Mais que uma prainha bonita – Por uma cidade sem carro

Florianópolis: interrompemos esta reportagem para mostrar o que três escritores têm a dizer sobre sua musa - e o que aqueles que a visitam deveriam saber

Quando você estiver passando seu sábado de sol dentro do carro, no congestionamento, com um calor escaldante, surfistas vencendo a pé seu avanço, lembre-se disso: largue seu carro.

Florianópolis é um paraíso preservado, ainda um lugar seguro, civilizado, limpo e repleto de natureza, mas parte de por que ela se mantém assim é o acesso restrito. Florianópolis, como você sabe, é uma ilha, e as ilhas precisam respeitar seus limites, controlar seus acessos, ou afundam. Muito do charme de Florianópolis se deve ainda a seu relativo isolamento e à dificuldade de circular por lá. Ainda que não incisivamente restritiva como outras ilhas que controlam o número de visitantes, tem vias simples de acesso às principais praias e a proibição de construção em grande parte de seus morros e montanhas.

Isso se reflete em uma imensa área verde… e congestionamentos.

Com a invasão anual de turistas argentinos, gaúchos e paulistas, os nativos manezinhos da ilha aprenderam a faturar construindo adendos a suas casas, puxadinhos, novos andares. A oferta de quartos, casas e pousadas improvisadas é uma fartura durante o verão, mas o acesso físico a isso é cada vez mais complicado.

Quem dera os turistas apenas viessem de carro e o deixassem estacionado. Mas o carro não para de circular. “Vamos à padaria?” Carro. “Está levando guarda-sol pra praia?” Carro. Verdade que Florianópolis está longe de ser excelência em transporte público, são poucos ônibus, os táxis são raros e caros, mas você que é turista não devia se preocupar com isso. Devia é escolher sua praia. E andar.

Da Barra até a Lagoa da Conceição – trajeto costumeiro de congestionamentos no verão -, dá para fazer em uma hora e meia… a pé. De carro, em horários de pico, pode levar mais. Da Lagoa até a Mole, 50 minutos. Tem medo de andar? Vai te ajudar a queimar calorias, ficar em forma. Vamos lá, não é como andar na Avenida Santo Amaro, em São Paulo – você pode aproveitar a vista, reforçar o bronzeado, paquerar com os carros parados ou tirar onda do playboyzinho que ficou para trás de você. Se ainda assim andar não parece uma opção atraente, sugiro então que experimente remar – alugue um caiaque ou uma canoa. Também pode tentar o windsurfe ou mesmo o kitesurfe, aquele “surfe de pipa” em que você é puxado pelo vento. Há várias escolas pela ilha, e certamente são uma opção mais ecológica e mais divertida.

Já ouvi gente sugerindo “aterrar a Lagoa” para duplicar as pistas – talvez você também vá proferir essa insanidade se decidir ir à Joaquina de carro na véspera do Réveillon. Mas a melhor dica que posso dar para sua saúde e sua sanidade é esta: largue seu carro.

O escritor paulistano Santiago Nazarian, de 33 anos, desde 2009 em Florianópolis, não tem carro: prefere voar sobre a Lagoa em uma pipa de kitesurfe

Leia mais:

Mais que uma prainha bonita

Mais que uma prainha bonita – Lagoa da Conceição, meu lugar no mundo

Mais que uma prainha bonita – Floripa, não, Florianópolis

Mais que uma prainha bonita – Onde é melhor

Mais que uma prainha bonita – O essencial

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s