Piacere, Itália! Depois de passar um mês rodando a Toscana, Bárbara Ligero caiu de amores pela terra da bota e se matriculou em um curso de italiano. Atualmente, está aprendendo a gesticular com perfeição

7 guloseimas imperdíveis em Nápoles, na Itália

Do café da manhã ao jantar, as comidinhas que você não pode deixar de provar ao longo de um dia na cidade

Por Barbara Ligero Atualizado em 5 fev 2020, 16h41 - Publicado em 7 nov 2017, 18h48

Como boa cidade italiana, Nápoles arrasa quando o assunto é gastronomia. Nesse caso, a culinária local é rica em massas, frutos do mar e peixes, mas o que realmente chamou minha atenção foram as comidas de rua.

Por isso, o intuito desse post não é indicar pratos elaborados de restaurantes, e sim as delícias que você pode ir provando ao longo de suas andanças pela cidade:

1. Sfogliatella

Repare em todas essas camadas Alpha/Flickr

Para quem não sabe, o café da manhã tipicamente italiano é uma refeição doce. Enquanto nós vamos a padaria e pedimos um pão na chapa com manteiga, os italianos vão a um bar ou pasticceria comer uma brioche doce.

Geralmente, é um croissant ou um cornetto, mas em Nápoles você pode pedir pela especialidade local, que é a sfogliatella. Trata-se de uma delicada massa folhada recheada com creme de ricota. Apesar de não ter me habituado a comer doces de manhã, gostei dessa guloseima.

Um dos lugares mais famosos para prová-la é a La Sfogliatella Mary, na Galleria Umberto I, mas a Attanasio, dentro da estação central de trem, também é uma boa opção para quem acaba de chegar na cidade.

2. Caffè Nocciolato

Ainda que a foto esteja em baixa qualidade, não se engane: esse é o verdadeiro caffè nocciolato! Il Vero Bar del Professore/Divulgação

Já no centro histórico, vá a Piazza del Plebiscito e preste atenção nas placas dos cafés. Colado ao Teatro di San Carlo, há um que se chama Bar del Professore. O que você procura, no entanto, é o Il Vero Bar del Professore, ou seja, “o verdadeiro bar do professor”.

Tendo escapado da pegadinha, é ali que você irá provar, conforme me contaram os napolitanos, o original caffè nocciolato – uma fórmula mágica que combina café com creme de avelã. É para tomar e cair de joelhos, vai por mim.

3. Pizza a portafoglio

A definição napolitana de pizza para viagem Napoli News/Reprodução

Todo mundo sabe que Nápoles é famosa pelas pizzas. E o endereço mais tradicional é a Da Michele, de 1870, que serve apenas os dois sabores originais: marinara (molho de tomate, alho, orégano e azeite) e margherita (molho de tomate, muçarela de búfala e manjericão). O lugar caiu nas graças do mundo depois que Elizabeth Gilbert mencionou o lugar em seu best-seller Comer,… você sabe. Se a longa fila na porta desanimar, não se preocupe – a cidade está cheia de pizzarias maravilhosas.

Quando já tiver provado a versão normal da pizza napolitana, sugiro procurar pelas chamadas pizza a portafoglio, algo como “pizza à la carteira”. Vendidas na calçada, elas são menores, vêm cortadas em quatro partes e são embrulhadas em um papel. A ideia é tornar a comilança mais fácil enquanto se caminha.

Continua após a publicidade

4. Babà

O babà é realmente de babar Nazar Blue/Reprodução

Agora que você já almoçou, vá em busca da sobremesa. O doce napolitano por excelência é o babà, bolinho em formato de cogumelo incrivelmente macio que é embebido em xarope de rum. Alguns são gigantes e levam creme e frutinhas por cima, mas sugiro que você experimente o original, pequeno e simples.

Gostei tanto deles que levei mais uns três para comer na viagem de volta no trem. É possível encontrá-los em quase qualquer pasticceria, mas os mais famosos são os da Capparelli, bem no centro histórico da cidade.

5. Frittatina

Na Itália, tem macarrão até no salgadinho Rosticceria La Padella/Divulgação

Outra comida de rua típica de Nápoles são as frituras. Nas friggitorie são feitos croquetes e bolinhos de arroz parecidos com os nossos salgadinhos de festa. O mais diferente e típico é a frittatina, recheada com pedaços de bucatini (massa mais grossa que o spaghetti), presunto e queijo.

Elas são vendidas por todos os cantos, geralmente dentro de cones de papel, e dão um bom lanche da tarde entre uma atração turística e outra.

6. Taralli

Difícil de pronunciar, fácil de achar El Comidista/Reprodução

No fim do dia, uma amiga napolitana me levou para um passeio à beira-mar na zona de Mergellina. Ali, tive que fazer ela repetir diversas vezes taralli ‘nzogna e pepe, que no difícil dialeto local significa taralli-banha-de-porco-e-pimenta.

Não entendi o que ela estava falando, não consegui pronunciar o nome direito e ainda o anotei errado no meu caderninho, mas não se preocupe: você saberá do que se trata quando chegar lá. Ao longo de todo o calçadão são vendidas essas rosquinhas salgadas e o costume é comê-las enquanto se toma uma cerveja.

7. Mozzarella di Bufala

Vale a pena comer esse queijo também fora da pizza The Pizza Bike/Flickr

Chegada a hora de jantar, peça como entrada a mozzarella di bufala. Originária da região, ela provavelmente será servida inteira e fresquinha, com tomates-cereja e pão. E não pense que o tamanho ou a falta de acompanhamentos a tornará enjoativa: cada pedaço derrete na boca.

Não vejo a hora de voltar para comer tudo de novo! Só de lembrar, me deu fome, água na boca e dor no coração.

Siga-me no Instagram: @barbara.ligero

  •  

    Continua após a publicidade
    Publicidade