VT Responde: Yosemite, Vale do Loire e Egito

Como aproveitar o Parque Nacional de Yosemite, na Califórnia. Um roteiro por castelos no Vale do Loire, na França. Dicas de segurança para quem vai ao Egito

Por Fabrício Brasiliense (edição) Atualizado em 2 jul 2021, 12h59 - Publicado em 5 out 2012, 19h24

Terei apenas um dia para visitar o Yosemite, na Califórnia, em setembro, e sei que o parque é imenso. Como aproveitar melhor esse tempo?

Aline Morata, São Paulo, SP

Yosemite (yosemitepark.com) ocupa uma área equivalente a mil vezes o tamanho do Central Park, e sua cadeia de montanhas é a meca dos escaladores. Com apenas um dia, melhor fazer como 90% dos visitantes: dedicar seu tempo ao Yosemite Valley, que, apesar de representar 5% da área do parque, é espetacular. Para ter uma ideia geral, vale deixar o carro de lado e embarcar em um tour como o Valley Floor (reservas no 1-209/372-4386; US$ 25 por pessoa), que é feito em jardineiras abertas. O passeio dura duas horas, e você avista pontos muito famosos, como os maciços graníticos Half Dome e El Capitan, as cachoeiras Yosemite e Bridalveil. Um lugar bacana para ver o Valley de cima é o Glacier Point. De carro desde o centro de visitantes até o topo leva cerca de uma hora. Aproveite também para fazer uma refeição no luxuoso Ahwahnee Hotel, construído com pedra e madeira. O restaurante tem janelões de quase 10 metros de altura e uma vista linda. Na opinião do paulistano Gustavo Ogando, que mora em San Diego e esteve em Yosemite diversas vezes, você está indo na melhor época. “De setembro a novembro, o outono, são meses muito bons, pois tanto o calor escaldante quanto as multidões em trilhas e passeios foram embora. E as folha de maple ganham aquele tom amarelado.”

Meu namorado e eu teremos seis dias para visitar o Vale do Loire no início de outubro. Gostaríamos de conhecer os castelos e outros atrativos. Vocês nos ajudam?

— Luciana Cabral, Ribeirão Preto, SP

Consultamos dois experts para ajudar você, Luciana. O francês David Remmers, que negocia vinhos da região do Vale do Loire para importadoras brasileiras, recomenda a visita a seis castelos, entre os mais de 300 da região. “O Plessis-Bourré (plessis-bourre.com) parece flutuar sobre o vasto fosso de água que o cerca; sensação parecida causa o Azay-le-Rideau (azay-le-rideau.monuments-nationaux.fr), construído sobre uma pequena ilha. Chenonceau (chenonceau.com), erguido sobre pilotis e com jardins impecáveis, é tido como o mais bonito do vale; Blois (chateaudeblois.fr) foi residência oficial de Luís 12, rei da França; Chambord (chambord.org) é o maior do Loire; e no Sully-sur-Loire você encontra à venda bons vinhos produzidos nas redondezas. Nessa ordem, o roteiro tem aproximadamente 400 quilômetros.” No campo gastronômico, a chef Carolina Alencar, que estuda gastronomia em Lyon há quatro anos, recomenda muito os queijos crottin de Chavignol e Valençay, feitos de leite de cabra. “Prove também o salmão, as ostras, os aspargos e os mexilhões ao vinho branco. um bom endereço é o L’Odeon (restaurant-lodeon.com), próximo a Azay-le-Rideau, onde o menu custa € 33.”

Continua após a publicidade

Castelo de Chambord, no Vale do Loire, França Castelo de Chambord, no Vale do Loire, França

O hiper-romântico Castelo de Chambord, no Vale do Loire – Foto: Diomedia/Hemis

Quero conhecer o Egito e fazer um cruzeiro que vá até os templos de Abu Simbel. Gostaria de dicas de pacotes e saber como está a segurança no país.

— Julia Sugai, São Paulo, SP

Em fevereiro de 2011, quando o ditador Hosni Mubarak renunciou após ondas de protestos, o cenário era tenso. Hoje, com a eleição de Mohamed Mursi, o clima ainda é de incerteza, mas não há razão para adiar a viagem. Segundo o diretor-geral da Câmara Árabe no Brasil, Michel Alaby, “em setembro e outubro é uma boa época, pois o Ramadã já terminou e os serviços no país voltaram ao normal”. Mas, caso você tope com algum protesto, como os que acontecem na Praça Tahir, no Cairo, afaste-se. A diplomacia dos Estados Unidos desaconselha incursões na região norte do Monte Sinai, próximo à fronteira com Israel. A Raidho (raidho.com.br) tem pacote de dez noites no país e leva a Abu Simbel a bordo de um cruzeiro, desde US$ 2 922. A partir de US$ 3 829 e com igual duração, a Designer (designertours.com.br) também leva para Abu Simbel e faz um cruzeiro de quatro noites de Luxor a Answan.

Continua após a publicidade

Publicidade