Piacere, Itália! Depois de passar um mês rodando a Toscana, Bárbara Ligero caiu de amores pela terra da bota e se matriculou em um curso de italiano. Atualmente, está aprendendo a gesticular com perfeição

Sob o Sol da Toscana: as lindinhas Arezzo e Cortona

Cenários de filmes, as duas cidades ficam a apenas 30 quilômetros uma da outra e dão um ótimo bate e volta desde Florença

Por Barbara Ligero Atualizado em 5 fev 2020, 16h37 - Publicado em 23 jan 2018, 19h02

Conforme eu já escrevi aqui antes, há uma série de cidadezinhas da Toscana que podem ser visitadas em passeios de bate e volta desde Florença. Quase na fronteira com a Úmbria, Arezzo e Cortona ficam bem próximas uma da outra e cabem tranquilamente em um único dia, esteja você de carro ou de trem.

Assim como outras cidades toscanas, as duas possuem belas vistas, construções históricas e ruazinhas estreitas. O que as diferencia das demais é a quantidade de turistas. Enquanto Lucca e San Gimignano, por exemplo, são visitadíssimas, em Arezzo e Cortona eu vi bem mais italianos do que estrangeiros passeando.

Sorte de que estiver lá, visto que as duas são charmosíssimas – e fáceis de conhecer. Veja uma sugestão de roteiro a seguir:

Arezzo

As bandeirolas da Piazza Grande, em Arezzo José Bodalo/Flickr

Como chegar: Arezzo fica a 82 quilômetros de Florença, viagem que leva cerca de uma hora de carro. Para quem vai de trem, a melhor opção é pegar um regionale, que faz o trajeto em 1h20 (escrevi um manual completo sobre trens aqui). A estação de Arezzo fica bem próxima do centro da cidade – basta sair pela porta principal e seguir em linha reta.

O que fazer: Antes de tudo, assista ou reveja A Vida é Bela, de Roberto Benigni. Boa parte do filme foi filmado em Arezzo e será uma delícia reconhecer os cenários durante o passeio.

Saindo da estação de trem, siga reto por cerca de dez minutos até a Basilica di San Francesco. Sua fachada é bastante austera, mas o interior guarda uma série de afrescos do famoso Piero della Francesca. Outro renascentista que passou pela cidade foi o pintor e arquiteto Giorgio Vasari, cuja antiga residência é hoje o Museo Casa Vasari, aberto para visitação.

Passando a pequenina Chiesa di San Domenico, que fica em uma pracinha digna de cidade de interior, continue até a imponente Cattedrale dei Santi Pietro e Donato, o Duomo di Arezzo. Um pouco mais adiante fica o Palazzo Pretorio, um exemplo de edifício medieval com a fachada adornada por emblemas de famílias nobres.

Mas a surpresa mais agradável na cidade, para mim, foi o Passeggio del Prato, espécie de parque com vistas belíssimas para a região. Logo ao lado fica a Fortezza Medicea, fortaleza construída a mando dos Medici (sempre eles) para proteger a cidade.

Vendedor de antiguidades na Piazza Grande, em Arezzo Anguskirk/Flickr

Depois de descer uma escadaria, você se verá diante da beleza inclinada da Piazza Grande. Ali acontece uma das principais festas da Toscana, a Giostra del Saracino, em que representantes dos diferentes bairros de Arezzo vestem trajes medievais e duelam entre si.

Caso sua visita não coincida com o terceiro sábado de junho e nem com o primeiro domingo de setembro, contente-se em ver as bandeirolas dos “times” penduradas nos vários palácios que cercam a praça. Também ão deixe de dar uma olhadinha na fachada da Chiesa di Santa Maria della Pieve – curiosamente, a igreja está de costas para a Piazza Grande.

Se sobrar tempo, não muito longe da estação de trem fica o Museo Archeologico, que guarda relíquias do período etrusco, e as ruínas de um antigo Anfiteatro Romano.

Continua após a publicidade

Busque hospedagens em Arezzo no Booking

[googlemaps https://www.google.com/maps/d/embed?mid=1UQwjjLNX1OMWKsUuMEA9hnGSkcuBUCmy&hl=pt-BR&w=640&h=480%5D

Cortona

Mojo Baron/Flickr

Como chegar: De Arezzo a Cortona são 30 quilômetros, cerca de 40 minutos de carro. Quem estiver de trem deverá viajar de regionale por 20 minutos até a estação Camucia-Cortona, que fica na base da cidade. De lá é preciso pegar o ônibus número 6 (o ponto fica bem na frente da estação) até o topo da colina.

O que fazer: Como já é possível supor pelo modo de chegar, Cortona fica bem no alto e, por isso, uma de suas principais atrações são as belíssimas vistas da região. Mas trata-se também de uma cidade charmosa, que serviu de cenário para o livro e filme Sob o Sol da Toscana.

O mais gostoso é se embrenhar pelas ruas e vielas da cidade, explorando o sobe e desce das casas de pedra. Um roteiro mais objetivo e turístico, no entanto, começaria contornando a muralha até o Duomo di Cortona. Caminhando mais um pouco, você já estará no centrinho da cidade, com uma série de edifícios históricos importantes.

Um dos charmosos becos de Cortona Francesco_Centamori/Pixabay

Boa parte deles está na Piazza Signorelli, que abriga o Museu dell’Accademia Etrusca e della Città di Cortona. Se puder, visite seu acervo com achados arqueológicos etruscos e romanos e obras renascentistas. Outra construção que merece atenção é o imponente Teatro Signorelli.

Logo ao lado está a Piazza della Repubblica. Se tiver assistido Sob o Sol da Toscana, você provavelmente reconhecerá a principal praça da cidade pelo seu Palazzo Comunale, com uma grande escadaria na frente. Subindo a Via Santucci e virando a direita, você dará de cara com a Chiesa di San Francesco, que guarda um suposto pedaço da santa cruz.

A quem interessar, a casa onde foi gravado o filme inspirado na história de Frances Mayes se chama Villa di Bramasole, fica nos arredores de Cortona e hoje funciona como um agriturismo – expliquei um pouco sobre esse conceito aqui.

Para chegar à Bramosole de verdade, onde vive Frances Mayes – mas que não é aberta à visitação porque, afinal, é onde ela vive – fique com as informações recentes de uma brasileira que esteve lá e postou no TripAdvisor.

Bramosole, Cortona
TripAdvisor/Reprodução

Busque hospedagens em Cortona no Booking

Siga-me no Instagram: @barbara.ligero

[googlemaps https://www.google.com/maps/d/embed?mid=1pcA_fIaxpP2bAC74RknhujL-JGNYn-zV&hl=pt-BR&w=640&h=480%5D

  • Continua após a publicidade
    Publicidade