Sul da Itália: Matera, uma preciosidade da Basilicata

Uma das cidades mais antigas, lindas e surreais do mundo tem casas escavadas em rochas e já foi cenário de muitos filmes

Recentemente, o fato de ser a Capital da Cultura Europeia em 2019 e de ter sido utilizada como uma das locações para a ilha fictícia de Themyscira no filme Mulher-Maravilha (2017) colocaram alguns holofotes sobre Matera. Ainda assim, ela ainda está longe de entrar para a lista de lugares mais visitados pelos turistas na Itália, principalmente porque é difícil encaixá-la num roteiro clássico pelo país: a cidade fica em Basilicata, uma das regiões menos conhecidas da Bota.

O gostoso de Matera é se perder pelas ruazinhas

O gostoso de Matera é se perder pelas ruazinhas (Chatst2/Pixabay)

A solução que eu encontrei foi aproveitar uma viagem maior pela Puglia para dirigir por uma hora e meia de Bari até Matera. E, por mais contraditório que pareça, Basilicata acabou sendo o ponto alto da minha viagem para a Puglia. À primeira vista, Matera não se diferencia muito de outras cidades italianas porque tanto o trem quanto os ônibus e os carros te deixam na zona mais nova da cidade. Mas é só caminhar até a beira da Piazza Vittorio Veneto para dar de cara pela primeira vez com os tais sassi, Patrimônio Mundial da Unesco.

Busque hospedagens em Matera

Então vamos lá: sassi é o plural de sasso, que significa “rocha” em italiano. No caso de Matera, esse foi o nome dado aos dois bairros históricos da cidade, o Sasso Caveoso e o Sasso Barisano, cujas construções foram escavadas na rocha. Tudo começou ainda na pré-história, quando as cavernas naturais serviam de moradia para os primeiros homens. Pouco a pouco, essas casas foram ficando mais elaboradas e, hoje, Matera é considerada uma das cidades continuamente habitadas mais antigas do mundo.

A Mulher-Maravilha esteve por aqui

A Mulher-Maravilha esteve por aqui (Chatst2/Pixabay)

Isso significa que passear por ali é uma verdadeira viagem no tempo. No Parco della Murgia Materana, nos arredores da cidade, você encontra cavernas que foram ocupadas no Paleolítico, como a Grotta dei Pipistrelli, ruínas de um vilarejo neolítico, e uma centena de igrejas de pedra, algumas delas decoradas com afrescos e gravuras. Visto de longe, o parque até me lembrou um pouco a Capadócia, que também é cheia de cavernas transformadas em casas e igrejas.

Veja também

Já no Sasso Caveoso e no Sasso Barisano, mesmo o passeio mais despretensioso já te coloca diante de uma mistura de habitações quase que completamente escavadas na rocha com casas antigas, mas que foram totalmente reconstruídas. Algumas poucas, inclusive, já se converteram em restaurantes, pousadas e lojas de souvenir, mas ainda não são tão numerosas a ponto de tirar o charme do lugar.

Mesmo com o turismo, Matera segue autêntica

Mesmo com o turismo, Matera segue autêntica (Turkish414/Pixabay)

Justamente por isso, a cidade serviu de locação para vários filmes bíblicos, incluindo A Última Tentação de Cristo (1988), A Paixão de Cristo (2004) e Ben-Hur (2016). Estive em Israel dois meses antes de conhecer Matera e foi só na Itália que eu encontrei a Jerusalém que eu idealizava em termos de cenário. Enquanto a real Jerusalém é um tanto apinhada e tomada por vendedores de lembrancinhas sagradas, Matera segue bastante autêntica e é parecida o suficiente com os locais por onde Cristo teria passado.

E não é que Matera parece com Jerusalém antiga?

 (Bárbara Ligero/Arquivo pessoal)

Sendo assim, Matera é uma atração turística em si, mas um roteiro não tão solto deve incluir pelo menos as principais igrejas da cidade, cada uma construída em uma época e estilo. Há desde construções integradas com as rochas, como é o caso das igrejas Dell’Idris Madonna, San Giovanni Monterrone e San Pietro Barisano, até a românica Cattedrale di Matera e a barroca Chiesa di San Francesco d’Assisi.

Veja também

A Chiesa di San Giovanni Battista também chama atenção por misturar influências árabes e medievais, mas as minhas favoritas foram de longe a Chiesa di San Pietro Caveoso, que aparece no filme Mulher-Maravilha (2017), e a Chiesa di Sant’Agostino, pelas vistas que ela proporciona de Matera. Não se assuste com a distância entre as atrações: tudo parece mais longe do que de fato é. Porém, é preciso estar preparado para muitas subidas e descidas!

Busque hospedagens em Matera

Mostrei o passeio por Matera nos stories do meu Instagram: @barbara.ligero

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s