We have a dream

No Disney Dream, o novo navio da Disney, sonhos e tecnologia navegam juntos. Conheça esse gigante parque de diversões

O que é sonho para você? Ficar em um hotel cinco-estrelas? Comer camarões e lagostas até não aguentar mais? Navegar pelo Caribe? Quem embarca no navio de cruzeiros da Disney, o Disney Dream, realiza esses três sonhos em uma tacada só. E há muitos outros a bordo.

É difícil ficar indiferente ao Dream. Primeiro pela grandeza. Nos seus 14 andares cabem 4 mil passageiros em 1 250 cabines. Mas, mais do que o tamanho, é pelo desenho, vintage e delicado, que o Dream deixa seus colegas de porto com cara de bigornas desengonçadas. Tudo o que digo, e o que direi, foi planejado para não ser dito. Embarquei em Porto Canaveral, a 70 quilômetros de Orlando, decidida a não me render ao que li antes de viajar. Precisava incorporar a figura da jornalista cética. Pois a máscara caiu em minutos, e avassaladoramente. Logo que cheguei à porta do navio, a hostess perguntou meu nome. “Júlia Gouveia”, respondi. Então ela foi a um microfone e anunciou, em alto e bom som e com todas as vogais possíveis: “Senhoras e senhores, vamos dar boas-vindas a Júlia Gouveiaaaaa!” Quando me dei conta, o navio inteiro estava me aplaudindo! Durante as três horas do embarque, todo passageiro era recepcionado da mesma maneira. E todos passavam a aplaudir com gosto os que chegavam. Impossível não se sentir especial.

A Disney não está no ramo de cruzeiros de passagem. O Dream é o terceiro navio de sua frota. O site especializado Cruise Critic o considera o “lançamento mais criativo de 2011”. O curioso é que a empresa mal precisa de propaganda: a Disney aproveita bem seus próprios canais de divulgação. Um de seus seriados teens, exibido no Disney Channel, por exemplo, é Zack & Cody, em que os protagonistas trapalhões moram dentro de um navio. Uma maneira sofisticada de despertar interesse por cruzeiros no público mirim.

Muito focado em famílias, a armadora aposta em recursos tecnológicos e interativos – o “Disney touch”, como dizem. Para as cabines internas sem janelas, por exemplo, criaram-se as escotilhas “virtuais”. são telas de LCD, que transmitem em tempo real imagens externas do navio. um detalhe pequeno, mas que torna a viagem mais especial. No lobby não faltam elementos clássicos de glamour, como a escadaria de mármore, o imenso lustre de cristal, o tapete colorido e o piano de cauda. e é no lobby também que os personagens da Disney aparecem. Ver a Cinderela, a Branca de Neve e a Bela sentadas no chão, juntas como comadres, naquele hall tão palaciano, faz qualquer menina de 6 ou 60 anos enlouquecer.

Como mal podia conter minha curiosidade, subi direto ao deque 12, onde fica a principal atração do navio: o aquaDuck. esse toboágua gigantesco, de 233 metros de comprimento, tem uma espécie de “braço” que faz uma curva para fora dos limites do barco, e a 45 metros de altura! Enquanto você desliza pelos tubos transparentes, dá para ter uma visão panorâmica do deque e do mar lá embaixo. Entrei na boia, abri bem os olhos e escorreguei. Uau! À medida que voava pelas quedas e curvas, me sentia planando sobre o mar. De repente, quando menos se espera, o escorregador penetra em uma das chaminés do navio. Ali dentro começa um jogo de luzes, meio como se fosse uma baladinha. O percurso dura menos de um minuto, mas é matador.

Nem na hora das refeições as surpresas acabam. A cada noite, em esquema de revezamento, janta-se em um dos três restaurantes principais. Como tudo na Disney, eles também são temáticos. No Enchanted Garden, você se sente pelos jardins do Palácio de Versalhes. Mas não se trata apenas do décor: conforme a hora do dia, o teto muda de cor. À noite, ele está estrelado; de manhã, dourado pelos raios de sol. O animator’s Palate homenageia os artistas que criam os desenhos Disney. Os rascunhos originais de filmes como Carros, Up e Ratatouille ficam expostos nas paredes. Em telões sincronizados pelo salão, os personagens do Nemo aparecem cada hora em um lugar e até conversam com os passageiros. Já o Royal Palace é o “salão de festas” das princesas. Os garçons usam roupas de príncipes, a cestinha de pão é a carruagem da Cinderela e pendem do lustre vários sapatinhos de cristal. O restaurante tem cadeiras vitorianas, cortinas douradas e colunas de mármore. E, claro, tem a comida. Nas noites em que jantei por lá, por exemplo, comi escargots, medalhão de lagosta e carne de angus beef. Com exceção do fancês Remy e do italiano Palo, os restaurantes estão no esquema all-inclusive do cruzeiro. Bebidas alcoolicas são pagas à parte.

Parque temático a bordo

Para as crianças, é aquele mundo maravilhoso do slogan. Diferente de outros navios e resorts, cada faixa etária tem uma espécie de lounge, supervisionado por monitores. As crianças de até 3 anos vão ao berçário It’s a Small World; dos 3 aos 10, elas curtem o megaplayground/brinquedoteca Disney’s Oceaneer Club e Lab; dos 11 aos 13, os teens fazem do Edge seu QG; e, dos 14 ao 17, os adolescentes curtem o Vibe, um espaço multimídia superdescolado. Isso sem contar a área das piscinas: a Donald’s Pool e a Mickey’s Pool, esta última com o formato inconfundível da cabeça do ratinho. Na frente das piscinas, um telão de 5 metros de altura transmite, o dia inteiro, clássicos da Disney, como Rei Leão, Cinderela e Mary Poppins. Boa sorte na hora de arrancar as crianças de lá.

Avisos àqueles com mais de 18 anos: vocês não vão ficar entediados. Há três musicais diferentes dignos da Broadway no Walt Disney Theatre, de 1 340 lugares. Já no Buena Vista Theatre, um cinema 3D de 387 assentos, são exibidos filmes da Disney. Se o seu negócio for balada, prepare-se para a maratona: entre bares e boates, são seis venues. Por exemplo, no Skyline, as janelas, que na verdade são telas de LCD, mudam toda hora de paisagem, exibindo os skylines de Nova York, Paris, Rio de Janeiro e Chicago. Entediados talvez fiquem os que gostam de um carteado ou de um caça-níquel. Cassinos estão fora da “política” Disney.

São tantas coisas para fazer, que é capaz de você nem notar que o navio faz duas paradas: uma em Nassau, capital das Bahamas, e outra em Castaway Cay, a ilha privada da Disney também no arquipélago das Bahamas. Como o tempo é curto, em Nassau você fica refém das excursões pega-turistas à beira do porto. Já a descida em Castaway tem cara de “fim de semana na praia”. Estão à disposição dos cruzeiristas espreguiçadeiras, guarda-sóis e até um posto do correio com postais que trazem o selo da ilha. Tem também toboágua e um barbecue com hambúrgueres e hot-dogs à vontade.

Logo que eu voltei de um desses passeios, encontrei em cima da minha cama uma bandana. Junto dela, havia um convite para uma festa de piratas! Depois do jantar, lá fui eu com o apetrecho na cabeça. Quando me dei conta, as outras pessoas não usavam apenas o lenço. Elas estavam a caráter: chapéu, tapa-olho, blusa com babados, brinco de argolas… Parece que a tal Bucanner Blast era mesmo “o” evento do cruzeiro. O show começou, com direito a luta de espadas entre o Mickey e algum monstro do mar. Jack Sparrow também dá as caras. Mas o melhor momento ainda estava por vir: uma belíssima queima de fogos em alto-mar. Os cinco minutos de foguetório, sincronizados com as batidas da música, coloriram a escuridão do horizonte. Fiquei olhando o espetáculo a iluminar os rostos sorridentes de todos à minha volta. De repente, a frase bordada na almofada da minha cabine fez sentido: “O sonho é um desejo que seu coração faz”.

Os garçons são como príncipes, sapatinhos de cristal pendem do lustre e a cestinha de pão é uma carruagem… The dream comes true

Quem leva

As operadoras brasileiras trabalham com dois tipos de pacotes para o Disney Dream: os roteiros que incluem só o cruzeiro e aqueles que combinam o navio com alguns dias em Orlando.

  • Na Agaxtur (11/3067-0900), três noites no Disney Dream, com saída para outubro, custam desde US$ 1 661.
  • A CVC (11/3003-9282) tem ainda algumas vagas para junho nos roteiros de cinco noites em cabines externas, desde US$ 4 461.
  • Também para o cruzeiro de cinco noites, a Nascimento (0800 882 9900) vende, por desde US$ 1 542, pacotes com saídas em agosto.
  • Na RCA (11/3017-8700), cinco noites no navio custam desde US$ 967, para o mês de agosto.
  • Já a Sun Coast (11/5094-5400) combina três noites no navio com quatro em Orlando e três ingressos para os parques, em agosto, desde US$ 5 430.
  • O roteiro da Trade Tours (11/3257-9788) contempla três noites a bordo, cinco em Orlando, quatro ingressos para os parques da Disney e traslados até o porto por desde US$ 2 690 (válido apenas para janeiro).
  • O pacote da SVT (11/2959-4435) inclui seis noites em Orlando, três noites no cruzeiro e traslados até o porto, desde US$ 2 581, em setembro.
  • O programa da Marsans (11/2163-6800) inclui uma noite em Orlando, quatro no cruzeiro e transporte para o porto, desde US$ 2 402, em novembro. Consulte também seu agente de viagens.

Voando sobre as águas

Na montanha-russa aquática Aquaduck, os passageiros escorregam por tubos do lado de fora do navio

1. A fila para entrar no Aquaduck começa na chaminé traseira do navio. É tanta gente que a espera para escorregar pode demorar mais de meia hora

2. Dá para ir até duas pessoas por vez, sentadas em uma boia. Logo de cara, a primeira curva é um braço que sai fora do navio, a 45 metros de altura

3. Depois da curva, a boia vai pegando velocidade e deixa a brincadeira mais emocionante. Na hora em que a boia atravessa a segunda chaminé, tudo fica escuro e, de repente, começa um jogo de luzes

4. A boia vai perdendo o embalo mas é quando você começa a prestar mais atenção na lindíssima vista. A voltinha termina e quase todo mundo entra na fila de novo!

Fábrica de sonhos

Os detalhes (nem tão) pequenos que são coisas muito grandes para esquecer do Disney Dream

Senta que lá vem história – Seja sentado em uma das espreguiçadeiras ou de dentro das piscinas, é impossível não assistir aos filmes Disney que passam o dia todo no Funnel Vision, um telão de LED com 7 metros de altura.

Brincadeira high-tech – A grande atração na área infantil Oceaneer Club e Lab é o Magic PlayFloor: uma espécie de tapete interativo, composto por 28 monitores de LCD, repleto de games. Como em um Wii gigante, as crianças controlam as ações dos jogos com o movimento do corpo.

Restaurante encantado – Inspirado nos Jardins de Versalhes, o Enchanted Garden é ótimo lugar para comer imaginando-se ao ar livre. A impressão devese à mudança da luz ambiente: de manhã, o teto fica dourado como no nascer do sol; à noite, cheio de estrelas

Enquanto isso, no lobby – O que mais chama atenção é o imponente lustre art déco. Ele é diferente de qualquer um que você já viu. Só de cristais Swarovski são 80 mil peças. Ele tem 7 metros de diâmetro e 4 de comprimento.

It’s showtime – No Walt Disney Theatre ocorrem espetáculos dignos da Broadway. Nos shows, os artistas cantam, dançam e contracenam com os personagens Disney. Do lado de fora, uma “repórter” aborda as pessoas do público. A entrevista é transmitida ao vivo em um telão no teatro.

Na cola do navio – O navio zarpa de Porto Canaveral, a 70 km de Orlando. De lá, faz paradas em Nassau, capital das Bahamas, e em Castaway Cay, a ilha da Disney.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s