Achados Por Blog Adriana Setti escolheu uma ilha no Mediterrâneo como porto seguro, simplificou sua vida para ficar mais “portátil” e está sempre pronta para passar vários meses viajando. Aqui, ela relata suas descobertas e roubadas

Prambanan, o “outro” templo de Java, na Indonésia

Por Adriana Setti Atualizado em 27 Feb 2017, 15h44 - Publicado em 22 Mar 2013, 14h44

O complexo de Prambanan, pertinho de Yogyakarta, em Java

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

Se você for a Yogyakarta com o intuito de ver o Borobudur, terá mais duas gratas surpresas. Em primeiro lugar, a cidade em si é encantadora (falo disso no próximo post). Fora isso, a 17 quilômetros do centro está outro baita santuário: o Prambanan.

 

Continua após a publicidade

Visitar esse complexo foi, mais do que um programa cultura, uma experiência antropológica. Além de termos vivido 15 minutos de fama entre centenas de estudantes indonésios (clique aqui para ler o post), também servimos de cobaia para suas guias mirins fofíssimas, que nos serviram de anfitriãs.

 

Continua após a publicidade

Nossas guias fofíssimas

Não se sabe detalhes sobre a sua história. Erguido em meados do século 9 (meio século depois da construção do Borobudur), o enorme complexo teria servido para comemorar a volta da dinastia hindu ao poder em Java (que já foi budista e atualmente é predominante muçulmana).

 

Continua após a publicidade

Um dos templos secundários. Mais destruidinho, mas lindo.

Se no Borobudur reinam soberanas as imagens de Buda, nesses templos hinduístas Brahma, Vishnu e Shiva, as três principais divindades do hinduísmo (trimurti), que representam as três forças essenciais do universo: criação, conservação destruição, respectivamente. O templo dedicado a Shiva é o maior e mais impressionante, com 47 metros de altura. Outro destaque é a escultura que adorna o templo vizinho, de Candi Nandi: um poderoso touro esculpido na pedra maciça e que representa Nandi, o “veículo” de Shiva.

Nandi, o veículo de Shiva

 

Continua após a publicidade

A mulherada apavorando no trenzinho

Um trenzinho turístico grátis leva os turistas num rápido passeio pelos templos secundários do complexo. E a verdade é que isso pode ser mão na roda sob o sol escaldante ou sobre a chuva torrencial (ambas situações vividas por esta blogueira).

 

Continua após a publicidade

A grandeza dos detalhes.

COMO CHEGAR: Ir de excursão, com hora marcada para entrar e sair, não vale a pena (como no Borobudur). O ônibus A1 sai do centro da cidade (da Malioboro, a rua principal) e deixa a cerca de um quilômetro da entrada do complexo. Se o sol estiver muito forte (estará), você pode seguir de tuk tuk. A entrada ao parque custa US$ 18 e dá direito a café, informação o empréstimo de um sarongue.

 

Continua após a publicidade

Siga @drisetti no Twitter.

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

Se você for a Yogyakarta com o intuito de ver o Borobudur, terá mais duas gratas surpresas. Em primeiro lugar, a cidade em si é encantadora (falo disso no próximo post). Fora isso, a 17 quilômetros do centro está outro baita santuário: o Pranbanan.

 

Continua após a publicidade

Visitar esse complexo foi, mais do que um programa cultura, uma experiência antropológica. Além de termos vivido 15 minutos de fama entre centenas de estudantes indonésios (clique aqui para ler o post), também servimos de cobaia para suas guias mirins fofíssimas, que nos serviram de anfitriãs.

 

Continua após a publicidade

Não se sabe detalhes sobre a sua história. Erguido em meados do século 9 (meio século depois da construção do Borobudur), o enorme complexo teria servido para comemorar a volta da dinastia hindu ao poder em Java (que já foi budista e atualmente é predominante muçulmana).

 

Continua após a publicidade

Se no Borobudur reinam soberanas as imagens de Buda, nesses templos hinduístas Brahma, Vishnu e Shiva, as três principais divindades do hinduísmo (trimurti), que representam as três forças essenciais do universo: criação, conservação destruição, respectivamente. O templo dedicado a Shiva é o maior e mais impressionante, com 47 metros de altura. Outro destaque é a escultura que adorna o templo vizinho, de Candi Nandi: um poderoso touro esculpido na pedra maciça e que representa Nandi, o “veículo” de Shiva.

 

Continua após a publicidade

Um trenzinho turístico grátis leva os turistas num rápido passeio pelos templos secundários do complexo. E a verdade é que isso pode ser mão na roda sob o sol escaldante ou sobre a chuva torrencial (ambas situações vividas por esta blogueira).

 

Continua após a publicidade

COMO CHEGAR: Ir de excursão, com hora marcada para entrar e sair, não vale a pena (como no Borobudur). O ônibus A1 sai do centro da cidade (da Malioboro, a rua principal) e deixa a cerca de um quilômetro da entrada do complexo. Se o sol estiver muito forte (estará), você pode seguir de tuk tuk. A entrada ao parque custa US$ 18 e dá direito a café, informação o empréstimo de um sarongue.

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Publicidade