Uluru (Ayers Rock): a imagem mais forte do outback, o impressionante deserto vermelho australiano

O deserto vermelho da Austrália é para os fortes. No verão, a temperatura durante o dia raramente é de menos de 40oC – e pode ir bem além disso. Pele e mucosas esturricam. O pó cor de ferrugem arranha os pulmões. Nuvens de moscas ameaçam invadir todos os orifícios faciais (é usar a rede de proteção ou dispensar o jantar). Na condição de urbanoide, você assiste de camarote a sua impotência saltitar na frente do seu nariz. E se até aquele momento você ainda não tinha aberto os olhos para o poder da cultura aborígene australiana, meu amigo, pare e pense: eles vivem há milênios num lugar onde seu frágil corpinho não sobreviveria nem por um dia sem a parafernália da vida moderna.

Visual sexy para sobreviver às moscas de Uluru no verão

Visual sexy para sobreviver às moscas de Uluru no verão

 

Bonito e inóspito em assombrosas proporções, o outback ocupa 70% do território australiano e se espalha por uma área de 5,3 milhões de quilômetros quadrados – o tamanho da floresta Amazônica. A ínfima parte que tive o prazer de conhecer foi o parque nacional de Uluru-Kata Tjuta. Uluru (ou Ayers Rock, antigo nome em inglês), a pedra monstruosa que emerge da planície infinita, é um dos grandes símbolos da Austrália, tanto no sentido de cartão postal quanto em termos de identidade nacional. Desde os anos 80, as terras do parque nacional que a cercam foram devolvidas ao povo aborígene Pitjantjatjara (nem tente pronunciar), para quem o maior monolito do mundo é a mais sagrada das catedrais. Justamente por isso, é de uma atroz falta de respeito e noção escalar Uluru, algo que alguns energúmenos continuam fazendo apesar dos apelos enérgicos da população local.

 

A rota dos energúmenos pedra acima: a maior falta de respeito e noção é escalar essa catedral aborígene

A rota dos energúmenos pedra acima: a maior falta de respeito e noção é escalar essa catedral aborígene

Não é de estranhar que Uluru tenha uma conotação espiritual. Sua imagem é um soco no peito. O monumental monolito tem 3,6 quilômetros de comprimento e chega a 348 metros de altura. Em suas paredes, milhares de anos de chuvas esculpiram formas insólitas que são, aos olhos dos Pitjantjatjaras, evidências deixadas pelas entidades que criaram o universo. Chuva? Eis mais uma surpresa: o deserto australiano não é tão seco como se imagina. É claro que a água é limitadíssima e que é raríssimo vê-la caindo do céu. Mas você ficará bastante perplexo ao constatar o quão verde (para os padrões de um lugar tão árido, claro) é a paisagem que envolve a pedra, sobretudo durante o verão, a época em que acontecem as poucas chuvas anuais.

 

Nos desertos por onde andei, sempre tive a sensação de estar num lugar muito fora do trivial. O céu é mais azul. A paisagem tem um contorno mais nítido. Chovem estrelas. Tudo isso somado ao calor e ao ar seco acaba criando uma atmosfera meio mística. Em Uluru, tive a sensação de passar dois dias meio fora do mundo. Por via das dúvidas, trouxe um potinho de terra vermelha na mala pra ter certeza de que foi tudo verdade.

 

Me aguarde: nós próximos posts eu vou falar sobre acomodação, passeios e outras questões palpáveis. Enquanto isso, viaje na fotos.

IMG_1040 IMG_1039 IMG_1028 IMG_1027 IMG_1014 IMG_1010 IMG_0998 IMG_0993 IMG_0968 IMG_0967 IMG_0963 IMG_0910 IMG_0906 IMG_0902 IMG_0897 IMG_0879

Comentários

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.