Todas as cores

Roteiros do babado para celebrar a diversidade em sete cidades pelo mundo

Por Gustavo Simon Atualizado em 12 jul 2019, 17h11 - Publicado em 6 jun 2013, 11h14

Por mais que surjam reações conservadoras, nunca este planeta foi tão gay-friendly: países legalizam o casamento entre pessoas do mesmo sexo (Nova Zelândia e França foram os últimos, e, no Brasil, o Supremo Tribunal Federal indicou que os cartórios devem reconhecer o enlace), e o turismo LGBT avança avassaladoramente. Neste ano o setor deve movimentar mundialmente US$ 181 bilhões (oito vezes o que os brasileiros deixaram no exterior em 2012), um recorde. “O turismo hoje é uma moeda social. E os gays adoram”, diz André Fischer, organizador do Festival Mix Brasil e um dos principais difusores do tema no país. Os destinos que a VT selecionou recebem bem o turista LGBT e são, cada um à sua maneira, do babado.

Rio de Janeiro

Esqueça a muvuca da Farme de Amoedo. O fervo com estilo Ray-Ban-e-sunga-colorida em Ipanema andou dois quarteirões e se concentra agora entre as ruas Joana Angélica e Maria Quitéria. Antes da praia, muita gente compra sungas na Cox (mrcox.com.br), butique de praia inspirada na moda de San Francisco. E a noite carioca tem cena bem variada. O melhor lugar para quem quer privacidade é o Bar D’Hôtel, misto de bar descolado e bistrô nos andares superiores do Marina All Suites (marinaallsuites.com.br). Também em Ipanema, o Galeria Café (galeriacafe.com.br) já foi o clube preferido de Jean Wyllys antes de o deputado trocar o rio pelo Congresso Nacional, em Brasília. As nights mais quentes acontecem no tradicional Buraco da Lacraia (buracodalacraia.com), na Lapa, e nas festas itinerantes Wonka Party e D-Date. O spot: a indefectível Boate 00 (00riodejaneiro.com.br), uma das melhores para dançar.

Buenos Aires

A capital argentina investiu pesado na cena gay e hospeda um leque variado de eventos coloridos, como o Festival de Tango (festivaltangoqueer.com.ar) e um pub crawl que às quintas e aos sábados passa por Palermo e termina em um divertido boliche gay (outandaboutpubcrawl.com). Quem prefere chegar sozinho na noite se joga nas fervidas festas Plop (plop-web.com.ar) e Rheo (rheo.com.ar) e no bombado bar Sitges (sitgesonline.com.ar). E um fim de tarde tranquilo é certo no café Pride Hollywood (pridehollywood.com.ar). O spot: a já tradicional pool party de domingo do Axel (axelhotels.com), em San Telmo.

Festa do Axel portenho Festa do Axel portenho

Festa do Axel portenho 

San Francisco

Destino gay histórico, a cidade tem no bairro de Castro seu epicentro colorido. A etiqueta pede que se chegue lá de bonde – pela linha F. Tem gente que anda nua por ali, mas não se trata só disso. Castro abriga o GLBT Historical Society (glbthistory.org), museu que revive a história da luta pelos direitos homossexuais. Harvey Milk, primeiro gay a ser eleito diretamente para um cargo público nos EUA (vivido por Sean Penn no cinema), e que morreu assassinado, é, claro, uma das grandes referências. Além do museu e de grandes sex shops, o bairro tem o Castro Theatre (castrotheatre.com), onde as sessões de cinema são acompanhadas por pianista, e a balada 440 Castro (the440.com). Ainda no bairro, prove o brunch que vai até as 16h do Café Flore (cafeflore.com). Em soma, a balada é o Endup (thendup.com). O spot: o bistrô Harvey’s (harveyssf.com), no coração do bairro de Castro.

O bar Harvey’s, em SanFran O bar Harvey’s, em SanFran

O bar Harvey’s, em SanFran

Berlim

Há quem diga que ela é a Meca do Bafo (a maioria das baladas é mais gay do que hétero). O hit é o clube Berghain (berghain.de), que fica em uma usina elétrica desativada. Em Kreuzberg há um museu inteiramente dedicado à turma LGBT, o Schwules (schwulesmuseum.de), e pubs cool, como o Barbie Deinhoff’s (barbiedeinhoff.de) da drag-celebridade Lena Braun. mas “o bairro” é schöneberg, com o cinema Xenon (xenon-kino.de) e o Neues Ufer (Hauptstrasse, 157), primeiro café alemão a sair do armário, o preferido de David Bowie. O spot: os domingos do GMF (gmfberlin.de), no topo de um prédio do antigo governo socialista, em mitte.

Brighton

A principal cidade balneária (e baladeira) da Inglaterra tem uma comunidade gay que representa quase a quarta parte da população local – imagine a loucura da vida noturna. Foi ali que Fatboy Slim estourou nos anos 1990, tocando em raves na praia que não tem areia, mas pedras. O Legends (legendesbrighton.com) é o bar-terraço mais glamouroso do verão. A boate, gratuita, é “bafo” após as 23 horas. Com três ambientes, o A-Bar (amsterdam.uk.com) é um dos stops das duas versões, “boys” e “girls”, do pub crawl local, que termina no Bulldog (bulldogbrighton.com), point da turma over 30. O spot: o Revenge (revenge.co.uk) tem bar, balada e lounge vip de frente para o mar.

Continua após a publicidade

A praiana Brighton A praiana Brighton

A praiana Brighton

Madri

Cidade que sediará a feira Gay & Lesbian Travel Association de 2014, Madri tem Chueca, um bairro que é uma verdadeira fortaleza gay na Europa. Ali está o Hotel Óscar (oscar-roommatehotels.com), com sua piscina animadíssima, fotos de nus nos quartos e o Gift, bar perfeito para o carão. Antes da balada, vá ao Nike (Calle Augusto Figueroa, 22), um dos melhores esquentas da cidade, para um chope com patatas bravas. Em Chueca também está a Berkana (libreriaberkana.com), a primeira livraria especializada em títulos gays da Espanha. Às sextas, a disco Ohm (ohmclub.es) ferve. As copas são libres até as 2 horas, desde que você se inscreva na lista do site. O spot: o Kapital (grupo-kapital.com) abriga sete festas em um prédio de sete andares. Em algumas delas, com direito a bolhas de sabão.

Quarto do Óscar, em Madri Quarto do Óscar, em Madri

Quarto do Óscar, em Madri

Tel-Aviv

A cidade israelense é o oásis da diversidade no Oriente Médio e tem até um festival de cinema… gay. Hilton Beach é a praia sem ondas do babado, e o Sexy Shop (sexyshop.co.il), o maior centro de brinquedinhos eróticos do país. Esquente o clima na sauna Paradise (saunaparadise.co.il), com piscina, jacuzzi e espaços privê para as soap parties. A boate Apolo (Allenby, 46) mistura duas pistas de dança, bar e dark room, e o Lima Lima (Lilenblum, 42) faz às segundas a hypada the Notorious g.a.Y., festa com funk e soul dos anos 1970. O spot: o megaclube Haoman 17 (Abarbanel, 88), um dos melhores do mundo da cena eletrônica e com os afters mais concorridos. Se joga, bee!

Leia mais:

Check-in ##- Veja outras reportagens da edição de JUNHO de 2013 da VT

 

Buenos Aires ##- A cidade onde o dólar tudo pode

 

O bonde de Istambul ##

 

ABBAmania ##- O museu da banda em Estocolmo

 

Continua após a publicidade

Publicidade