos

Entenda o que são os riads, construções típicas e cheias de surpresinhas que se tornaram a maneira mais autêntica de se hospedar em Marrakesh

Por Rachel Verano Atualizado em 26 jun 2017, 16h23 - Publicado em 25 jun 2017, 19h48

Marrakesh tem hotéis cinco estrelas, tem resorts, tem complexos enormes cheios de mimimis e tudo mais que um viajante pode esperar das melhores hospedagens do mundo.

Mas para mim nada se compara aos riads.

Quem der uma busca despretensiosa na internet por hospedagem no país vai ser bombardeado milhares de vezes por esta palavrinha mágica, a maneira mais autêntica de se hospedar por lá.

Detalhe de porta do lado de fora: o pouco que se vê
Detalhe de porta do lado de fora: o pouco que se vê Bruno Barata/Reprodução

Mas, afinal, o que são riads?

São as moradias dentro da medina, nome dado os centros históricos das cidades do Marrocos.

Divando na porta do meu quarto: tudo se abre para um pátio central
Divando na porta do meu quarto: tudo se abre para um pátio central Bruno Barata/Reprodução

Riads são palácios?

Nem sempre. Eles podem variar de casas a palacetes; a designação tem mais a ver com a localização e algumas características arquitetônicas.

Tapeçaria, velas, cores quentes: como a casa de um amigo (marroquino, claro)
Tapeçaria, velas, cores quentes: como a casa de um amigo (marroquino, claro) Bruno Barata/Reprodução

É fácil identificá-los?

Nem sempre. Um riad se fecha para totalmente o exterior – do lado de fora o que se vê é praticamente um muro alto e uma discreta porta de entrada.

O rooftop: quase sempre uma deliciosa surpresa
O rooftop: quase sempre uma deliciosa surpresa Bruno Barata/Reprodução

E do lado de dentro?

Costumam ser verdadeiros oásis. Se estruturam em volta de um pátio central, onde há geralmente fontes e árvores, para onde os quartos de abrem. Isso contribui para que o ambiente fique sempre fresquinho (fundamental no calor local).

Espreguiçadeiras: relax providencial no meio da agitação
Espreguiçadeiras: relax providencial no meio da agitação Bruno Barata/Reprodução

Ao voltar da minha terceira incursão por um riad marroquino, listo ainda algumas vantagens:

Piscininha colada nas muralhas da cidade: uma miragem
Piscininha colada nas muralhas da cidade: uma miragem Bruno Barata/Reprodução
  1. O atendimento é invariavelmente simpático – e muitas vezes personalizado
  2. Os ambientes são superaconchegantes
  3. Tem-se um contato direto com a cultura local, já que muitas vezes são hospedagens administradas por famílias
  4. A comida costuma ser autêntica e gostosa, como se você estivesse na casa de um amigo
  5. Os terraços sempre surpreendem, com espreguiçadeiras, guarda-sóis, lounges e até piscinas
  6. Por estarem dentro da medina, as melhores atrações estão a curtas caminhadas
  7. Os preços são imbatíveis. Enquanto os hotéis cobram preços internacionais, os riads se aproximam bem mais da realidade local. Um bom quarto em uma opção com piscina e café da manhã pode custar menos de € 50. 
A Praça Jemaa-el-Fna, o coração de Marrakesh: a uma curta distância
A Praça Jemaa-el-Fna, o coração de Marrakesh: a uma curta distância Bruno Barata/Reprodução

*As fotos que ilustram este post são do Riad Carina, em Marrakesh, onde me hospedei por três dias em junho.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade