Uma pirâmide no meio da metrópole

Antigo centro cerimonial pré-colombiano, Huaca Pucllana domina o bairro de Miraflores em plena capital do Peru

Uma pirâmide no meio da cidade. Uma pirâmide formada por milhares de tijolinhos de barro. Tijolinhos de barro sobrepostos e colocados lado a lado, como livros numa estante, mas com o espaço de um dedo entre eles para evitar que desmoronem em caso de terremotos. A terra treme todo dia na costa sul-americana do Pacífico. Todo dia, sem faltar um. Penso nisso e me surpreendo a cada vez que recordo da Huaca Pucllana, em Miraflores, esse bairro lírico de Lima.

A Huaca Pucllana é um assombro de arquitetura no meio da metrópole. Sua grande pirâmide alcança 25 metros de altura, equivalente a um edifício de dez andares. Um grande centro cerimonial feito de barro e erguido entre 200 e 700 d.C. pelo povo que ocupava o que hoje é a capital do Peru. Esse povo, o povo lima, se desenvolveu nos Vales de Chancay, Chillón, Rímac e Lurín, por onde hoje se esparrama uma cidade de 9 milhões de habitantes.

Na época, cerca de 1500 anos atrás, os limas fizeram da Huaca Pucllana um local de culto e devoção a suas divindades. Ali, portanto, transcorriam os momentos mais importantes da vida social daqueles idos. As pessoas se reuniam para render homenagens e sacrifícios – humanos, inclusive – para seus deuses. Mulheres e crianças eram oferendas desejáveis e muito apreciadas pelos governantes.

Huaca Pucllana, Lima, Peru (/)

Os prédios modernos de Miraflores (ao fundo) colorem o horizonte da grande pirâmide de Huaca Pucllana – Foto: Fábio Vendrame

A religião tinha o mar como inspiração. Das águas salgadas tiravam boa parte de seu sustento, embora também trabalhassem a agricultura – construíram canais de irrigação a partir dos rios que irrigam os vales da região. Cultivavam principalmente milho, feijão, abóbora e pallar (espécie de ervilha), além de frutas típicas do pedaço, como a chirimoya, lúcuma e goiaba.

Esse antigo centro cerimonial pré-inca fica a poucos quilômetros do mar. O oceano aparece frequentemente representado por desenhos de ondas plasmados em vasos e outros objetos de cerâmica. A curiosa figura de um tubarão bicéfalo também é recorrente na iconografia característica da Huaca Pucllana.

Grandes banquetes cerimoniais, em que a carne de tubarão era o prato principal, faziam parte dos cultos ali praticados. Os limas também costumavam quebrar numerosa quantidade de objetos de cerâmica – sempre ornamentados nas cores branca, vermelha e preta – em seus rituais de vida e morte.

Huaca Pucllana, Lima, Peru (/)

Enterrro wari no sítio arqueológico: cultura dominou os limas depois de 700 d.C. e antes da chegada dos incas – Foto: Fábio Vendrame

Pouco a pouco, destino comum a todas as culturas pré-colombianas, os limas começaram a declinar e terminaram anexados pelos waris por volta de 700 d.C. Os waris precederam o domínio inca e fizeram de Pucllana um cemitério. Há muitos nichos com enterros em determinados setores do sítio arqueológico.

Essas e outras histórias são contadas hoje, depois de 30 anos de escavações no local. A equipe de investigação continua empenhada em novas descobertas. Atualmente, 25 operários e oito arqueólogos se dedicam a escavar e a registrar o que encontram e veem na Huaca Pucllana. Dizem que a principal estrutura do local ainda não foi explorada.

Huaca Pucllana, Lima, Peru (/)

Uma equipe de 25 operários dá prosseguimento aos trabalhos de limpeza e escavação – Foto: Fábio Vendrame

De qualquer forma, parte das ruínas simplesmente desapareceu para dar lugar a uma avenida. A Huaca Pucllana mantém apenas 30% de sua construção original intacta. Mesmo assim, domina o bairro de Miraflores.

A entrada custa 12 soles por pessoa e dá direito ao acompanhamento de um guia bilíngue (espanhol e inglês). No local há ainda um museu de sítio e um refinado restaurante, boa pedida para reviver um banquete ao estilo lima – mas sem precisar fazer nenhum sacrifício, pelo menos até a hora de pagar a conta.

Alpaca, Lima, Peru (/)

A simpática alpaca vive na Huaca Pucllana e está acostumada ao assédio das máquinas fotográficas dos turistas – Foto: Fábio Vendrame

Huaca Pucllana, Lima, Peru (/)

Há um refinado restaurante no sítio arqueológico: opção para um banquete à moda lima – Foto: PromPerú/ Divulgação

Leia mais:

48 horas em Lima, a capital do Peru

A Lima das crianças

Peru pré-inca

Sob os olhos de Ai-apaec

O extraordinário reino esculpido na areia

A espantosa beleza da Dama de Cao

Um lugar na história para o povo sicán

O dono do pedaço

Trilha Inca: todos os caminhos para Machu Picchu

10 Atrações imperdíveis em Machu Picchu

Os incas no topo do mundo

Impérios sobre os Andes

O mistério da múmia tatuada

Favela Inca

14 ‘Cidades perdidas’ no mundo

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s