O melhor da ilha de Java, na Indonésia: todo poderoso Borobudur

Close de uma das centenas de imagens de Buda que se distribuem ao redor do templo

 

Junto com o complexo de ruínas de Angkor, no Camboja, e Bagan, no Myanmar, o Borobudur forma a “santíssima trindade” dos templos do Sudeste Asiático. A fama deste este monumento budista de mais de 1200 anos, cercado por uma densa mata,  é mais do que justificável. E faz com que valha a pena, também, acordar às 4 da manhã para estar lá ao amanhecer, antes que o calor e as multidões roubem parte do encanto do lugar.

As “stupas” tão caracterísitcas dos templos budistas

 

O Borobudur visto de baixo

Construído entre os séculos 750 e 850 pela dinastia Sailendra, numa época em que a região era dominada por pequenos reinos budistas e hinduístas, o complexo é, antes de tudo, um bravo sobrevivente. Ao passo que o budismo foi deixando de ser a religião dominante em Java (hoje em dia, a ilha é predominantemente muçulmana), o Borobudur ficou abandonado e acabou coberto pelas cinzas do vulcão vizinho Gunung Merapi.

 

A imagem de Buda mais fotografa do templo (é a única das estátuas grandes que não está coberta por uma stupa)

 

A impressionante riqueza de detalhes esculpidos em pedra

O templo só voltaria a respirar a partir de 1815, quando Sir Thomas Stamford Raffles (sempre ele!), durante o domínio britânico, deu início à restauração e limpeza do local, num longo processo que só terminaria 100 anos mais tarde e mudaria várias vezes de mãos. Então, outro duro golpe: em 1985 opositores ao governo de Soeharto explodiram uma bomba durante um atentado terrorista que destruiu parte do complexo. Novamente restaurado, em 1991 o Borobodur foi finalmente tombado como patrimônio da humanidade pela UNESCO. Ufa.

 

Ilustração da vista aérea: uma grande mandala

O conjunto representa a visão budista do mundo. Visto de cima (veja a ilustração), o templo parece uma enorme mandala. Em sua base, que mede 118 por 118 metros, estão imagens que fazem alusão a um mundo repleto de desejos e tentações. O nirvana, o paraíso budista, estaria no topo da construção. Entrando pelo portão principal, a regra é fazer a visita no sentido horário, contornando a suas galerias. O santuário não é tão grande. Mas é preciso tempo (umas duas horas, pelo menos) para ater-se aos detalhes esculpidos em pedra, de impressionante precisão e delicadeza.

 

No próximo post, eu passo as dicas práticas.

 

Siga @drisetti no Twitter

 

 

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s