Coronavírus: brasileiros narram o desconfinamento em Portugal

Praia, restaurante, padaria… Como está sendo o “novo normal” em Lisboa e arredores com o fim da quarentena absoluta

O elétrico 28 pelas ruas do centro lisboeta: como vai ser o “novo normal”?

O elétrico 28 pelas ruas do centro lisboeta: como vai ser o “novo normal”? (Bruno Barata/Reprodução)

Portugal começou o mês de maio aliviando a quarentena, depois de um mês e meio de lockdown, quando só era permitido sair de casa para atividades consideradas essenciais, como ir ao supermercado, à farmácia, ao médico e fazer exercícios físicos. Na primeira fase do desconfinamento, que durou do dia 4 ao dia 17, reabriram as pequenas lojas, salões e barbearias. Mas esta foi a semana mais aguardada – desde a última segunda-feira, dia 18, os restaurantes e cafés têm permissão para abrir as portas (com 50% da capacidade e observando todas as regras de higiene e segurança), os museus e atrações voltaram a funcionar, as aulas para os alunos dos 11º e 12º anos retornaram (para os demais a escola segue virtual até o final do período letivo) e já é permitido ir à praia. Finalmente a vida começa a dar indícios de ir voltando ao normal, enquanto as pessoas vão redescobrindo como se adaptar à nova realidade. A seguir, oito brasileiros que vivem em Lisboa contam como têm encarado a semana cheia de novidades e o que já se permitiram fazer do lado de fora de casa.

Hermés e Feijão: praia e nova consciência de consumo

Hermés e Feijão: praia e nova consciência de consumo (Arquivo pessoal/Arquivo pessoal)

Hermés Galvão, 45 anos, do Rio de Janeiro
O jornalista carioca aproveitou a quarentena para mudar de casa em Lisboa e adotar um cachorro, o Feijão. Desde que passou a ser permitido ir à praia, é para a beira-mar que eles fogem, sempre rumo a areias vazias, mesmo que isso signifique mais de uma hora de viagem. “É o lugar mais seguro e mais saudável para estar”, diz ele, já bronzeado como só um carioca consegue depois de um longo inverno e uma primavera entre quatro paredes. Hermés também adotou como prática no dia a dia o consumo em quitandas portuguesas do seu bairro e a preferência por produtos nacionais e de pequenos produtores. “As pessoas têm que procurar entender o desconfinamento como uma nova resolução de vida”, diz ele. “Quem vai para a fila da Zara não aprendeu nada!” Da única experiência de jantar fora esta semana, ele constatou: “está triste, não tinha mais ninguém nas tasquinha.”

Marcia no Palácio da Pena, em Sintra: vazio pela primeira vez!

Marcia no Palácio da Pena, em Sintra: vazio pela primeira vez! (Arquivo Pessoal/Arquivo pessoal)

Marcia Bueno Netto, 60 anos, de São Paulo
“Escolhi o primeiro dia do desconfinamento para ser especial”, diz a designer de interiores, moradora de Lisboa há um ano e meio, que acordou cedo na segunda-feira e foi, acompanhada do marido e da sobrinha, passar o dia em Sintra. Depois de quase dois meses saindo para ir apenas ao supermercado esporadicamente, ela confessa que estranhou a liberdade. “No começo fiquei me sentindo culpada”, diz ela. “Mas o dia estava tão bonito que, chegando lá, foi maravilhoso, me senti livre e tão feliz que até me esqueci do vírus! Desde março que não me sentia assim!” O passeio, sempre de máscara nos lugares fechados, começou com uma visita ao icônico Palácio da Pena e seguiu pelo Castelo dos Mouros, o Palácio Nacional e o Chalet da Condessa d’Edla, as principais atrações da cidade no alto da serra. O melhor? Com a ausência dos estrangeiros, estava tudo vazio. “Até o Palácio da Pena, que sempre tem filas enormes, tinha pouquíssima gente. Isso acabou permitindo um outro olhar, vi tudo de outra forma, com mais calma, prestando mais atenção aos detalhes!” 

Maria em sua hamburgueria favorita em Lisboa: de máscara até a comida chegar!

Maria em sua hamburgueria favorita em Lisboa: de máscara até a comida chegar! (Arquivo Pessoal/Arquivo pessoal)

Mariana Gentile, 35 anos, de São Paulo
Moradora de Lisboa há 4 anos, a profissional de RH foi convencida pelo marido (português, piloto da TAP) a sair logo no primeiro dia. “Ele já estava ansioso e achava fundamental voltar logo à normalidade tanto pela nossa sanidade mental quanto pela economia”, diz ela, que acabou aceitando o convite para ir jogar padel e, depois, passear pela cidade. Eis que no meio do caminho passaram em frente à sua hamburgueria favorita e resolveram entrar. “Nos pediram para limpar as mãos com álcool gel na entrada e ficar de máscara até a nossa comida chegar; na hora de fazer o pedido, o cardápio foi substituído por um QR code que lemos com os nossos próprios celulares”, conta Mariana. “Foi estranho, não tinha aquela agitação característica; estava vazio e frio, foi triste. Ao mesmo tempo, foi bom ter a sensação de que vamos voltar ao normal – mas não foi normal!”

Marco Hennies: de volta ao seu ritual de café da manhã na padaria do bairro

Marco Hennies: de volta ao seu ritual de café da manhã na padaria do bairro (Arquivo Pessoal/Arquivo pessoal)

Marco Hennies, 54 anos, de São Paulo
Se tinha uma coisa que o relações públicas fazia religiosamente todos os dias havia tempos era começar o dia com um café da manhã na padaria perto de sua casa no bairro do Príncipe Real, em Lisboa. Cheio de saudades de seu croissant tipo brioche recheado com queijo e presunto, seu suco de laranja e seu café expresso, foi para lá que ele correu logo cedo na segunda-feira. “Encontrei um salão completamente vazio e um ambiente extremamente limpo – nem as migalhinhas de pão no chão, tão comuns numa padaria, estavam lá”, diz ele, que teve que usar uma máscara e higienizar as mãos com álcool gel antes de entrar. “Adorei poder voltar ao meu ritual para começar o dia!” Cauteloso, Marco conta que é a única “aventura” que se permite no dia a dia desde então, além de ter ampliado um pouco mais suas caminhadas diárias – agora, já não se limita aos arredores de casa e anda um pouco mais até dar de cara com o Tejo, para depois voltar com calma pelas praças do centro de Lisboa.

Maria Tereza à beira-Tejo: esplanada sim, praia não

Maria Tereza à beira-Tejo: esplanada sim, praia não (Arquivo Pessoal/Arquivo pessoal)

Maria Tereza de Iuliis, 50 anos, de São Paulo
Depois de 60 dias em casa, a consultora de turismo não imaginava que ia sair tão cedo, mas a terça-feira amanheceu um dia lindo de sol e calor e a família resolveu ir à praia. Antes de se acomodar na areia, ela decidiu comer alguma coisa no bar em frente. “Coisas pequenas deixam as pessoas tão felizes. Quase chorei ao ver as pessoas nas esplanadas!”, diz ela. “Mas no começo teve todo um estranhamento. Entrei de máscara, tinha um caminho para entrar e outro para sair da varanda. O menu, de plástico, era higienizado o tempo todo pelos funcionários. Foi bizarro ver gente molhada, de sunga, entrando de máscara para buscar alguma coisa.” Da experiência na praia, propriamente dita, ela não gostou. “Me senti insegura e incomodada, tinha gente jogando vôlei, futebol, sem noção! Tava tudo muito normal, eu gosto de regras!”

Daniela e os dois filhos: desafio é convencer a sair de casa

Daniela e os dois filhos: desafio é convencer a sair de casa (Arquivo Pessoal/Arquivo pessoal)

Daniela de Lacerda Monteiro, 48 anos, do Rio de Janeiro
Daniela mora com o marido e os dois filhos, de 9 e 12 anos, em uma casa com piscina em São Pedro do Estoril, a poucos minutos de distância de Cascais. Com todo o “respiro” que precisavam dentro de casa, a família se confinou desde o início da quarentena, sem ver ninguém e limitando até mesmo as idas ao supermercado. Nos últimos dias, a jornalista convenceu a família a fazer uma pequena caminhada até a praia. O objetivo era comprar um pastel de nata e voltar, mas, mesmo estando todos de máscara, as crianças não gostaram e pediram para voltar o tempo todo. “No meio do caminho meu filho mais novo me disse: ‘mãe, estou com a sensação de que estou fazendo alguma coisa errada’”, diz ela. “Não imaginei que a pandemia tivesse este impacto emocional sobre eles.” Desde então, ela vem propondo novos passeios, mas eles não querem. “Vai ser o nosso primeiro grande desafio agora!”

Adriana: café, restaurante, aula… aos poucos vai ganhando confiança

Adriana: café, restaurante, aula… aos poucos vai ganhando confiança (Arquivo Pessoal/Arquivo pessoal)

Adriana Moraes, 56 anos, de São Paulo
Adriana começou o desconfinamento de pouquinho em pouquinho, dando pequenos passos. “Primeiro fui ao cabeleireiro, logo no primeiro dia, e me senti muito segura. Depois, ao café. Depois, à acupuntura. Eu ficava repetindo: ‘tenho que voltar, não posso ficar com medo. Aos poucos, fui ganhando confiança”, diz ela, que já voltou também a frequentar restaurantes no seu bairro, o Campo de Ourique, dando preferência pelos lugares que já eram velhos conhecidos seus. Sua maior preocupação? “Ajudar as pessoas e ajudar Portugal. Temos a obrigação de ajudar o país a voltar.” A empresária já retomou, inclusive, as aulas de seu curso de confeitaria. As práticas de segurança são as suas maiores aliadas no processo. “A turma foi dividida pela metade, usamos máscara o tempo todo e ficamos cada um de um lado da bancada, para manter a distância oficial”, diz ela.

Carla: quase nada mudou

Carla: quase nada mudou (Arquivo Pessoal/Arquivo pessoal)

Carla Pirahy, 49 anos, do Rio de Janeiro
Pouca coisa mudou na vida da advogada desde o fim do lockdown. “Estou sendo mais conservadora, não estou nem sentindo vontade de frequentar ambientes fechados”, diz ela. Por enquanto, nada de restaurantes, cafés ou lojas. Nem aos deliveries de comida a família sucumbiu. “O máximo que fizemos foi pedir um McDonald’s pelo Uber para o meu filho, que estava com muita vontade!” Nas últimas semanas, Carla aumentou a frequência com que vai ao escritório para duas ou três vezes por semana e levou o filho ao barbeiro para cortar o cabelo pela primeira vez, uma situação que achou “surreal”, com ambos de máscara. “Eu fiquei muito satisfeita com tudo o que o governo fez e fico com a sensação de não querer estragar tudo”, diz ela. “Mas ao mesmo tempo vivo numa dualidade – sei que temos que retomar as atividades, até do ponto de vista econômico!”

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s