Piacere, Itália! Depois de passar um mês rodando a Toscana, Bárbara Ligero caiu de amores pela terra da bota e se matriculou em um curso de italiano. Atualmente, está aprendendo a gesticular com perfeição

Coliseu abre subsolo ao público pela primeira vez na história

O labirinto de túneis subterrâneos recém-restaurado servia como bastidores dos espetáculos com gladiadores, animais selvagens e até batalhas navais

Por Bárbara Ligero Atualizado em 30 jun 2021, 19h02 - Publicado em 28 jun 2021, 12h11

O labirinto de túneis subterrâneos do Coliseu foi inteiramente aberto ao público pela primeira vez na história no dia 28 de junho. Durante os 450 anos em que a arena exibiu competições entre gladiadores, lutas com animais selvagens e até batalhas navais, os seus bastidores eram um segredo bem guardado: só acessavam o piso inferior, chamado de “hipogeu”, os “artistas” e demais ajudantes que faziam parte do espetáculo sangrento. De lá para cá, os corredores que abrigavam jaulas e o maquinário para içar cenários, adereços, animais e pessoas ficaram restrito a arqueólogos, historiadores e demais especialistas. Uma pequena sessão do subterrâneo já estava aberta ao público desde 2010, mas a diferença é que agora os visitantes poderão caminhar por uma passarela acessível construída nos túneis que cruza toda a extensão do Coliseu.

A abertura dos túneis subterrâneos marca o fim da segunda fase de um projeto de restauração do Coliseu de 25 milhões, que estão sendo desembolsados pela fabricante de artigos de luxo Tod’s. O primeiro estágio envolveu a limpeza e restauração da fachada e a substituição dos portões de metal nas entradas. O terceiro prevê a restauração de galerias no segundo andar e a relocação do centro de serviços para fora do monumento. Essa não é a primeira vez que grifes italianas colocam a mão no bolso para ajudar a restaurar construções históricas de Roma: a Bulgari já reformou a escadaria da Piazza di Spagna e a Fendi promoveu uma limpeza na Fontana di Trevi.

Mais novidades vem aí…

Atualmente, boa parte dos túneis subterrâneos do Coliseu estão expostos e podem ser vistos de cima porque o piso da arena foi sendo removido durante escavações feitas por arqueólogos a partir do século 18. No entanto, isso deve mudar em breve. No último dia 2 de maio, o ministro da Cultura da Itália, Dario Franceschini, anunciou que a empresa Milan Ingegneria foi a vencedora de uma licitação para construir um piso retrátil de madeira que cobrirá a arena por completo. A ideia é que um sistema de engrenagens faça com que as ripas sejam recolhidas a qualquer tempo, permitindo que o ar circule pelas câmaras subterrâneas. As obras, estimadas em € 18,5 milhões, devem começar ainda em 2021 e terminar até 2023. O vídeo abaixo mostra como deve funcionar o piso retrátil:

  • Leia tudo sobre a Itália

    Busque sua hospedagem em Roma

    Continua após a publicidade
    Publicidade