48 horas em Vitória e Vila Velha

Em terras capixabas, praia, moqueca, fábrica de chocolate, panela de barro e muito mais

Unidas por três pontes – conhecidas pelo nome de Primeira, Segunda e Terceira – Vitória e Vila Velha se complementam quando o assunto é turismo, num roteiro com praias, história, moqueca e chocolate. Abaixo, um roteiro de dois dias pelas principais metrópoles capixabas

Dia 1

Como toda capital litorânea, pegar praia é a primeira coisa que vem à cabeça. Ok, mas não espere por uma orla de cair o queixo. Ainda assim, vale a pena dedicar a parte da manhã a elas.  Com 6 km de extensão, Camburi é a praia mais famosa e movimentada de Vitória. Infra por lá é o que não falta: barracas de praia, um calçadão bom para caminhar e pedalar, faixa de areia bem generosa e um mar com poucas ondas, mas que afunda rapidamente.

Um dos lugarzinhos que os capixabas gostam de frequentar é a Ilha do Boi, que tem duas pequenas praias, chamadas de Direita e Esquerda. Para conseguir um lugar ao sol, é preciso chegar bem cedo, afinal, elas possuem cerca de 100 m. Não há barracas, mas vendedores ambulantes aparecem nas duas praias. Infelizmente, assim como em Camburi, logo ao entrar, o mar fica bem fundo.

As duas praias mais badaladas de Vitória, Esquerda (Grande) e Direita, ficam na Praia Ilha do Boi

As duas praias mais badaladas de Vitória, Esquerda (Grande) e Direita, ficam na Praia Ilha do Boi (Setur/Reprodução)

Tente não abusar da comida, pois a hora do almoço é momento de provar uma autêntica moqueca capixaba, que difere da baiana ao não levar leite de coco e azeite de dendê. Vá para um lugar chamado Triângulo das Bermudas, um point gastronômico na Praia do Canto. Lá fica o Pirão, tradicional restaurante que serve uma moqueca de badejo de respeito. Jamais faça a heresia de não experimentar o cremoso pirão da casa, afinal, além de levar o nome do restaurante é também o apelido do proprietário Hercílio Alves da Silva Filho, lendária figura da gastronomia capixaba.

Moqueca dentro de um panela de barro, ao lado de outras que servem arroz e molho de camarão. À esquerda, azeite e um potinho com pimenta capixaba

Moqueca capixaba de badejo com molho de camarão, do restaurante PirãoUma vez apresentado à moqueca, hora de conhecer a produção de uma de suas matérias-primas. Justamente a que não vai à boca, mas é essencial para o bom resultado final: a panela de barro. Pelas avenidas Nossa Senhora da Penha e Fernando Ferrari, em 15 minutos, chega-se ao bairro das Goiabeiras. Na Associação das Paneleiras, pode-se conhecer todo o processo de confecção do utensílio. Vai por mim, vale a pena comprar uma peça – na associação ou nas casas das artesãs.

Panelas de barro no bairro das Goiabeiras, Vitória (ES)

A panela de barro é a maior manifestação do artesanato capixaba. Há pelo menos 400 anos a tradição é passada de mãe para filha e foi tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) (Tadeu Bianconi)

Para o fim de tarde, duas opções: quem viaja com crianças, pode ficar ali pertinho para aproveitar o Parque da Pedra da Cebola, um lugar com mini-fazenda, laguinho e um mirante junto a uma pedra em formato de cebola que descansa em cima de uma rocha.

Se preferir explorar a história de Vitória, cruze a cidade em direção ao Centro Histórico. Em uma caminhada levemente íngreme, dá para conhecer o Palácio Anchieta, sede do governo estadual, mas aberto à visitação; a neogótica Catedral Metropolitana e o Teatro Carlos Gomes, inspirado no Teatro Scala, de Milão.

A Praia do Canto, que é mais um bairro do que uma praia, é o point noturno e endereço dos principais shoppings de Vitória. Se tiver bala na agulha, nem pense duas vezes e vá jantar no Soeta, badalado restaurante da dupla Bárbara Verzola e Pablo Pavón, que se conheceram no elBulli, a célebre e extinta casa catalã comandada por Ferran Adrià. A parceria profissional permanece nesse restaurante, que serve um menu-degustação infindável – são quase 30 etapas.

Restaurante Soeta, em Vitória (ES)

Os chefs Pablo Pavon e Bárbara Verzola, que se conheceram na cozinha do chef catalão Ferran Adrià, hoje comandam as panelas do Soeta, em Vitória (Tom Boechat)

Dia 2

Ao atravessar a cênica Terceira Ponte, olhe para o lado direito é verá uma construção no alto do morro que se agiganta à medida em que nos aproximamos de Vila Velha. Pois bem, o Convento Nossa Senhora da Penha é a missão número um do dia. Fundado em 1558, a principal edificação católica do Espirito Santo tem uma vista de encher os olhos e uma capela que guarda a imagem de Nossa Senhora da Penha. Para chegar no alto há três maneiras: a pé, numa íngreme caminhada de 1 km; de carro próprio, com a árdua tarefa de achar um lugar para estacionar e manobrar; ou com as vans que fazem o percuro a cada 15 minutos (R$ 4,50).

Convento Nossa Senhora da Penha, Vila Velha (ES)

O Convento Nossa Senhora da Penha, em Vila Velha, é o principal monumento religioso do Estado do Espírito Santo. Além da bela vista da cidade, a capela guarda a imagem de Nossa Senhora da Penha, padroeira do estado. Ao lado, três salas funcionam como museu sacro, loja e sala de ex-votos (Setur/Divulgação)

O capixaba tem três orgulhos de seu estado: o rei Roberto Carlos, a Viação Itapemirim e a Fábrica de Chocolate Garoto, essa última localizada em Vila Velha. Com agendamento prévio (programa.visitas@garoto.com.br), é possível fazer o Chocotour, visitando a fábrica, o museu, a loja, com direito à degustação de bombons. Esse tour só é realizado em dias úteis. É possível visitar apenas a loja e o museu, que conta a cultura do cacau, a produção do chocolate e uma linha do tempo da fábrica – nesse caso, não há necessidade de agendamento e o passeio também pode ser realizado no sábado.

Fábrica de chocolate da Garoto, em Vila Velha, no Espírito Santo

Fábrica de chocolate da Garoto, em Vila Velha, no Espírito Santo (Setur/Reprodução)

Hora da praia, né! Siga por 12 km pela Rodovia do Sol até a encontrar a Barra do Jucu, que, apesar das ondas fortes, tem boa estrutura e trechos mais tranquilos para o banho nos dois extremos. Se der sorte, pode ver algum grupo dançando o Congo, típico do local. Sem contar que o almoço tardio pode ser feito por lá mesmo, no restaurante Espera Maré, comendo um peixinho e observando o pôr do sol de frente à foz do Rio Jucu.

Praia da Barra do Jucu, em Vila Velha, tem trechos tranquilos e perigosos para banho (Divulgação/Divulgação)

De volta a Vitória, quem aguentar o tranco pode dar uma esticadinha noturna no Triângulo das Bermudas, na Praia do Canto, para petiscar e bebericar em um dos bares da região.

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s