Como curtir os festivais de Paraty sem gastar muito

De hospedagens a passeios, veja como aproveitar a cidade mesmo em épocas de eventos inflacionados

FLIP, Bourbon Festival, Festival da Cachaça, Cultura e Sabores… se tem um lugar que pode ser chamado de cidade dos festivais, esse lugar é Paraty. Não à toa, muita gente aproveita o calendário de festas para visitar a cidade, em muitos casos pela primeira vez.

Eu, por exemplo, já fui três vezes para Paraty (em 2016, 2017 e 2018), em todas durante a FLIP, quando a cidade lota de apaixonados por literatura e os preços costumam subir.

Não falam que universitário está sempre duro? Pois eu, universitária que sou, tentei aproveitar a cidade e a FLIP reduzindo os gastos, especialmente na segunda e terceira visitas, quando já sabia um pouco mais das coisas. Por isso, aprendi algumas coisinhas para não gastar muito quando estivesse curtindo os festivais e a cidade, que compartilho com vocês:

1. Reserve com antecedência

É aquela velha história: como a procura por hospedagens aumenta em épocas de eventos, os hotéis costumam inflacionar os preços, ainda mais à medida em que os festivais vão se aproximando. Além disso, ao reservar de última hora, aumentam as chances de você ficar sem quarto ou perder os hotéis mais baratos. Então, aproveite que o calendário dos festivais costuma ser divulgado com bastante antecedência e se planeje para conseguir boas hospedagens a bons preços.

 (Celli07/iStock)

2. Aposte nos hostels e Airbnbs

Paraty tem vários hostels bacanas para você se hospedar durante os festivais, com bom custo-benefício. Na minha primeira vez lá, fiz tudo meio de última hora e mesmo assim paguei 270 reais por quatro dias em um quarto compartilhado no Vibe Hostel (que é charmosinho e fica a cerca de 10 minutos à pé do Centro Histórico), com café da manhã, por exemplo. Outra opção legal e mais próxima do Centro Histórico é o Che Lagarto Hostel, que eu já encontrei por um bom preço para os dias da FLIP se reservado com uns 4 meses de antecedência.

Além dos hostels, também vale apostar no Airbnb se você vai para Paraty com uma turma grande. Em 2017 e 2018, fiquei em uma casa gostosa perto da Praia do Pontal (a 5 minutos à pé do Centro Histórico), que acomodava 10 pessoas tranquilamente e em 2017, quando dividimos a casa em 9 pessoas, cada uma pagou 285 reais, por cinco diárias – fora a economia que tivemos ao comprar algumas coisas no supermercado e cozinhar lá na casa! Veja dicas para aproveitar melhor o Airbnb nesse post aqui.

Procure mais hospedagens em Paraty aqui

3. Procure lugares baratos onde comer

Eu percebi, durante minhas idas para a FLIP, que almoçar e jantar no Centro Histórico não era algo muito barato na maioria das vezes. Fora dessa região, os preços tendem a ser mais baixos, mas se você não tem como se deslocar demais (meu caso, já que eu estava à pé), consegue encontrar opções mais em conta pelo Centro Histórico também.

Logo depois da ponte do Centro Histórico, na Rua da Comércio, o Taberna Paraty tem um self-service gostoso a preços justos. Já o Celeiro Armazém Tropical, na mesma rua, serve ótimos pratos a partir de R$ 28,90 – eu comi um peixe com risoto à primavera delícia por esse preço. O Café Pingado é uma boa opção para o café da manhã e com cerca de 20 reais dá para comer PFs gostosos de bife, frango e peixe no Restaurante Quero Mais.

4. Aproveite os passeios gratuitos

Os festivais de Paraty costumam ter muitas atividades gratuitas super bacanas, então se jogue nelas!

Na FLIP, as casas paralelas, que mudam anualmente, têm excelentes programações gratuitas, muitas vezes com autores das mesas principais (o que é ótimo para conseguir autografar seus livros sem esperar nas filas de autógrafos pós-mesas). Além disso, dá para assistir as mesas principais de graça pelo telão da praça, onde muitas vezes há até mesmo os fones de tradução simultânea que existem dentro da tenda.

No Bourbon Festival Paraty, festival de jazz e blues da cidade, as apresentações musicais são todas gratuitas e ocorrem tanto em palcos como no meio das ruas, assim como no Festival Mimo, com shows, exibições de filmes cujo tema central é a música e outras atividades, inteiramente grátis.

 (jantroyka/iStock)

O festival de fotografia Paraty em Foco tem exibição de filmes em um telão na Praça da Matriz e um circuito gratuito de exposições fotográficas, além de uma extensa programação paralela. Já no Festival da Cachaça, Cultura e Sabores é possível degustar cachaças e curtir várias apresentações musicais de graça.

Mais Paraty

Se, além de curtir a programação dos festivais, você também quiser fazer outros passeios na cidade, algumas boas opções para aproveitá-la sem gastar muito são:

1. Free Walking Tour

Este tour à pé pelo Centro Histórico visita lugares importantes para a história de Paraty e vai contando fatos curiosos da cidade e é uma ótima opção para quem quer mais sobre ela. Não é exatamente gratuito –  a contribuição é voluntária e você pode dar o quanto acha que o passeio valeu. O passeio começa na Praça da Matriz, em dois horários, às 10h30 em português e às 17h em inglês.

2. Passeios de barco

São várias as agências da cidade que oferecem passeios de barco pelas ilhas e praias da região, mas eles costumam ser mais caros. Os preços variam de acordo com o passeio e a capacidade dos barcos e a dica é ir até o cais ou à ponte do Centro Histórico para conversar direto com os barqueiros e conseguir valores melhores.

Em 2017, eu e 8 amigas pagamos cerca de 35 reais cada uma em um passeio de 2 horas por algumas ilhas da região, com direito a parada para banho, em um barco exclusivo para nós, conversando com um barqueiro na ponte do Centro Histórico.

 (xeni4ka/iStock)

E, claro, vale a velha regra de pesquisar bastante e pechinchar, para achar o passeio que você quer fazer no menor valor possível!

3. Passeios pela região usando ônibus

Além dos passeios de barco, é possível conhecer as praias da região pegando ônibus a partir da rodoviária de Paraty. A passagem para o vilarejo de Trindade, por exemplo, custa R$ 4,25 e lá, você encontra lindas praias, trilhas e piscinas naturais. Este é o mesmo valor do ônibus até Laranjeiras, de onde sai a trilha para a Praia do Sono. Também existem ônibus para Penha, usados por quem quer pegar a trilha para a Cachoeira do Tobogã e para Paraty-Mirim, uma praia bonita onde há uma aldeia indígena.

Veja também

4. Degustações de cachaças locais

A cachaça é o produto típico de Paraty – não à toa, um dos festivais mais famosos da cidade é o Festival da Cachaça, Cultura e Sabores – e lá existem vários alambiques que produzem a bebida. Um dos passeios bacanas para se fazer na cidade é visitar esses alambiques e degustar as cachaças artesanais.

Os alambiques Engenho d’Ouro, que fica perto da Cachoeira do Tobogã, Pedra Branca, Paratiana e Destilaria Engenho d’Água (da Cachaça Coqueiro) são alguns abertos a visitação e degustação, geralmente gratuitas.

Também é possível degustar as cachaças em lojas do Centro Histórico que vendem o produto, como o Armazém da Cachaça.

 

Comentários

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.