Achados Adriana Setti escolheu uma ilha no Mediterrâneo como porto seguro, simplificou sua vida para ficar mais “portátil” e está sempre pronta para passar vários meses viajando. Aqui, ela relata suas descobertas e roubadas

Toscana de carro: o roteiro perfeito partindo de Florença

Receita para uma Toscana perfeita: hospede-se em cidades pequenas, fuja das auto-pistas, invista em bate-e-voltas e vá com calma

Por Adriana Setti Atualizado em 14 set 2017, 18h27 - Publicado em 26 Maio 2014, 21h06

Minha receita para o roteiro perfeito pela Toscana obedece a quatro regras de ouro:

1. Hospede-se em cidades pequenas ou no campo para entrar no clima bucólico da região.

2. Fuja das autopistas para curtir os vinhedos, campos de girassóis, ciprestes e povoados que aparecem pelo caminho.

3. Estabeleça bases estratégicas e faça viagens suaves de bate e volta (ao invés de fazer check-in e check out todo santo dia).

4. Vá com calma: se você tem pouco tempo, escolha um pedacinho para curtir com calma. Toscana combina com slow travel.

Eis a minha sugestão para a escolha das cidades que podem servir de base e o que há para conhecer ao redor de cada uma delas. Para fazer tudo o que sugiro abaixo, você vai precisar de pelo menos dez dias. Se você tem menos tempo, foque nos roteiros 2 e 3, o “filé” da Toscana.

O mapa do roteiro, para que você tenha uma ideia: para não se perder nas estradinhas secundárias, use um GPSClique no mapa para abrir o roteiro no Google Maps

Base 1: Lucca

Apesar de ser menos famosa, Lucca dá de mil na vizinha Pisa – e também é uma base mais confortável por ser menor e menos atribulada. Aos pés dos Alpes Apuanos (berço da minha famiglia, os Setti), ela tem um Centro Antigo cercado por uma muralha intacta, sobre a qual é possível caminhar e andar de bici. Seu maior cartão postal é a Piazza Anfiteatro, linda e exótica, cercada por casarões em tons pastel.

Continua após a publicidade

Bate e volta: No caminho de Florença a Lucca você pode parar para dar uma espiadinha em Montecatini, que é uma graça. Reserve uma tarde para conhecer Pisa, que está a 20 minutos de carro de Lucca.

San Gimignano vista de longeSan Gimignano vista de longe

Base 2: Volterra ou San Gimignano

Ciprestes, vinhedos, campos e fazendinhas enfeitam o magnífico caminho entre Lucca e Volterra, uma cidadezinha solitária no topo de uma colina (e com vistas magníficas dos arredores) que abriga o maior conjunto de herança etrusca do país, a começar por boa parte da muralha original, do século 12. Outra opção para ter como base nessa parte da Toscana é a linda San Gimignano, famosa por suas torres, pela Gelateria di Piazza (uma das melhores do país) e pelo seu jeitinho absolutamente charmoso e impecável.

Bate e volta: O percurso entre Volterra e San Gimignano é magnífico, sobretudo se você contornar a Reserva Natural de CastelVecchio. Reserve um dia inteiro para passar em Siena (40 min de San Gimignano ou 50 min de Volterra), famosa pela Piazza del Campo e por seu impressionante Duomo. Outro dia pode servir para percorrer um trechinho da estrada SS222 (entre Siena e Florença), também conhecida como Via Chiantigiana. Ela atravessa o coração de Chianti, a principal região produtora de vinhos do país, entre um mar de vinhedos cravejados com vilarejos fofos (como Panzano in Chianti ou Greve). Simplesmente imperdível.

Uma ruela típica de VolterraUma ruela típica de Volterra

Base 3: Montepulciano

Além de ser conhecida pelo Vino Nobile di Montepulciano, a cidade também é um espetáculo, com becos que desembocam em mirantes que se abrem para o Valdichiana.

Bate e volta: Montepulciano está posicionada entre dois hits toscanos: Cortona e Montalcino. Em direção a Montalcino, a estradinha SS146 tem tudo o que a Toscana tem de melhor em pouquíssimos quilômetros: vinhedos, abadias e povoados como Pienza. Reserve um dia para fazer esse passeio e outro para ir a Cortona, a cidade que virou celebridade com o livro Sob o Sol da Toscana.

Siga @drisetti no Twitter

Continua após a publicidade
Publicidade